Sim, estamos vivos

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email

Por *Fábio Emecê

Estive em Macaé, no dia 24 de novembro, conversando com uma galera sobre o Extermínio da Juventude Negra, trocando experiências com a Marianna Lopes e o André Ramiro. O bate papo rolou na ocupação da Cidade Universitária. Ocupação por conta da PEC 55.

Uma galera empolgada e disposta a participar e ouvir o que tinha a ser dito. Muitas pretas e pretos universitários. Pretas e pretos de coletivos novos, não tão novos e disposições em querer achar aquilo que nos convém, aquilo que nos assola e aquilo que precisamos superar.

Marianna Lopes é da União Estadual dos Estudantes, estudante de direito e mulher preta. Sua fala empolga e as minas pretas que tão ali em posições de destaque, na ocupação, nos coletivos e na docência se sentem representadas. Que bom!

André Ramiro é um cara preto de favela que virou ator, com uma certa visibilidade e consegue se manter em um espaço racista e excludente que é o audiovisual brasileiro. A presença dele por si só, já é inspiradora pra vários e várias que acreditam que arte cênica é um caminho viável e válido. A imagem como patrimônio e o corpo sendo arma pra romper com a opressão.

Acredito que além do corpo físico sendo eliminado cotidianamente, pelas balas da Segurança Pública, formalmente e criminalmente, temos que lutar para preservar nosso lado sensível, nossa psiquê, nossa vontade de potência. Sair da neurose de se adequar ao Mundo Branco e negar aquilo que nós vemos no espelho todos os dias.

Além de luta de classes, além de teorias de modelos que não pensaram a gente como pessoas plenas de fato, o nosso aprendizado é sermos pessoas plenas de fato e a naturalização da violência dos nossos corpos deixar ser natural, se tornar absurdo e aprendermos a eliminar o absurdo.

Precisamos de mais de 5 professoras pretas em nosso período escolar, precisamos de mais artistas pretos, mais advogadas pretas, mais engenheiros pretos, mais a porra toda preta. Se os espaços simbólicos de referência não reconhecer a gente, as balas e as prisões continuarão reconhecendo.

Enfim, que as andanças continuem e menção máxima a Carolina Passos e Marcel Silvano pela proposição do evento.

Vamo que vamo que é porrada na moleira…

*Fábio é professor de literartura, rapper, e  um dos principais ativista da causa antirracista no interior fluminense 

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email

Últimas Notícias

Búzios terá quatro praças de acesso à Praia Rasa gerando novos pontos turísticos

Checagem

Bolsonaro insiste em informações falsas sobre ditadura e Covid-19

Programação Histórica

São Pedro da Aldeia é sede do evento “I Semana Decolonial do Patrimônio”

Lazer em Búzios

Cinco praias de Búzios que você precisa conhecer

MUTIRÃO

Prefeitura de Búzios realiza mais um mutirão de cirurgias plásticas no Hospital Rodolpho Perissé  

MEIO AMBIENTE

Audiência Pública discute expansão do estacionamento do Shopping Park Lagos