A justiça tarda: 45 anos após a morte de Ângela Diniz, STF invalida defesa da honra para justificar feminicídios

O assassinato da socialite mineira Ângela Diniz aconteceu na cidade de Búzios e foi um dos feminicídios mais famosos do país antes mesmo de o termo ser criado

Durante o mês de março, em homenagem ao dia internacional da mulher, muito se é falado sobre igualdade de gêneros e defesa dos direitos femininos. Neste ano, um caso virou pauta de debates pelo país, pois no dia 26 de fevereiro de 2021, o STF (Supremo Tribunal Federal) concedeu uma liminar que declarou inconstitucional a tese de legítima defesa da honra em crimes contra a vida, argumento geralmente usado por autores de feminicídio.

A sentença destacou o assassinato de Ângela Diniz, socialite brasileira que foi morta aos 32 anos com quatro tiros no rosto no ano de 1976, na praia dos ossos, em Búzios, causando comoção nacional e sendo amplamente divulgado pelos jornais da época. O autor do crime foi o empresário Raul Fernando do Amaral Street, mais conhecido como Doca Street, companheiro de Ângela. O caso, que aconteceu durante uma briga do casal, foi um dos feminicídios mais famosos do país antes mesmo de o termo ser criado.

Doca morreu aos 83 anos em dezembro de 2020 vítima de uma ataque cardíaco.

A “defesa de honra” foi uma justificativa por muito tempo utilizada para sustentar os assassinatos, e em alguns casos levava à absolvição dos criminosos ou redução da pena, colocando em pauta a motivação por ciúmes ou vingança, em casos de traição.

Entenda o Caso

Ângela Diniz era uma socialite nascida em Minas Gerais, e na década de 70 foi uma das mulheres mais conhecidas do país. Doca era companheiro de Ângela e os dois haviam terminado o relacionamento pouco antes do crime. O casal havia se conhecido meses antes, época em que Doca abandonou a esposa e filhos para viver o romance.

Casa onde o crime aconteceu. Foto de Flora Thomson de Veaux | Reprodução

Ângela foi morta em Búzios, onde a socialite tinha uma casa na Praia dos Ossos. Após o assassinato, durante o primeiro julgamento, Doca Street foi condenado a dois anos de prisão, pena que significava uma absolvição. O criminoso alegava ter ciúmes da vítima e dizia que ter matado “por amor”.

Com a suspensão da pena, o Ministério Público recorreu, e em 1981, ele foi condenado por homicídio a 15 anos de prisão, cuja pena foi cumprida.

Após 45 anos do caso, o ministro do STF Dias Tóffoli foi o responsável pela liminar de inconstitucionalidade. Segundo Tóffoli, a chamada defesa da honra não encontra qualquer amparo ou ressonância no ordenamento jurídico pátrio.

Para o ministro, os casos de traição se encontram inseridos no contexto das relações amorosas, sendo homens ou mulheres suscetíveis a tal prática ou sofrê-la. Além disso, ele ressalta que o valor da traição reside no âmbito ético ou moral, não havendo razão para falar-se em um direito subjetivo de agir contra a traição com violência.

Praia dos ossos – podcast

Para discutir as muitas vertentes e lições que esta narrativa pode oferecer, a equipe do Rádio Novelo produziu o podcast documental “Praia dos Ossos”. A obra conta com 8 capítulos e revive a história do assassinato da socialite mineira, Ângela Diniz.

O podcast está disponível por meio do site radionovelo.com.br, e também nas plataformas do Spotify, Apple Podcasts e Deezer.

A Prensa repudia qualquer tipo de violência contra a mulher. Casos como este ou semelhantes devem ser denunciados por meio do Disque 180.

PRENSA 970X250 GOOGLE CONTEMPLADO INTERTEXTO BARRA
Comentários

Windows Lizenz Windows 10 Lizenz Office 2019 Lizenz Kaufen Office 365 kaufen Windows 10 Home kaufen Office 2016 kaufen lisans satın al office 2019 satın al follower kaufen instagram follower kaufen porno