Menu

Cidades

Saiba quem são Simone Tebet e Soraya Thronicke, que ganharam protagonismo no debate

Candidatas à presidência da República têm alguns pontos em comum, além da disputa pelo Palácio do Planalto

  
O primeiro embate entre os seis principais candidatos à presidência da República ocorreu neste domingo (28), na Band. Mesmo em minoria as candidatas mulheres, Simone Tebet (MDB) e Soraya Thronicke (União Brasil), não se abstiveram e emplacaram duras críticas ao atual presidente Jair Bolsonaro e ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Além de ocuparem o cargo de senadora pelo Mato Grosso do Sul e entrarem na disputa pelo Palácio do Planalto, ambas são advogadas e atuam em defesa da mulher. Elas se destacaram no primeiro confronto direto dos presidenciáveis. Tebet teve, inclusive, a melhor avaliação no debate presidencial, segundo a pesquisa qualitativa realizada pelo Datafolha, com 60 pessoas em tempo real.

Quem é Simone Tebet?

Simone Tebet tem 52 anos, é advogada e professora, nasceu em Três Lagoas, Mato Grosso do Sul. Em 2002, aos 31 anos, elegeu-se Deputada Estadual pelo seu estado e em 2004 foi a primeira mulher eleita prefeita de Três Lagoas.

Simone já foi prefeita, vice-governadora e agora senadora. I Foto Reprodução Redes Socais.

Em 2008, finalizou a votação reeleita prefeita, com 76% dos votos válidos. No Senado Federal, liderou a primeira bancada feminina da história e tornou-se presidente da Comissão Mista de Combate à Violência contra a Mulher.

Foi também a primeira mulher a presidir a Comissão de Constituição e Justiça, e a primeira mulher a disputar a presidência do Senado em 198 anos. Agora, tenta coordenar a “terceira via” nas eleições presidenciais junto com sua vice,  Mara Gabrilli (PSDB).

Ela ganhou destaque nacional ao liderar um movimento feminista dentro da CPI da COVID no Senado Federal. A comissão, composta somente por homens, investigou a conduta do governo do presidente Bolsonaro no combate à pandemia. Tebet foi uma das senadoras, que, apesar de não ter cargo oficial na comissão, esteve presente na maioria das sessões e interrogando investigados.

Quem é Soraya Thronicke?

Soraya entrou para política depois de militar a favor do impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff (PT). I Foto Reprodução Internet

Até então desconhecida do grande público, Soraya Thronicke mostrou que tem muita garra e força de vontade. Ela tem 49 anos, é advogada, nascida em Dourados, no Mato Grosso do Sul, casada e tem um filho. Se elegeu como senadora no pleito de 2018 pelo estado do Mato Grosso do Sul. A entrada dela na política foi por ser militante, e chegou a organizar passeatas a favor do impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff (PT).

Thronicke foi uma das responsáveis por uma ação na Justiça contra o frigorífico JBS e conseguiu bloquear cerca de R $700 milhões da empresa envolvida num escândalo de corrupção. Além disso, foi uma das senadoras que estiveram na Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Covid. Ela é aliada de Jair Bolsonaro (PL), apesar de muitas vezes ter posicionamentos contra o presidente, o que gerava dúvida na bancada governista.

Agora está na disputa ao Palácio do Planalto, e tem Marcos Cintra, que é ex-secretário da Receita Federal, como seu vice.

Manuela D’ Ávila avalia candidatas

A petista e ex-deputada federal, Manuela D’Ávila, fez uma avaliação do debate e destacou alguns pontos das candidatas mulheres:

Manuela D’Ávila é ex-deputada federal, e concorreu o pleito de 2018 como vice-presidente do partido petista. Foto Reprodução I Redes Socais.

“Teve Simone Tebet, buscando mostrar que existem pontos de conexão no discurso das feministas liberais e feministas progressistas (marxistas e de esquerda). Ela mandou muito bem em temas da participação da mulher e da violência sexual e física a qual somos submetidas no Brasil. Vai crescer um pouco. Mas a gente sabe que não existe como melhorar a vida das mulheres sem desenvolver o Brasil e sabemos que o modelo de desenvolvimento dela é muito diferente do nosso. Afinal, pra dar só um exemplo dos mais importantes para as mulheres brasileiras: Como garantir creches sem investimento público? Ela deixa claro como precisamos avançar no debate sobre feminismo popular”, destacou Manuela, continuando: “Teve Soraya levando o gol de placa de Lula (a sua empregada viu, o seu jardineiro viu). Chamando delegado, dizendo que vira onça e fabricando uns memes”.

Saiba quem são Simone Tebet e Soraya Thronicke, que ganharam protagonismo no debate

Candidatas à presidência da República têm alguns pontos em comum, além da disputa pelo Palácio do Planalto

  
O primeiro embate entre os seis principais candidatos à presidência da República ocorreu neste domingo (28), na Band. Mesmo em minoria as candidatas mulheres, Simone Tebet (MDB) e Soraya Thronicke (União Brasil), não se abstiveram e emplacaram duras críticas ao atual presidente Jair Bolsonaro e ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Além de ocuparem o cargo de senadora pelo Mato Grosso do Sul e entrarem na disputa pelo Palácio do Planalto, ambas são advogadas e atuam em defesa da mulher. Elas se destacaram no primeiro confronto direto dos presidenciáveis. Tebet teve, inclusive, a melhor avaliação no debate presidencial, segundo a pesquisa qualitativa realizada pelo Datafolha, com 60 pessoas em tempo real.

Quem é Simone Tebet?

Simone Tebet tem 52 anos, é advogada e professora, nasceu em Três Lagoas, Mato Grosso do Sul. Em 2002, aos 31 anos, elegeu-se Deputada Estadual pelo seu estado e em 2004 foi a primeira mulher eleita prefeita de Três Lagoas.

Simone já foi prefeita, vice-governadora e agora senadora. I Foto Reprodução Redes Socais.

Em 2008, finalizou a votação reeleita prefeita, com 76% dos votos válidos. No Senado Federal, liderou a primeira bancada feminina da história e tornou-se presidente da Comissão Mista de Combate à Violência contra a Mulher.

Foi também a primeira mulher a presidir a Comissão de Constituição e Justiça, e a primeira mulher a disputar a presidência do Senado em 198 anos. Agora, tenta coordenar a “terceira via” nas eleições presidenciais junto com sua vice,  Mara Gabrilli (PSDB).

Ela ganhou destaque nacional ao liderar um movimento feminista dentro da CPI da COVID no Senado Federal. A comissão, composta somente por homens, investigou a conduta do governo do presidente Bolsonaro no combate à pandemia. Tebet foi uma das senadoras, que, apesar de não ter cargo oficial na comissão, esteve presente na maioria das sessões e interrogando investigados.

Quem é Soraya Thronicke?

Soraya entrou para política depois de militar a favor do impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff (PT). I Foto Reprodução Internet

Até então desconhecida do grande público, Soraya Thronicke mostrou que tem muita garra e força de vontade. Ela tem 49 anos, é advogada, nascida em Dourados, no Mato Grosso do Sul, casada e tem um filho. Se elegeu como senadora no pleito de 2018 pelo estado do Mato Grosso do Sul. A entrada dela na política foi por ser militante, e chegou a organizar passeatas a favor do impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff (PT).

Thronicke foi uma das responsáveis por uma ação na Justiça contra o frigorífico JBS e conseguiu bloquear cerca de R $700 milhões da empresa envolvida num escândalo de corrupção. Além disso, foi uma das senadoras que estiveram na Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Covid. Ela é aliada de Jair Bolsonaro (PL), apesar de muitas vezes ter posicionamentos contra o presidente, o que gerava dúvida na bancada governista.

Agora está na disputa ao Palácio do Planalto, e tem Marcos Cintra, que é ex-secretário da Receita Federal, como seu vice.

Manuela D’ Ávila avalia candidatas

A petista e ex-deputada federal, Manuela D’Ávila, fez uma avaliação do debate e destacou alguns pontos das candidatas mulheres:

Manuela D’Ávila é ex-deputada federal, e concorreu o pleito de 2018 como vice-presidente do partido petista. Foto Reprodução I Redes Socais.

“Teve Simone Tebet, buscando mostrar que existem pontos de conexão no discurso das feministas liberais e feministas progressistas (marxistas e de esquerda). Ela mandou muito bem em temas da participação da mulher e da violência sexual e física a qual somos submetidas no Brasil. Vai crescer um pouco. Mas a gente sabe que não existe como melhorar a vida das mulheres sem desenvolver o Brasil e sabemos que o modelo de desenvolvimento dela é muito diferente do nosso. Afinal, pra dar só um exemplo dos mais importantes para as mulheres brasileiras: Como garantir creches sem investimento público? Ela deixa claro como precisamos avançar no debate sobre feminismo popular”, destacou Manuela, continuando: “Teve Soraya levando o gol de placa de Lula (a sua empregada viu, o seu jardineiro viu). Chamando delegado, dizendo que vira onça e fabricando uns memes”.

NOTÍCIAS DE GRAÇA NO SEU CELULAR

A Prensa está sempre se adaptando às novas ferramentas de distribuição do conteúdo produzido pela nossa equipe de reportagem. Você pode receber nossas matérias através da comunidade criada nos canais de mensagens eletrônicas Whatsaap e Telegram. Basta clicar nos links e participar, é rápido e você fica por dentro do que rola na Região dos Lagos do Rio de Janeiro.

Faça parte da nossa comunidade no Whatsapp e Telegram:

Se você quer participar do nosso grupo, a gente vai te contar como vai ser agorinha mesmo. Se liga:

  • As nossas matérias chegam pra você a cada 1h, de segunda a sábado. Informações urgentes podem ser enviadas a qualquer momento.
  • Somente os administradores podem mandar os informes e realizar alterações no grupo. Além disso, estamos sempre monitorando quem são os participantes.
  • Caso tenha alguma dificuldade para acessar o link das matérias, basta adicionar o número (22) 99954-6926 na sua lista de contatos.

Nos ajude a crescer, siga nossas redes Sociais: Facebook, Instagram, Twitter e Tik Tok e Youtube

Veja Também

Bell Marques lança “100% Você”, empresa de suplementação

Portalmad Portas e Janelas investe em madeira sustentável

Lances para leilões on-line de bens de apartamentos decorados estão abertos

Piscinas devem ter uso consciente da água, diz especialista

Coluna da Angela

A reprodução parcial deste conteúdo por veículos de comunicação é permitida desde que contenha crédito à Prensa de Babel na abertura do
texto, bem como LINK para o site "www.prensadebabel.com.br"
A supressão da fonte pode implicar em medidas de acordo com a lei de direitos autorais.