Menu

Cidades

Ações contra o tabagismo alcançam 5,6 bilhões de pessoas

Ações contra o tabagismo alcançam 5,6 bilhões de pessoas
Ações contra o tabagismo alcançam 5,6 bilhões de pessoas

Em publicação realizada pela Organização Mundial da Saúde (OMS) através do seu nono relatório sobre a epidemia global do tabaco (2023), destacando a persistência do tabagismo como uma das maiores ameaças à saúde pública, com mais de 8 milhões de mortes relacionadas ao tabaco ocorrendo anualmente. Segundo o documento publicado, o controle do tabaco permanece uma prioridade de saúde global.

O relatório também marcou o 15º ano desde a introdução do MPOWER, que é um conjunto de políticas e estratégias recomendadas pela Organização Mundial da Saúde (OMS) para combater o consumo de tabaco e suas consequências para a saúde pública. Os resultados publicados mostram que, em 2022, mais de 5,6 bilhões de pessoas, o que corresponde a 71% da população mundial, estavam cobertas por pelo menos uma medida do MPOWER implementada no nível mais alto. A publicação em questão foi feita em julho de 2023 e apresenta dados relacionados à aplicação da estratégia MPOWER.

Um dado que foi publicado no estudo é que o número de países com uma ou mais medidas do MPOWER em vigor mais do que triplicou desde 2007, passando de 44 para 151 países. Além disso, o relatório afirma que o número de países com duas ou mais medidas do MPOWER implementadas aumentou quase 10 vezes, de 11 para 101 países. Quarenta e oito nações possuem pelo menos três políticas em vigor, abrangendo uma população de 1,5 bilhão de pessoas.

Sobre o assunto, Miler Nunes Soares, médico psiquiatra e responsável pela Clínica de Recuperação em Cuiabá no Mato Grosso Granjimmy afirma que o relatório indica que mais países estão comprometidos em resolver os problemas relacionados ao consumo de tabaco no mundo. “É importante notar que uma das ações do MPOWER também foca em proteger pessoas que não fumam, mas que podem frequentar lugares onde possam haver fumantes, mesmo que usando setores de locais públicos para seu consumo”.

O relatório da Organização Mundial da Saúde (OMS) enfatiza a importância de medidas  que eliminem a fumaça do tabagismo para proteger as pessoas. O relatório afirma que o foco do estudo sobre a epidemia global do tabaco está no “P” das medidas MPOWER, que se refere à proteção das pessoas contra a exposição à fumaça do tabaco.

O documento apresenta dados de locais públicos fechados, locais de trabalho e transporte público que são completamente livres de fumaça A partir dessa informação, a publicação mostra que 2,1 bilhões de pessoas em 74 países já são beneficiadas por esta ação. Isso representa um aumento de sete vezes desde 2007 e faz com que ambientes livres de fumaça sejam a segunda medida do MPOWER mais amplamente adotada em termos do número de países atendidos.

Perguntado sobre o assunto, Miler Nunes comentou que na unidade da Clínica de Recuperação em Rondônia, as pessoas são orientadas a ficarem afastadas de locais separados para consumo de tabaco, como no caso de área para fumantes. “O relatório da OMS aponta que 71 países ainda permitem áreas ou salas designadas para fumantes em muitos estabelecimentos e que espera-se das autoridades desses países a rápida adequação das ações estabelecidas pela OMS”.

Ações contra o tabagismo alcançam 5,6 bilhões de pessoas

Ações contra o tabagismo alcançam 5,6 bilhões de pessoas
Ações contra o tabagismo alcançam 5,6 bilhões de pessoas

Em publicação realizada pela Organização Mundial da Saúde (OMS) através do seu nono relatório sobre a epidemia global do tabaco (2023), destacando a persistência do tabagismo como uma das maiores ameaças à saúde pública, com mais de 8 milhões de mortes relacionadas ao tabaco ocorrendo anualmente. Segundo o documento publicado, o controle do tabaco permanece uma prioridade de saúde global.

O relatório também marcou o 15º ano desde a introdução do MPOWER, que é um conjunto de políticas e estratégias recomendadas pela Organização Mundial da Saúde (OMS) para combater o consumo de tabaco e suas consequências para a saúde pública. Os resultados publicados mostram que, em 2022, mais de 5,6 bilhões de pessoas, o que corresponde a 71% da população mundial, estavam cobertas por pelo menos uma medida do MPOWER implementada no nível mais alto. A publicação em questão foi feita em julho de 2023 e apresenta dados relacionados à aplicação da estratégia MPOWER.

Um dado que foi publicado no estudo é que o número de países com uma ou mais medidas do MPOWER em vigor mais do que triplicou desde 2007, passando de 44 para 151 países. Além disso, o relatório afirma que o número de países com duas ou mais medidas do MPOWER implementadas aumentou quase 10 vezes, de 11 para 101 países. Quarenta e oito nações possuem pelo menos três políticas em vigor, abrangendo uma população de 1,5 bilhão de pessoas.

Sobre o assunto, Miler Nunes Soares, médico psiquiatra e responsável pela Clínica de Recuperação em Cuiabá no Mato Grosso Granjimmy afirma que o relatório indica que mais países estão comprometidos em resolver os problemas relacionados ao consumo de tabaco no mundo. “É importante notar que uma das ações do MPOWER também foca em proteger pessoas que não fumam, mas que podem frequentar lugares onde possam haver fumantes, mesmo que usando setores de locais públicos para seu consumo”.

O relatório da Organização Mundial da Saúde (OMS) enfatiza a importância de medidas  que eliminem a fumaça do tabagismo para proteger as pessoas. O relatório afirma que o foco do estudo sobre a epidemia global do tabaco está no “P” das medidas MPOWER, que se refere à proteção das pessoas contra a exposição à fumaça do tabaco.

O documento apresenta dados de locais públicos fechados, locais de trabalho e transporte público que são completamente livres de fumaça A partir dessa informação, a publicação mostra que 2,1 bilhões de pessoas em 74 países já são beneficiadas por esta ação. Isso representa um aumento de sete vezes desde 2007 e faz com que ambientes livres de fumaça sejam a segunda medida do MPOWER mais amplamente adotada em termos do número de países atendidos.

Perguntado sobre o assunto, Miler Nunes comentou que na unidade da Clínica de Recuperação em Rondônia, as pessoas são orientadas a ficarem afastadas de locais separados para consumo de tabaco, como no caso de área para fumantes. “O relatório da OMS aponta que 71 países ainda permitem áreas ou salas designadas para fumantes em muitos estabelecimentos e que espera-se das autoridades desses países a rápida adequação das ações estabelecidas pela OMS”.

NOTÍCIAS DE GRAÇA NO SEU CELULAR

A Prensa está sempre se adaptando às novas ferramentas de distribuição do conteúdo produzido pela nossa equipe de reportagem. Você pode receber nossas matérias através da comunidade criada nos canais de mensagens eletrônicas Whatsaap e Telegram. Basta clicar nos links e participar, é rápido e você fica por dentro do que rola na Região dos Lagos do Rio de Janeiro.

Faça parte da nossa comunidade no Whatsapp e Telegram:

Se você quer participar do nosso grupo, a gente vai te contar como vai ser agorinha mesmo. Se liga:

  • As nossas matérias chegam pra você a cada 1h, de segunda a sábado. Informações urgentes podem ser enviadas a qualquer momento.
  • Somente os administradores podem mandar os informes e realizar alterações no grupo. Além disso, estamos sempre monitorando quem são os participantes.
  • Caso tenha alguma dificuldade para acessar o link das matérias, basta adicionar o número (22) 99954-6926 na sua lista de contatos.

Nos ajude a crescer, siga nossas redes Sociais: Facebook, Instagram, Twitter e Tik Tok e Youtube

Veja Também

Terra pode alcançar 2,9°C até o fim do século

Duas praias de Búzios entre as melhores do mundo

Festival de Inverno no Tawa Beach promete noites mágicas em Búzios

Brazil Potash Estabelece Conselho Consultivo Presidido por Mayo Schmidt

Coluna da Angela

A reprodução parcial deste conteúdo por veículos de comunicação é permitida desde que contenha crédito à Prensa de Babel na abertura do
texto, bem como LINK para o site "www.prensadebabel.com.br"
A supressão da fonte pode implicar em medidas de acordo com a lei de direitos autorais.