NOVEMBRO AZUL

Sindipetro se manifesta contra venda de concessões na Bacia de Campos

Petrobras decide vender 50% de sua participação nas concessões do Polo Marlim, localizado em Águas Profundas da Bacia de Campos

O Sindicato dos Petroleiros do Norte Fluminense (Sindipetro NF) emitiu um comunicado em desacordo com a decisão da Petrobras de vender 50% de sua participação nas concessões do Polo Marlim, localizado em águas profundas da Bacia de Campos.

Nesta terça-feira (17), o site oficial do sindicato publicou um artigo em que descreve os impactos que esta decisão pode causar na economia local. Segundo o Sindipetro NF, a notícia foi recebida com apreensão por lideranças empresariais e sindicais do Norte Fluminense, que vêm sofrendo os impactos econômicos e sociais do desinvestimento da companhia na região.

O Polo Marlim é formado pelas concessões de Marlim, Voador, Marlim Leste e Marlim Sul. Os petroleiros do sindicato descreve a venda como um “duro golpe ao mercado de trabalho e ao patrimônio da empresa”.

Marlim e Voador ficam localizados à uma distância de 150 km do município de Macaé, e compartilham a infraestrutura de produção. Segundo dados dos Sindipetro, entre janeiro e outubro deste ano, os polos produziram 68,9 mil barris de óleo por dia e 934 mil m3/ dia de gás em média no mesmo período.

O Marlim Leste se encontra à uma distância de 107 km do Cabo de São Tomé. A estação produziu, em média, 38,5 mil barris de óleo por dia e 615 mil m3/dia de gás. Já o campo de Marlim Sul fica situado a uma distância de 90 km do litoral norte do Rio de Janeiro. Até outubro, a produção média do campo este ano foi de 109,6 mil barris do óleo por dia e 2.062 mil m3/dia de gás.

Em concordância com o sindicato, o presidente da Associação Comercial e Industrial de Campos (ACIC), Leonardo Castro de Abreu, afirma que o anúncio da Petrobras não faz sentido sob o ponto de estratégico, uma vez que as empresas privadas costumam vender ativos não lucrativos.

“Na minha visão, o que se apresenta no momento seria justamente isto, uma situação de cessão de 50% num prazo de 32 anos, para justamente manter as garantias de produção com a manutenção de operação. Agora, tudo tem um preço, plataformas serão substituídas por FPSOs, que certamente não irão absorver toda esta mão-de-obra, acarretando mais um impacto na economia, principalmente da nossa região”, afirma.

Segundo a Petrobras, o complexo é o terceiro maior do Brasil e o quarto maior empreendimento “offshore” das Américas em termos de produção. Apesar do processo de negociação, a empresa se manterá como operadora dos campos.

PRENSA 970X250 GOOGLE CONTEMPLADO INTERTEXTO BARRA
Comentários
Windows Lizenz Windows 10 Lizenz Office 2019 Lizenz Kaufen Office 365 kaufen Windows 10 Home kaufen Office 2016 kaufen