Menu

Cidades

Segurança em Búzios – Aprendamos com os exemplos

16729284_10208417680345232_8126861571983939409_n

Luisa Barbosa e Maria Cristina Pimentel*

 

Que tempos são estes em que

é quase um delito

falar de coisas inocentes,

Pois implica silenciar tantos horrores!

Esse que cruza tranquilamente a rua

não poderá jamais ser encontrado

pelos amigos que precisam de ajuda?

 

Aos que vierem depois de nós – Bertolt Brecht

 

Instinto de sobrevivência. Reflexo irracional. Defesa. Ataque. Quando se trata da proteção do bem mais valioso de um ser vivo – a vida – não há racionalidade. Há reação. Mas para tratar de um tema tão complexo como segurança pública é preciso pensar. E muito.

 

seguranca-em-buzios
jovem Nathalya Guedes da União estudantil de Búzios (UMEAB ) emocionou a todos os presentes com seu discurso contundente em que une a segurança a necessidade de espaços de convivência para a sociedade.

Na ânsia de respostas simples para um problema urgente, muitos recorrem à experiência de Nova York, nos anos 1990, quando o prefeito Rudolph Giuliani executou um sistema penal de “tolerância zero” contra qualquer tipo de delito. Os índices de criminalidade de fato despencaram. Mas o sociólogo francês Loïc Wacquant[1] mostrou que o sucesso do “tolerância zero” só foi possível pelo envolvimento de grandes “tanques de pensamento” – como o Manhatan Institute e a Heritage Foundation – criando consensos artificiais em torno da eficiência da repressão. Na década de 1990, a cidade de San Diego conseguira índices de redução de criminalidade tão bons quanto os de Nova York, adotando uma estratégia oposta: polícia comunitária e preventiva, diálogo e interação da população com os policiais. Por isso, diminuiu em 15% o número de prisões. A experiência, contudo, não foi difundida. O capitalismo é violento. E a indústria de armamento e de guerra, uma das suas bases econômicas mais fundamentais.

 

Bogotá e Medellín também conseguiram reduzir a violência apostando mais no modelo californiano do que no nova iorquino e se tornaram laboratórios sobre como prevenir e combater à criminalidade. A primeira reduziu suas taxas de homicídio em 79%. A segunda em 90%. Aprendamos com os exemplos: no início dos anos 1990, a taxa de homicídio de Medellín era de 360 por 100 mil habitantes. Hoje, 39 por 100 mil. A política adotada utiliza prevenção, repressão e articulação nos diferentes níveis governamentais, mas ênfase é no poder local, ou seja, a prefeitura. Criar ciclovia e biblioteca. Envolver educadores e assistentes sociais. Melhorar a polícia e as prisões. A sociedade também participa efetivamente de todo esse processo. Uma entidade civil, a “Como Vamos Medellín”, serve de termômetro para avaliar a eficiência das políticas públicas de combate à violência e medir qualidade de vida da população, que compartilhava ações e decisões. Em Bogotá, a cidade além de reprimir o crime, investiu em urbanismo combinado com educação e criou uma grande rede de bibliotecas – conectada à ciclovia e rede de ônibus – em bairros mais pobres com o objetivo de ocupar o espaço público e estimular a convivência. Reformou praças, fechou  as principais vias aos domingos e promoveu uma agenda constante de festivais de teatro, música e dança em áreas de vulnerabilidade social. Ao lado de tudo isso, aprimorou-se o número e o treinamento de policiais, foram promovidos programas de formação universitária, treinamento específico para os carcereiros.

 

Nesses tempos, em que o óbvio e o clichê embaçam a pauta de reivindicações, o debate sobre segurança pública ainda tem muito que avançar em prol de políticas públicas de promoção da paz.

[1] Para mais sobre o tema ver: Wacquant, Loïc. As prisões da miséria. Paris: Raisons d’Agir, 1999.

https://prensadebabel.com.br/index.php/2017/02/15/coletivo-pela-seguranca-em-buzios-vai-se-reunir-com-prefeito-e-com-orgaos-de-seguranca-da-cidade/

NOTÍCIAS DE GRAÇA NO SEU CELULAR

A Prensa está sempre se adaptando às novas ferramentas de distribuição do conteúdo produzido pela nossa equipe de reportagem. Você pode receber nossas matérias através da comunidade criada nos canais de mensagens eletrônicas Whatsaap e Telegram. Basta clicar nos links e participar, é rápido e você fica por dentro do que rola na Região dos Lagos do Rio de Janeiro.

Faça parte da nossa comunidade no Whatsapp e Telegram:

Se você quer participar do nosso grupo, a gente vai te contar como vai ser agorinha mesmo. Se liga:

  • As nossas matérias chegam pra você a cada 1h, de segunda a sábado. Informações urgentes podem ser enviadas a qualquer momento.
  • Somente os administradores podem mandar os informes e realizar alterações no grupo. Além disso, estamos sempre monitorando quem são os participantes.
  • Caso tenha alguma dificuldade para acessar o link das matérias, basta adicionar o número (22) 99954-6926 na sua lista de contatos.

Nos ajude a crescer, siga nossas redes Sociais: Facebook, Instagram, Twitter e Tik Tok e Youtube

Veja Também

Palestra em Búzios sobre paisagismo urbano e diversidade vegetal da Região dos Lagos  

Megaoperação policial desmantela império do tráfico do Comando Vermelho em Búzios e outras cidades do país

Debate público sobre sustentabilidade terá presença de Marina Silva em Macaé

Búzios inicia vacinação contra a dengue para crianças e adolescentes de 10 a 14 anos