“Uma viagem pelo mundo” é o tema do Festival de Sabores de Cabo Frio que inicia nesta sexta (3)

Estabelecimentos apresentam pratos inspirados nos seis continentes

PROLAGOS 300_250_pix

Imagina ter a oportunidade de viajar pelo mundo e experimentar a culinária dos seis continentes em apenas um mês. É o que a 7ª edição do Festival de Sabores de Cabo Frio vai proporcionar aos amantes da gastronomia a partir desta sexta-feira (3). Este ano os 60 estabelecimentos participantes trabalham a temática “Uma viagem pelo mundo”, com pratos variados, receitas exclusivas ou recriadas e explosão de sabores e texturas.

Até 03 de outubro, a tradição, cultura e afeto dos países vão estar presentes em Cabo Frio atrás dos pratos, servidos com preço fixo. As entradas e petiscos custam R$40; os pratos principais custam R$55; e as sobremesas, R$ 20. Os lanches como pizzas e sanduiches estão no valor R$35. As porções serão servidas no tamanho individual dos restaurantes. Os estabelecimentos seguem os protocolos de combate à Covid-19, respeitando o limite de pessoas dentro dos locais.

O Espaço Gourmet retorna nesta edição e volta a ser realizado no Shopping Park Lagos. Nesse local o público terá acesso a diversas receitas ensinadas por chefs e cozinheiros convidados. O espaço funcionará de quarta a sexta, das 16h às 21h, a partir do dia 10 de setembro.

O restaurante Limoeiro, é o início deste passeio, no qual começa pelas Américas, no Norte do Brasil. O prato de entrada “Manaós”, homenageia o Amazona e Pará com os ricos e variados ingredientes. O petisco de banana pacovã recheado com peixe assado e acompanhado por vinagrete de pimenta de cheiro, será servido em meio a peças artesanais produzida em uma aldeia indígena, no qual, os proprietários do local foram buscar inspiração.

Prato de entrada do restaurante Limoeiro. Imagem: Leandro Oliveira

O restaurante José, também homenageia a região, mas com um toque diferenciado. O prato principal “Pará Oriental”, tem referência da culinária japonesa, nos ingredientes a composição traz o peixe grelhado, musseline de inhame com açaí, tabule de amêndoas e o molho dashi.

A viagem pela Europa inicia no tradicional restaurante Picolino, que passa pelo Caminho de Santiago, entre a Espanha e a França, em que, o local foi inspiração para o prato de entrada “Caminhos”. O prato combina cavaquinha com molho de queijo e alho-poró gratinada e de baguete na manteiga de laranja, servida na coquille, uma concha.

O Delirio’s também usou de inspiração a Europa, a receita exclusiva do local ganhou sabores franceses, o filé suíno com bacon e toque de dijon envolto em massa folhada e crosta de ragu de cogumelos, em cama de batata e espinafre salteado na manteiga, regado ao consommé de cassoulet e finaliza com nozes. Os hamburgueres também participam dessa viagem pelo mundo, no Sem Frescura o prato “Spuma di Pomodoro” é uma combinação de burguer de polpetone recheado com mozarela, espuma de tomate e crocante de salsa em pão brioche.

Viajando pelo continente Africano chega ao restaurante Le Mone, que se inspirou para o prato “África com sua explosão de sabores e países convidados”, que reúne aroz de coco, moqueca de camarão e mollete mexicano de purê de feijão, carne seca desfiada e escalivada espanhola. Seguindo a viagem para a Ásia, no qual, o Kentô traz o prato “Chilli Lámen”, um caldo picante, noodle artesanal, peixe do dia, camarão, lula, ovo perfeito, pasta de pimenta da casa, broto bok choy, shiragá e shitake.

Ao chegar na Oceania, encontra-se o restaurante Koala, que apresenta o seguinte prato, cstelinha suína ao molho barbecue, arroz com pimenta de cheiro e ervas desidratadas, farofa de bacon e pétalas crocantes de cebola australiana.

Prato referente a Oceania, do restaurante Koala. Imagem: Leandro Oliveira.

SERVIÇO:

7ª edição do Festival Sabores de Cabo Frio
Data: 03 de setembro a 3 de outubro
Local: Estabelecimentos de Cabo Frio
Horário: específico de cada local

Para mais informações acesse o site oficial do festival por meio deste link

Por: Natalia Nabuco, estagiária sob supervisão da jornalista Monique Gonçalves.

Comentários