Subversão não é adequação

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email

 

Luiz se diz rapper e enaltece o general Ustra - torturador da presidente Dilma e tantos outros, e o deputado Jair Bolsonaro
Luiz se diz rapper e enaltece o general Ustra – torturador da presidente Dilma e tantos outros, e o deputado Jair Bolsonaro – conhecido opositor dos Direitos Humanos

Existe um senso comum, uma hegemonia na qual se ditam as regras de normas, conduta e ação dos indivíduos. Uma lógica muitas das vezes questionável por conta do tratamento arbitrário e violento por parte dos agentes que defendem e acreditam nessa hegemonia, sendo o Estado como provedor maior.

Pois bem, qualquer discurso que se alinhe a esse tipo de proposta, pode e deve ser considerado conformista e não por menos, dispostos a manter o status quo. Aí entra a disposição da grande mídia de dar ênfase a um tipo de comportamento conformista e maliciosamente chama-lo de subversão.

A Folha de São Paulo fez uma matéria dos chamados raps de “direita” e um dos adjetivos para o mesmo é a tendência seria uma subversão do gênero. Alto lá, como assim subversão? Entenda, o rap é um estilo musical dentro da Cultura Hip Hop, que aliás, é uma cultura de origem contestadora do status quo.

Publicidade

O Hip Hop surgiu como necessidade de romper com uma ideia de cultura clássica em espaços previamente determinados por uma elite ou pelo Estado, para ser feita na rua, para o povo da rua, pelo povo da rua, os considerados subclasse. Entende o que é subversão no caso? Contrapor uma ideia que tentou alinhar pessoas e ideias em um quadrado.

Por mais que o Hip Hop enquanto cultura e o rap enquanto música tenha passado por transformações, seja ela estética ou até mesmo de conteúdo, o questionamento ao Estado, elites e comportamento sempre foi à máxima. Ou seja, a subversão sempre foi um elemento inerente ao rap, ao Hip Hop.

Sabiamente, o grande jornal se apropria do termo subversão para referendar uma prática comum daqueles que defendem a conformidade, a adequação, o autoritarismo e tudo que se está implícito: se pega uma ideia de contra-hegemonia, sua linguagem e seus modus operandi para se ter adeptos ou continuar na manutenção do poder.

Rap de direita não é subversão, é reforço da lógica dominante que prevalece o racismo, machismo, sexismo, homofobia, práticas autoritárias e violentas praticados por agentes legitimados pelo senso comum. A mídia tenta cumprir esse papel de uma maneira eficiente e quase sempre consegue. Quase sempre.

Por favor, que se escolha seu lado e defenda isso, só não tente enganar aqueles que não precisam enganados em prol de um projeto que é desde já, rasteiro, por conta das apropriações dos signos dos periféricos, dos reais subversivos.

Menos, por favor…

Fábio é rapper, professor e ativista antirracismo.
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email

Últimas Notícias

Procon de Búzios autua e notifica posto por aumento de combustível

O hoteleiro Carlos Cunha assume cargo de
coordenador estadual de turismo da região da Costa do Sol

Ex-bbb, Juliette Freire, a nova Nazaré Tedesco

Sextou com uma notícia maravilhosa para o bolso dos cidadãos do estado do Rio de Janeiro

Cinco atrizes com histórias em Búzios

Shopping Park Lagos, em Cabo Frio, promove Festival de Tênis de Mesa neste fim de semana