Implantação de Serviço de Hospedagem tipo C volta a ser discutida em Búzios

Ação altera o plano diretor do município. Serviço de Hospedagem tipo C caracteriza é o que os grandes hotéis, o que foge ao gabarito da cidade

Questões envolvendo as políticas de ocupação na cidade de Búzios voltaram a ser pauta no município. O governo executivo enviou novamente para a Câmara Municipal a proposta de alterar a Lei de Uso Solo para permitir a implantação de Serviços de Hospedagem tipo C. A demanda foi citada nesta terça-feira (20) na casa legislativa.

A medida permite a construção de hospedagens do tipo C, ou seja, grandes hotéis, no território do balneário, invadindo espaços onde é permitido o tipo A, com pequenos hotéis e pousadas.

A ação altera o plano diretor do município, o que foge aos trâmites legais, pois o plano só pode ser modificado ou atualizado em um intervalo de 10 anos, mediante à uma audiência pública para consulta da população. Além disso, a proposta pode alterar a paisagem urbana e o gabarito das construções de Búzios, o que causa inquietude na população.

A revisão do plano deveria ter sido feita em 2016, mas ainda não aconteceu.

Documento, Conselho do Meio Ambiente 2020. Imagem: Divulgação

A questão é vista como polêmica há um tempo. Em agosto do ano passado, os membros do Conselho Municipal de Meio Ambiente da época votaram por unanimidade a rejeição da medida e, por meio de um ofício enviado à Câmara, relataram que o sentimento do órgão representava grande parte da sociedade.

De acordo com George Clark, membro da Associação de Engenheiros e Arquitetos, a proposta resulta em uma “violência urbana”, uma vez que todo o território do município pode ser invadido por grandes hotéis, o que é contra à escala de menores dimensões da cidade.

A Prensa também questionou o Instituto dos Arquitetos do Brasil (IAB, núcleo Búzios). Segundo o presidente, Pedro Compolina, o posicionamento do órgão continua o mesma que foi afirmado no ofício enviado à Câmara em 2020.

“Reafirmamos que essa mensagem mexe em pontos do Plano Diretor, sendo assim não deve ser levada a frente pois o Plano deve ser revisado como um todo. O prazo de revisão previsto no próprio plano é de 10 anos e deveria ter acontecido em 2016. A mudanças em questão não foram discutida em nenhum conselho, o que vai contra a noção de um planejamento urbano participativo. Além disso, a prefeitura nunca apresentou estudos de impacto para uma discussão embasada sobre o assunto.”, explicou.

A Prensa procurou a assessoria da Câmara Municipal e a prefeitura de Búzios, e aguarda respostas.

Comentários

Windows Lizenz Windows 10 Lizenz Office 2019 Lizenz Kaufen Office 365 kaufen Windows 10 Home kaufen Office 2016 kaufen lisans satın al office 2019 satın al follower kaufen instagram follower kaufen porno