MPRJ obtém bloqueio de R$ 2,8 milhões de três ex-prefeitos de Macaé

Ação do MPRJ investiga os ex-prefeitos Ricardo Meirelles Vieira, Sylvio Lopes Teixeira e Riverton Mussi Ramos, e envolve mais cinco réus

O Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro (MPRJ) obteve decisão favorável para uma ação civil pública ajuizada para que três ex-prefeitos de Macaé, tivessem seus bens bloqueados. Segundo o órgão, a sentença engloba em um total de R$ 2.870.914,16 bloqueados devido à prática de atos de improbidade administrativa.

A investigação inclui oito réus no total, e está sendo efetuada por meio da 2ª Promotoria de Justiça de Tutela Coletiva do Núcleo Macaé, junto à 1ª Vara Cível do município. De acordo com a ação, o ex vice-prefeito Ricardo Meirelles Vieira celebrou convênio entre a prefeitura e a entidade Catalunya em Missão, sem justificativa plausível quanto à escolha da entidade, bem como sem indicar o interesse público da medida.

Os outros ex-prefeitos apontados pelo MPRJ são Sylvio Lopes Teixeira e Riverton Mussi Ramos, que teriam firmado termos aditivos ao convênio, bem como autorizaram a emissão de notas de empenho e de ordens de pagamentos, não havendo comprovação do efetivo uso das verbas públicas recebidas e tendo sido verificado que grande parte dos valores percebidos pela instituição era utilizada para o seu próprio custeio.

Ainda de acordo com a ação, não foram prestadas contas relativas ao convênio nos anos de 2001, 2002, 2008, 2009, 2010 e 2011 e, em 2004, não foram comprovadas todas as despesas realizadas. Segundo o órgão, em auditoria realizada no município, o Tribunal de Contas do Estado (TCE/RJ) encontrou irregularidades em subvenções concedidas pela administração, e que a entidade ré era utilizada para fins assistencialistas do vereador Maxwell Vaz, fundador e diretor, tendo como presidente Pedro José Casas e como tesoureiros Lenilson Gualda Fernandes e Beatriz Helena Monteiro de Azevedo Vaz, esposa do vereador.

Na decisão, o Juízo destaca que as subvenções públicas concedidas violaram os princípios da moralidade e impessoalidade, pois foram repassadas elevadas somas de recursos sem justificativa plausível quanto à escolha da entidade e quanto ao interesse público.

“Ademais, inexiste comprovação da efetiva destinação das verbas públicas percebidas pela instituição e mensuração dos serviços prestados, com padrões mínimos de eficiência previamente fixados, ao arrepio do disposto no art. 16, P.U, da Lei 4.320/64, tendo sido apurado pelo Parquet que as elevadas somas recebidas destinavam-se ao custeio próprio da entidade (mão-de-obra, eletricidade), bem como à distribuição de alimentos, sendo que a própria Secretaria de Assistência Social de Macaé realizava a mesma função”, diz um dos trechos da decisão.

Comentários

Windows Lizenz Windows 10 Lizenz Office 2019 Lizenz Kaufen Office 365 kaufen Windows 10 Home kaufen Office 2016 kaufen windows 10 satın al windows 10 pro satın al