Menu

Cidades

Raul Silvestre, o jornalista

dsc03665

Um dos maiores jornalistas do país é também de Búzios

Raul Silvestre é gaúcho, mas viveu no Rio de janeiro mais tempo que em seu estado de origem – é um dos gaúchos mais cariocas do Brasil, mora há 9 anos em Búzios, onde é querido por todos.  Raul é jornalista e hoje faz parte da Associação Brasileira de Imprensa (ABI) – associação histórica da categoria, e trabalhou em importantes veículos de comunicação do Brasil. Na histórica TV Manchete teve um feito e tanto: participou na criação do memorável “Documento Especial”, apontado até hoje por muitos críticos como um dos principais programas jornalísticos investigativos na história da televisão brasileira.

A relação de Raul com a Manchete começou antes mesmo de ser inaugurada a TV em junho de 1983. Formado em jornalismo pela PUC do Rio de Janeiro, Silvestre teve sua primeira experiência profissional em 1971 na editora Bloch, que mantinha o sucesso editorial Revista Manchete e outras. Raul entrou na editora através de um curso que existia na época e pôde trabalhar na “Revista Manchete” e na “Fatos e Fotos”.

Alguns anos mais tarde, em 1985, entrou para o “time de primeira” do jornalismo da emissora, ajudando a criar o “Documento Especial”. No programa também trabalhou como repórter e editor. Dentre as matérias que mais marcaram Raul Silvestre está o programa que falou sobre o espiritismo e sobre a vida e obra de Chico Xavier – Algumas das reportagens dessa época podem ser encontradas no Youtube.

Desde a ideia, planejamento e os pilotos necessários gravados demoraram seis meses para o “Documento Especial” criar vida. Em 1990, Raul saiu da emissora para trabalhar no “Globo Repórter” da “TV Globo”. Voltaria seis anos mais tarde, no ano de 1996 e ficaria até o fim trágico da Manchete, em 1999. A “RedeTV!” é considerada hoje como a sucessora da Manchete.  Raul Silvestre trabalhou como repórter e editor nos programas “Documento Especial”, “Manchete Rural”, “Programa de Domingo”, entre outros.

Com a falência da emissora, o jornalista voltou para a “TV Globo” e trabalhou no “Linha Direta”. Atualmente, Raul está fora da televisão, hoje é documentarista e também trabalha com marketing político. Um arquivo ambulante do carnaval de rua do Rio de Janeiro, criou e mantém a TV Bloco há mais de 10 anos – com registros de quase 30 anos de imagens e fotos do carnaval do Rio. Em 2015, o veterano jornalista, foi homenageado durante a maior festa popular do país na “Cidade Maravilhosa”.

Raul pretende escrever um livro sobre suas memórias profissionais. Os documentários atuais são sobre a história de Búzios, onde mora, e sobre Macaé, onde trabalha.  Está entre essas grandes figuras que Búzios consegue atrair pra si.

NOTÍCIAS DE GRAÇA NO SEU CELULAR

A Prensa está sempre se adaptando às novas ferramentas de distribuição do conteúdo produzido pela nossa equipe de reportagem. Você pode receber nossas matérias através da comunidade criada nos canais de mensagens eletrônicas Whatsaap e Telegram. Basta clicar nos links e participar, é rápido e você fica por dentro do que rola na Região dos Lagos do Rio de Janeiro.

Faça parte da nossa comunidade no Whatsapp e Telegram:

Se você quer participar do nosso grupo, a gente vai te contar como vai ser agorinha mesmo. Se liga:

  • As nossas matérias chegam pra você a cada 1h, de segunda a sábado. Informações urgentes podem ser enviadas a qualquer momento.
  • Somente os administradores podem mandar os informes e realizar alterações no grupo. Além disso, estamos sempre monitorando quem são os participantes.
  • Caso tenha alguma dificuldade para acessar o link das matérias, basta adicionar o número (22) 99954-6926 na sua lista de contatos.

Nos ajude a crescer, siga nossas redes Sociais: Facebook, Instagram, Twitter e Tik Tok e Youtube

Veja Também

Cinco membros da Loja Maçônica de Búzios foram elevados ao grau de Mestre

Lançada segunda edição em espanhol de “Búzios Espiritualidade” na Feira do Livro de Buenos Aires

Flower no Tawa Beach celebra os anos de 1970 a 1990 com a DJ Help

Moradores de Manguinhos terão 30 dias para conectar-se à rede de esgoto