Helicóptero com destino ao Farol de São Tomé faz pouso de emergência em plataforma na costa de Macaé

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email

Aeronave decolava com trabalhadores da P-51 para troca de turma quando apresentou falhas técnicas; heliponto segue interditado  

Uma aeronave que transportava trabalhadores da P-51 com destino ao Farol de São Tomé (SBFS), em Campos dos Goytacazes, precisou fazer um pouso de emergência logo após a decolagem, no sábado (21).  A plataforma fica localizada na Bacia de Campos, a 150 km da costa de Macaé, no campo de Marlim Sul. Ninguém ficou ferido.

Segundo o Sindipetro-NF, o helicóptero modelo S92 pertence à empresa Omni táxi aéreo e apresentou problemas técnicos quando levantava voo a cerca de um metros de altura da plataforma e se chocou sem gravidade ao helideck.

Publicidade

A aeronave fazia a troca de turma dos trabalhadores por volta das 6h45 quando aconteceu o incidente. De acordo com relatos de alguns funcionários da P-51 ao Jornal Clique Diário, os motores do helicóptero começaram a fazer um “barulho diferente” durante a decolagem.  

A empresa enviou uma equipe de engenharia e manutenção ao local, mas ainda não solucionou o problema. O heliponto segue interditado após 48h e, mesmo com a orientação do Sindicato para que a operação fosse suspensa, já que a unidade fica sem a possibilidade de resgate rápido para emergência, o trabalho segue ocorrendo normalmente,  contrariando a Norma Regulamentadora 37 (NR-37).

“Como o heliponto está interditado, ele não está garantido para a P-51 o tempo para resgate aeromédico. A empresa está ignorando a norma e zombando da SRTE [Superintendência Regional de Trabalho e Emprego] e do MPT [Ministério Público do Trabalho], que são os órgãos fiscalizadores”, afirma o coordenador do Departamento de Saúde do Sindipetro-NF, Alexandre Vieira.
 
Sobre a N-37

A norma prevê que “a operadora da instalação e as empresas prestadoras de serviços devem adotar medidas que visem à promoção, à proteção, à recuperação e à prevenção de agravos à saúde de todos os seus trabalhadores a bordo, de maneira a compreender ações em terra e a bordo”.

No caso de atendimento emergencial, “o resgate realizado por aeronave do tipo Evacuação Aeromédica (EVAM), a aeronave e a tripulação devem estar prontas para decolar em até 30 minutos após o seu acionamento pelo médico regulador, sendo que tempos superiores a 30 minutos devem ser justificados pela operadora da instalação; entretanto, o prazo para a decolagem não pode exceder a 45  minutos”.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email

Últimas Notícias

Ex-bbb, Juliette Freire, a nova Nazaré Tedesco

Sextou com uma notícia maravilhosa para o bolso dos cidadãos do estado do Rio de Janeiro

Cinco atrizes com histórias em Búzios

Shopping Park Lagos, em Cabo Frio, promove Festival de Tênis de Mesa neste fim de semana

MPRJ e Polícia Civil realizam operação contra organização criminosa de compra e venda de combustíveis através de empresa fantasma

Lucy Alves é a grande atração do Arraiá de Maricá neste fim de semana