Roda cultural é interrompida a tiros pela Polícia Militar em Cabo Frio

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email

Batalha de Rimas aconteceu no bairro Manoel Corrêa nesta quinta-feira (5)

Vídeo de uma ação truculenta de agentes da Polícia Militar à uma Roda Cultural começou a circular na internet nesta sexta-feira (6). O evento foi interrompido após policiais efetuarem disparos de arma de fogo contra os participantes e equipamentos de som. O caso aconteceu na de quinta-feira (5) no bairro Manoel Corrêa, em Cabo Frio, e gerou indignação entre participantes e moradores.  No vídeo gravado por um morador é possível ver o desespero das crianças e dos pais. Assista clicando aqui.

Segundo a nota oficial publicada nas redes sociais pelo grupo Batalha do Forte, que apoia a batalha de rimas em comunidades, os agentes justificaram a atitude com frases como: “Cultura é só na escola até as 18h”, “Rap é coisa de vagabundo e maconheiro”, “Lugar de criança é em casa e não na rua fazendo rap”. “Houve um abuso de autoridade por parte do GAT (Grupamento de Ações Táticas) com militares completamente alterados e despreparados. Abriram fogo para cima da roda cultural e equipamentos. O maior público presente na hora eram crianças entre 6 a 12 anos”.

De acordo com o grupo, o evento tem o objetivo dessas batalhas é “disseminar a cultura hip hop e dar maiores oportunidades para crianças e jovens da localidade”.

De acordo com a Secretaria de Estado de Polícia Militar, um procedimento interno foi instaurado para apurar a situação ocorrida. Os policiais militares envolvidos na ocorrência estão sendo ouvidos na sede do 25º Batalhão, em Cabo Frio.

O escrito por Fábio Emecê, rapper, professor de português e ativista antirracismo, escreveu um artigo de opinião sobre o assunto, que foi publicado pela Prensa na manhã desta sexta-feira (6). O título é ” A Polícia não pode gerenciar a cultura  Precisamos reagir”. 

Segundo ele, há três motivos: “o primeiro pelo olhar sobre qualquer aglomeração de pessoas das favelas e periferias. Um olhar bem equivocado. Segundo porque não identifica manifestação x ou y como Cultura e terceiro porque a polícia só age assim porque não há assistência de nenhuma instituição governamental além dela mesma, nas favelas e periferias, se é que podemos chamar de assistência”. 

No texto ele chama atenção para reflexão: “A pergunta é: O que a prefeitura de Cabo Frio e os órgãos de juventude, cultura, direitos humanos e igualdade racial têm a dizer sobre a atuação da Polícia Militar. Haverá mesmo a permissão de apenas a Polícia Militar ser a gerenciadora da cultura das favelas e periferias do município? Sem entrar no mérito do despreparo, a coisa é muito mais profunda e precisamos de respostas’. 

As perguntas foram feitas à Prefeitura de Cabo Frio, mas, até o fechamento da reportagem, não houve respostas. 

Assista o vídeo na íntegra:

Leia o artigo na íntegra:

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email