Radical ou da paz? Manifestações contra a violência em Búzios crescem nas redes sociais

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email
Foto: Divulgação
Foto: Divulgação

Após uma série de assaltos a vans, arrastões e pessoas sendo roubadas na Orla Bardot, nasce nas redes sociais movimentos de protesto contra a violência e insegurança em Búzios. Os movimentos estão divididos em dois grupos: De um lado os moradores que querem passeatas pacificas pedindo a paz e do outro um grupo mais ‘hardcore’ que quer fechar a entrada da Cidade, ninguém entra e ninguém sai.

Lucinha é pacifista e organizadora da passeata pedindo paz. Ela acredita que são vários fatores que interferem e que são cruciais para um movimento de paz no município. “Como se não bastasse o lixo, as moscas, os assaltos, que aliás, não são de hoje que acontecem, apesar de agora em maior proporção. Falar que assim está o Brasil não é desculpa, pois em Búzios todos sabem desde quando essa situação começou. Empurram com a barriga um grave problema de segurança pública que há muito começou. Búzios é pequena, vamos nos juntar em prol da nossa cidade e protegê-la enquanto é tempo”, diz Lucinha, mostrando fatos que ela considera relevantes para uma manifestação.

A organizadora do protesto reforça que esse é o momento de mostrar para todos a realidade de Búzios. “Me pergunto até quando vamos viver nessa hipocrisia. Hipocrisia de esconder, aos que visitam e estão em Búzios, o que estamos vivendo. Esconder o sol com a peneira não adianta. Melhor tomarmos providências agora do que deixar o nosso turista levar uma imagem negativa”, disse a Lucinha Camargo.

Por outro lado, há um movimento contrário a manifestação da paz, pode assim dizer, Hamber Carvalho, um dos ativistas de Búzios acredita ser um movimento “branco da paz”. “Por favor, não me convidem. Cansei, o branco da paz, não me impressiona. O grito dos discursos não mais me sensibilizam, as palavras de ordem perderam seu efeito. Não participo mais de passeatas pra juiz, prefeito ou governador abrir o diálogo”, disse.

Além desse discurso, Hamber foi enfático em suas palavras em uma rede social. Para ele só haverá solução quando forem tomadas atitudes mais extremas, que impactem e chamem a atenção das autoridades. “Ultimamente só aceito convites pra radicalizar, pois só assim é que o sistema se mexe. O sistema precisa ser afrontado, fora isso, sempre ficaremos nos ofícios, nos protocolos e nas reuniões, enquanto o carnaval não chega. Quer ir à Luta? Só se for à vera, com tudo e todos em cima. Pra começar, ninguém entra ou sai da cidade por 24 horas. Quem vai?”, enfatizou Hamber.

Tudo indica, que se a movimentação das redes sociais chegar as ruas de Búzios, as autoridades serão obrigadas a se mobilizar para reverter esse cenário de violência, que tem alarmado os moradores.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email

Últimas Notícias

IMUNIZAÇÃO

Búzios divulga calendário de 2° dose de reforço contra covid-19 para pessoas com 18 anos ou mais

PONTO DE APOIO

Região dos Lagos tem o primeiro ponto de apoio ao ciclista

Prolagos

Prolagos alerta sobre a importância de facilitar a leitura do hidrômetro

Novos horários

São Pedro da Aldeia passa a contar com nova frota de ônibus nesta terça (9)

Lazer na praia

Quatro praias de Búzios para levar crianças

Eleições 2022

Conheça os 12 candidatos à presidência da República