Vereadores de Casimiro aprovam contas do ex-prefeito, ignorando parecer do Tribunal de Contas do Estado

Um dos vereadores tentou desqualificar o processo de análise de dados do TCE afirmando que o mesmo não era técnico e sim político.

Os vereadores da Câmara de Casimiro de Abreu aprovaram, por maioria de votos, na última quarta-feira (11) as contas ano de 2016 do ex-prefeito Antônio Marcos. Segundo a decisão do Tribunal de Contas do Estado (TCE), o órgão não recomendava a aprovação já que o ex-gestor acumulou duas irregularidades, 15 impropriedades, 17 determinações e ainda deixou um déficit de mais de R$18 milhões.

PROLAGOS 300_250_pix

Os seguintes parlamentares votaram a favor a favor da aprovação das contas e contra a recomendação do TCE: Bitó (PSC), Ramon Gidalte (PPS), Dr. Adriano (PV), Lelei da Marmoaria (PSL), Neném da Barbearia (MDB) e Marquinho da Vaca Mecânica (PEN).

Nem os conselhos do relator da Comissão de Constituição e Justiça da Câmara Municipal (CCJ), Alex Neves (PSB) durante a sessão plenária evitou que a esse destino político de concretizasse.

“Acredito que posso falar por todos os vereadores aqui presentes. Nós não temos a capacidade técnica para avaliar as contas e outras complexidade contidas nesses documentos, para fazer a análise desses números, porém o Tribunal de Contas tem. Ele tem esse papel de conferir. Ele a capacidade de dar um parecer prévio, mas quem tem que julgar somos nós. Mas temos que ter o respaldo de pessoas competentes. Por isso, acredito que devamos seguir a indicação do Tribunal de Contas”, discursou.

O parlamentar Ramon Gidalte também teve a palavra e tentou desqualificar o processo de análise de dados do TCE afirmando que o mesmo não era técnico, questionando sua validade.

“Há um caráter político em tudo isso. Mesmo no Tribunal de Contas, por que se não o próprio Tribunal não precisaria da Câmara para dar a palavra final. A análise deles iria prevalecer e não haveria necessidade de estarmos aqui para julgar as contas”, comentou durante o seu tempo de fala na sessão plenária.

Comentários