Menu

Cidades

Secretaria de Estado de Saúde orienta atenção na escolha do peixe para evitar contaminação

Especialistas da Vigilância Sanitária da SES-RJ dão orientações sobre como escolher as melhores opções e evitar contaminações
Foto: Lissandra Silva (Divulgação SES-RJ)
Foto: Lissandra Silva (Divulgação SES-RJ)

Além da tradição da Semana Santa, o peixe é um dos alimentos mais consumidos pela população por ser uma opção saudável, excelente fonte de proteínas, minerais e gorduras boas. Especialistas da Superintendência de Vigilância Sanitária da Secretaria de Estado de Saúde (SES-RJ) orientam sobre os cuidados com o pescado, que passam desde a escolha, no mercado ou peixaria, a conservação e o preparo.

“A refrigeração é muito importante. O pescado deve ficar sobre o gelo. A carne deve estar úmida, firme e sem manchas, com as escamas aderidas ao corpo. As guelras devem estar vermelhas, os olhos brilhantes e salientes, e as nadadeiras endurecidas. Um teste eficiente é fazer uma leve pressão com o dedo na carne. Se for fresco, ao retirar o dedo, a musculatura volta ao normal. Se não, a marca fica na carne”. No caso da compra de filé de peixe, peça para que seja cortado na hora, orienta a nutricionista da SES-RJ Jacqueline Toledo Hosken, mestre em Saúde Coletiva.

O consumo de pescado fresco em diversas preparações é sempre recomendado por nutricionistas. Peixes gordos como, atum, salmão, sardinha, dourada e cavala, são ricos em ômega 3, um potente anti-inflamatório que reduz o risco de aterosclerose (acúmulo de gorduras, colesterol e outras substâncias nas artérias) e de complicações cardíacas. Presente também no pintado, no arenque, na anchova, na tainha, no bacalhau e na truta, o ômega 3 auxilia na manutenção de níveis adequados de triglicerídeos, desde que associado a uma alimentação equilibrada e a hábitos de vida saudáveis. Camarões, siris, mariscos, lulas e polvos também fazem parte de uma alimentação saudável e são fontes naturais de proteínas, ferro, zinco, cálcio, magnésio, selênio, fósforo, iodo, cobre, e vitamina B12.

Jussara de Moura Salgado, sanitarista da Coordenação de Vigilância e Fiscalização de Alimentos da secretaria, explica que o pescado de tipos diferentes não devem estar uns sobre os outros no local de venda.

“Polvos e lulas devem ter a carne consistente e elástica. Mariscos frescos só podem ser vendidos vivos. E o bacalhau salgado deve estar em local limpo e protegido de poeira e insetos. Verifique se não há presença de mofo, ovos ou larvas de moscas, manchas escuras ou avermelhadas, limosidade e odor desagradável”, acrescentou.

Cuidados com relação à conservação e ao transporte do pescado também são observados por especialistas. Peixes congelados devem estar devidamente embalados e conservados em temperaturas adequadas. Já os secos, devem ser armazenados em local limpo.

“Seja que tipo de pescado for, o ideal é, logo após a compra, transportá-lo de forma rápida e, se possível, em caixa isotérmica com gelo, no caso dos frescos. O peixe refrigerado ou congelado deve ser imediatamente armazenado na geladeira, ou freezer. No local de preparo, deve-se acondicionar em recipiente limpo e com tampa, mantendo na refrigeração até o momento de cozinhar”, orienta Jussara.

Secretaria de Estado de Saúde orienta atenção na escolha do peixe para evitar contaminação

Especialistas da Vigilância Sanitária da SES-RJ dão orientações sobre como escolher as melhores opções e evitar contaminações
Foto: Lissandra Silva (Divulgação SES-RJ)
Foto: Lissandra Silva (Divulgação SES-RJ)

Além da tradição da Semana Santa, o peixe é um dos alimentos mais consumidos pela população por ser uma opção saudável, excelente fonte de proteínas, minerais e gorduras boas. Especialistas da Superintendência de Vigilância Sanitária da Secretaria de Estado de Saúde (SES-RJ) orientam sobre os cuidados com o pescado, que passam desde a escolha, no mercado ou peixaria, a conservação e o preparo.

“A refrigeração é muito importante. O pescado deve ficar sobre o gelo. A carne deve estar úmida, firme e sem manchas, com as escamas aderidas ao corpo. As guelras devem estar vermelhas, os olhos brilhantes e salientes, e as nadadeiras endurecidas. Um teste eficiente é fazer uma leve pressão com o dedo na carne. Se for fresco, ao retirar o dedo, a musculatura volta ao normal. Se não, a marca fica na carne”. No caso da compra de filé de peixe, peça para que seja cortado na hora, orienta a nutricionista da SES-RJ Jacqueline Toledo Hosken, mestre em Saúde Coletiva.

O consumo de pescado fresco em diversas preparações é sempre recomendado por nutricionistas. Peixes gordos como, atum, salmão, sardinha, dourada e cavala, são ricos em ômega 3, um potente anti-inflamatório que reduz o risco de aterosclerose (acúmulo de gorduras, colesterol e outras substâncias nas artérias) e de complicações cardíacas. Presente também no pintado, no arenque, na anchova, na tainha, no bacalhau e na truta, o ômega 3 auxilia na manutenção de níveis adequados de triglicerídeos, desde que associado a uma alimentação equilibrada e a hábitos de vida saudáveis. Camarões, siris, mariscos, lulas e polvos também fazem parte de uma alimentação saudável e são fontes naturais de proteínas, ferro, zinco, cálcio, magnésio, selênio, fósforo, iodo, cobre, e vitamina B12.

Jussara de Moura Salgado, sanitarista da Coordenação de Vigilância e Fiscalização de Alimentos da secretaria, explica que o pescado de tipos diferentes não devem estar uns sobre os outros no local de venda.

“Polvos e lulas devem ter a carne consistente e elástica. Mariscos frescos só podem ser vendidos vivos. E o bacalhau salgado deve estar em local limpo e protegido de poeira e insetos. Verifique se não há presença de mofo, ovos ou larvas de moscas, manchas escuras ou avermelhadas, limosidade e odor desagradável”, acrescentou.

Cuidados com relação à conservação e ao transporte do pescado também são observados por especialistas. Peixes congelados devem estar devidamente embalados e conservados em temperaturas adequadas. Já os secos, devem ser armazenados em local limpo.

“Seja que tipo de pescado for, o ideal é, logo após a compra, transportá-lo de forma rápida e, se possível, em caixa isotérmica com gelo, no caso dos frescos. O peixe refrigerado ou congelado deve ser imediatamente armazenado na geladeira, ou freezer. No local de preparo, deve-se acondicionar em recipiente limpo e com tampa, mantendo na refrigeração até o momento de cozinhar”, orienta Jussara.

NOTÍCIAS DE GRAÇA NO SEU CELULAR

A Prensa está sempre se adaptando às novas ferramentas de distribuição do conteúdo produzido pela nossa equipe de reportagem. Você pode receber nossas matérias através da comunidade criada nos canais de mensagens eletrônicas Whatsaap e Telegram. Basta clicar nos links e participar, é rápido e você fica por dentro do que rola na Região dos Lagos do Rio de Janeiro.

Faça parte da nossa comunidade no Whatsapp e Telegram:

Se você quer participar do nosso grupo, a gente vai te contar como vai ser agorinha mesmo. Se liga:

  • As nossas matérias chegam pra você a cada 1h, de segunda a sábado. Informações urgentes podem ser enviadas a qualquer momento.
  • Somente os administradores podem mandar os informes e realizar alterações no grupo. Além disso, estamos sempre monitorando quem são os participantes.
  • Caso tenha alguma dificuldade para acessar o link das matérias, basta adicionar o número (22) 99954-6926 na sua lista de contatos.

Nos ajude a crescer, siga nossas redes Sociais: Facebook, Instagram, Twitter e Tik Tok e Youtube

Veja Também

Bell Marques lança “100% Você”, empresa de suplementação

Portalmad Portas e Janelas investe em madeira sustentável

Lances para leilões on-line de bens de apartamentos decorados estão abertos

Piscinas devem ter uso consciente da água, diz especialista

Coluna da Angela

A reprodução parcial deste conteúdo por veículos de comunicação é permitida desde que contenha crédito à Prensa de Babel na abertura do
texto, bem como LINK para o site "www.prensadebabel.com.br"
A supressão da fonte pode implicar em medidas de acordo com a lei de direitos autorais.