Menu

Cidades

Semana Rayzza Ribeiro realiza homenagens e traz debate sobre feminicídio

WhatsApp Image 2019-05-23 at 09.32.08

Quatro dias de conscientização e homenagens marcam os três anos do assassinato da jovem Rayzza Ribeiro. Desta quinta-feira (23) até o próximo domingo (26), em Cabo Frio, a Semana Rayzza Ribeiro pretende levar às Praças Porto Rocha e São Cristovão o debate sobre violência contra mulher, entre palestras e shows.

Nesta quinta-feira (23), na Praça Porto Rocha, no Centro, ativistas contra a violência vão participar de uma roda de debates sobre o tema. Na sexta-feira (24), em uma cerimônia reservada, a família jogará as cinzas de Rayzza no mar. No sábado (24), peças, poesias e rodas de conversa vão retornar ao tema feminicídio, desta vez no Charitas.E para fechar, no domingo (26), shows de rock na Praça de São Cristóvão. Todos os eventos são gratuitos e abertos ao público em geral.

Um dos organizadores e melhor amigo de Rayzza, Jesiel Anselmet conta que “desde então eu tenho lutado por justiça, é mais que uma homenagem, é um grito por justiça. Exigência por justiça. Além da Rayzza outras mulheres foram assassinadas aqui na Região. Corpos foram encontrados e nenhuma justiça foi feita. Então a gente exige justiça. A Semana Rayzza nada mais é do que um grito por justiça”, explicou emocionado.

Rayzza Ribeiro foi encontrada sem vida após deixar um evento em uma escola ocupada de Cabo Frio, no dia 23 de maio de 2016. De acordo com as investigações, imagens de uma câmera de segurança mostram Rayzza entrando em um carro na madrugada do dia 23. Essa foi a ultima vez que a jovem foi vista com vida. Seu corpo foi encontrado carbonizado e com marcas de violência, na Estrada do Chaparral, São Pedro da Aldeia, no dia seguinte. Até hoje ninguém foi preso e o crime segue sem solução.

Feminicídios e agressões contra mulheres 

O número de casos de agressão contra a mulher no Estado do Rio de Janeiro vem crescendo. Em média, são 379 agressões contra mulheres por dia, segundo números do Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro. Este ano, 22.360 mulheres denunciaram agressões no Estado do Rio de Janeiro. Em janeiro e fevereiro, foram registrados 14 casos de feminicídio. A Justiça decretou mais de 4.736 medidas protetivas de urgência e 123 prisões.

 

Semana Rayzza Ribeiro realiza homenagens e traz debate sobre feminicídio

WhatsApp Image 2019-05-23 at 09.32.08

Quatro dias de conscientização e homenagens marcam os três anos do assassinato da jovem Rayzza Ribeiro. Desta quinta-feira (23) até o próximo domingo (26), em Cabo Frio, a Semana Rayzza Ribeiro pretende levar às Praças Porto Rocha e São Cristovão o debate sobre violência contra mulher, entre palestras e shows.

Nesta quinta-feira (23), na Praça Porto Rocha, no Centro, ativistas contra a violência vão participar de uma roda de debates sobre o tema. Na sexta-feira (24), em uma cerimônia reservada, a família jogará as cinzas de Rayzza no mar. No sábado (24), peças, poesias e rodas de conversa vão retornar ao tema feminicídio, desta vez no Charitas.E para fechar, no domingo (26), shows de rock na Praça de São Cristóvão. Todos os eventos são gratuitos e abertos ao público em geral.

Um dos organizadores e melhor amigo de Rayzza, Jesiel Anselmet conta que “desde então eu tenho lutado por justiça, é mais que uma homenagem, é um grito por justiça. Exigência por justiça. Além da Rayzza outras mulheres foram assassinadas aqui na Região. Corpos foram encontrados e nenhuma justiça foi feita. Então a gente exige justiça. A Semana Rayzza nada mais é do que um grito por justiça”, explicou emocionado.

Rayzza Ribeiro foi encontrada sem vida após deixar um evento em uma escola ocupada de Cabo Frio, no dia 23 de maio de 2016. De acordo com as investigações, imagens de uma câmera de segurança mostram Rayzza entrando em um carro na madrugada do dia 23. Essa foi a ultima vez que a jovem foi vista com vida. Seu corpo foi encontrado carbonizado e com marcas de violência, na Estrada do Chaparral, São Pedro da Aldeia, no dia seguinte. Até hoje ninguém foi preso e o crime segue sem solução.

Feminicídios e agressões contra mulheres 

O número de casos de agressão contra a mulher no Estado do Rio de Janeiro vem crescendo. Em média, são 379 agressões contra mulheres por dia, segundo números do Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro. Este ano, 22.360 mulheres denunciaram agressões no Estado do Rio de Janeiro. Em janeiro e fevereiro, foram registrados 14 casos de feminicídio. A Justiça decretou mais de 4.736 medidas protetivas de urgência e 123 prisões.

 

NOTÍCIAS DE GRAÇA NO SEU CELULAR

A Prensa está sempre se adaptando às novas ferramentas de distribuição do conteúdo produzido pela nossa equipe de reportagem. Você pode receber nossas matérias através da comunidade criada nos canais de mensagens eletrônicas Whatsaap e Telegram. Basta clicar nos links e participar, é rápido e você fica por dentro do que rola na Região dos Lagos do Rio de Janeiro.

Faça parte da nossa comunidade no Whatsapp e Telegram:

Se você quer participar do nosso grupo, a gente vai te contar como vai ser agorinha mesmo. Se liga:

  • As nossas matérias chegam pra você a cada 1h, de segunda a sábado. Informações urgentes podem ser enviadas a qualquer momento.
  • Somente os administradores podem mandar os informes e realizar alterações no grupo. Além disso, estamos sempre monitorando quem são os participantes.
  • Caso tenha alguma dificuldade para acessar o link das matérias, basta adicionar o número (22) 99954-6926 na sua lista de contatos.

Nos ajude a crescer, siga nossas redes Sociais: Facebook, Instagram, Twitter e Tik Tok e Youtube

Veja Também

Bell Marques lança “100% Você”, empresa de suplementação

Portalmad Portas e Janelas investe em madeira sustentável

Lances para leilões on-line de bens de apartamentos decorados estão abertos

Piscinas devem ter uso consciente da água, diz especialista

Coluna da Angela

A reprodução parcial deste conteúdo por veículos de comunicação é permitida desde que contenha crédito à Prensa de Babel na abertura do
texto, bem como LINK para o site "www.prensadebabel.com.br"
A supressão da fonte pode implicar em medidas de acordo com a lei de direitos autorais.