Secretaria Estadual de Saúde identifica três casos da variante delta em Maricá

Estado totaliza 74 casos em 12 municípios

PROLAGOS 300_250_pix

O Estado do Rio de Janeiro apresentou número expressivo de casos da variante delta. De acordo com a Secretaria de Estado de Saúde (SES), são  74 casos em 12 municípios, sendo três deles confirmados em Maricá. A SEA reforça que as medidas de contenção deste vírus são as mesmas da Covid-19.

Os dados são da
Subsecretaria de Vigilância e Atenção Primária à Saúde (SVAPS), que atualizou os números no sábado (17), depois dos resultados do projeto Corona-Ômica-RJ. Do total de 380 amostras processadas, 63 casos foram confirmados como da variante Delta.

Além de Maricá, os novos municípios com identificação de casos são: Duque de Caxias, Itaboraí, Itaguaí, Japeri, Mesquita, Niterói, Nova Iguaçu, Queimados. Em Seropédica, São João de Meriti e Rio de Janeiro, já havia sido identificado casos anteriormente, informados no dia 5 de julho. As secretarias municipais já foram notificadas e farão a  investigação epidemiológica, com apoio da SES.

Segundo a pasta, nesta última rodada de exames, a variante Delta representou 16,57% (n=63) do total (n=380) de amostras processadas. O relatório final do último levantamento está em finalização e, em breve, ficará disponível no link de publicação de rotina (http://www.corona-omica.rj.lncc.br/#/).

Os dados recentes do monitoramento mostram a presença da variante Delta (B1.617.2), contudo, a linhagem P.1 (Gama/Brasil) continua sendo a mais frequente no estado. Além disso, há registro em baixa frequência da VOC B.1.1.7 (Alfa/Reino Unido), além do declínio da P.2, desde novembro do ano passado.

O estudo Corona-Ômica-RJ é um dos maiores do país e foi idealizado pela Secretaria de Estado de Saúde. O sequenciamento do vírus da Covid-19 não é um exame de rotina nem de diagnóstico, é feito como vigilância genômica, para identificar modificações sofridas pelo vírus SARS-CoV-2 no estado.

A SES reforça que independentemente da cepa do vírus ou linhagem, as medidas de prevenção e métodos de diagnóstico e tratamento da Covid-19 seguem os mesmos. Sendo assim, não há alteração nas medidas sanitárias já adotadas, como uso de máscaras e álcool em gel, lavagem das mãos e distanciamento social. Além disso, é importante que os municípios continuem avançando no processo de vacinação contra a Covid-19 e que a população retorne para receber a segunda dose. Estudos mostram que todas as vacinas disponíveis no Brasil são eficazes contra as variantes identificadas até o momento.

O levantamento é uma parceria entre SES, Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Rio de Janeiro (Faperj), Laboratório Nacional de Computação Científica (LNCC), Laboratório de Virologia Molecular da UFRJ, Laboratório Central Noel Nutels, Fiocruz e Secretaria Municipal de Saúde do Rio de Janeiro.

Comentários