Menu

Cidades

Doenças raras buscam igualdade de atenção

Doenças raras buscam igualdade de atenção
Doenças raras buscam igualdade de atenção

No próximo dia 29 de fevereiro, o mundo volta a atenção para uma questão muitas vezes negligenciada: as doenças raras. Sob o tema “Equidade para as pessoas que vivem com uma doença rara”, a Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia (SBEM) endossa campanha mundial pelo acesso igualitário ao diagnóstico e tratamento dessas enfermidades complexas.

Na área da Endocrinologia, diversas doenças raras exigem atenção especial, dentre elas temos os distúrbios da hipófise, como a acromegalia (produção excessiva do hormônio do crescimento), doenças metabólicas como lipodistrofia (disposição anormal da gordura no corpo) e o hipotireoidismo congênito (incapacidade de produção dos hormônios tireoideanos no recém-nascidos).

A endocrinologista Mariana Guerra, presidente da Comissão de Campanhas em Endocrinologia da SBEM, esclarece que diagnóstico precoce das doenças raras é essencial. “Muitas vezes os sinais são sutis, exigindo uma abordagem multidisciplinar que envolve médicos de diferentes especialidades, como clínicos gerais, ginecologistas, dermatologistas, entre outros especialistas”, explica.

O Dia Mundial das Doenças Raras é um esforço global coordenado pela Organização Europeia para Doenças Raras (Eurordis), que, neste ano, tem como foco a promoção da igualdade em oportunidades sociais, cuidados de saúde e acesso a diagnósticos e terapias para quem convive com essas condições.

Segundo dados da Eurordis, existem mais de 6 mil doenças raras identificadas e cerca de 300 milhões de pessoas convivem com uma delas em todo o mundo atualmente. Dessas, cerca de 70% são de origem genética, enquanto as outras têm causas variadas, como infecções, alergias e fatores ambientais. A incidência de cânceres raros representa 1 em cada 5 casos, com menos de 6 ocorrências a cada 100 mil indivíduos por ano. Mas, a taxa de sobrevivência é mais baixa para doentes com um câncer raro do que para aqueles diagnosticados com um câncer comum.

Aproximadamente 70% das doenças raras de origem genética têm início na infância, impactando não apenas a saúde física, mas também o desenvolvimento e a qualidade de vida desses pacientes e famílias. No Brasil, boa parte pode ser identificada através do teste do pezinho, que é realizado pelo Sistema Único de Saúde.

Doenças raras buscam igualdade de atenção

Doenças raras buscam igualdade de atenção
Doenças raras buscam igualdade de atenção

No próximo dia 29 de fevereiro, o mundo volta a atenção para uma questão muitas vezes negligenciada: as doenças raras. Sob o tema “Equidade para as pessoas que vivem com uma doença rara”, a Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia (SBEM) endossa campanha mundial pelo acesso igualitário ao diagnóstico e tratamento dessas enfermidades complexas.

Na área da Endocrinologia, diversas doenças raras exigem atenção especial, dentre elas temos os distúrbios da hipófise, como a acromegalia (produção excessiva do hormônio do crescimento), doenças metabólicas como lipodistrofia (disposição anormal da gordura no corpo) e o hipotireoidismo congênito (incapacidade de produção dos hormônios tireoideanos no recém-nascidos).

A endocrinologista Mariana Guerra, presidente da Comissão de Campanhas em Endocrinologia da SBEM, esclarece que diagnóstico precoce das doenças raras é essencial. “Muitas vezes os sinais são sutis, exigindo uma abordagem multidisciplinar que envolve médicos de diferentes especialidades, como clínicos gerais, ginecologistas, dermatologistas, entre outros especialistas”, explica.

O Dia Mundial das Doenças Raras é um esforço global coordenado pela Organização Europeia para Doenças Raras (Eurordis), que, neste ano, tem como foco a promoção da igualdade em oportunidades sociais, cuidados de saúde e acesso a diagnósticos e terapias para quem convive com essas condições.

Segundo dados da Eurordis, existem mais de 6 mil doenças raras identificadas e cerca de 300 milhões de pessoas convivem com uma delas em todo o mundo atualmente. Dessas, cerca de 70% são de origem genética, enquanto as outras têm causas variadas, como infecções, alergias e fatores ambientais. A incidência de cânceres raros representa 1 em cada 5 casos, com menos de 6 ocorrências a cada 100 mil indivíduos por ano. Mas, a taxa de sobrevivência é mais baixa para doentes com um câncer raro do que para aqueles diagnosticados com um câncer comum.

Aproximadamente 70% das doenças raras de origem genética têm início na infância, impactando não apenas a saúde física, mas também o desenvolvimento e a qualidade de vida desses pacientes e famílias. No Brasil, boa parte pode ser identificada através do teste do pezinho, que é realizado pelo Sistema Único de Saúde.

NOTÍCIAS DE GRAÇA NO SEU CELULAR

A Prensa está sempre se adaptando às novas ferramentas de distribuição do conteúdo produzido pela nossa equipe de reportagem. Você pode receber nossas matérias através da comunidade criada nos canais de mensagens eletrônicas Whatsaap e Telegram. Basta clicar nos links e participar, é rápido e você fica por dentro do que rola na Região dos Lagos do Rio de Janeiro.

Faça parte da nossa comunidade no Whatsapp e Telegram:

Se você quer participar do nosso grupo, a gente vai te contar como vai ser agorinha mesmo. Se liga:

  • As nossas matérias chegam pra você a cada 1h, de segunda a sábado. Informações urgentes podem ser enviadas a qualquer momento.
  • Somente os administradores podem mandar os informes e realizar alterações no grupo. Além disso, estamos sempre monitorando quem são os participantes.
  • Caso tenha alguma dificuldade para acessar o link das matérias, basta adicionar o número (22) 99954-6926 na sua lista de contatos.

Nos ajude a crescer, siga nossas redes Sociais: Facebook, Instagram, Twitter e Tik Tok e Youtube

Veja Também

Gestores de indústrias palestram sobre sucesso na gestão

Susana Vieira quita dívida de IPTU em Búzios após processo judicial

Petrobras atualiza valor de dividendos em movimento estratégico

Roadshows: modelo está se adaptando para o mercado do Brasil

Coluna da Angela

A reprodução parcial deste conteúdo por veículos de comunicação é permitida desde que contenha crédito à Prensa de Babel na abertura do
texto, bem como LINK para o site "www.prensadebabel.com.br"
A supressão da fonte pode implicar em medidas de acordo com a lei de direitos autorais.