Menu

Cidades

Radical ou da paz? Manifestações contra a violência em Búzios crescem nas redes sociais

Foto: Divulgação
Foto: Divulgação
Foto: Divulgação
Foto: Divulgação

Após uma série de assaltos a vans, arrastões e pessoas sendo roubadas na Orla Bardot, nasce nas redes sociais movimentos de protesto contra a violência e insegurança em Búzios. Os movimentos estão divididos em dois grupos: De um lado os moradores que querem passeatas pacificas pedindo a paz e do outro um grupo mais ‘hardcore’ que quer fechar a entrada da Cidade, ninguém entra e ninguém sai.

Lucinha é pacifista e organizadora da passeata pedindo paz. Ela acredita que são vários fatores que interferem e que são cruciais para um movimento de paz no município. “Como se não bastasse o lixo, as moscas, os assaltos, que aliás, não são de hoje que acontecem, apesar de agora em maior proporção. Falar que assim está o Brasil não é desculpa, pois em Búzios todos sabem desde quando essa situação começou. Empurram com a barriga um grave problema de segurança pública que há muito começou. Búzios é pequena, vamos nos juntar em prol da nossa cidade e protegê-la enquanto é tempo”, diz Lucinha, mostrando fatos que ela considera relevantes para uma manifestação.

A organizadora do protesto reforça que esse é o momento de mostrar para todos a realidade de Búzios. “Me pergunto até quando vamos viver nessa hipocrisia. Hipocrisia de esconder, aos que visitam e estão em Búzios, o que estamos vivendo. Esconder o sol com a peneira não adianta. Melhor tomarmos providências agora do que deixar o nosso turista levar uma imagem negativa”, disse a Lucinha Camargo.

Por outro lado, há um movimento contrário a manifestação da paz, pode assim dizer, Hamber Carvalho, um dos ativistas de Búzios acredita ser um movimento “branco da paz”. “Por favor, não me convidem. Cansei, o branco da paz, não me impressiona. O grito dos discursos não mais me sensibilizam, as palavras de ordem perderam seu efeito. Não participo mais de passeatas pra juiz, prefeito ou governador abrir o diálogo”, disse.

Além desse discurso, Hamber foi enfático em suas palavras em uma rede social. Para ele só haverá solução quando forem tomadas atitudes mais extremas, que impactem e chamem a atenção das autoridades. “Ultimamente só aceito convites pra radicalizar, pois só assim é que o sistema se mexe. O sistema precisa ser afrontado, fora isso, sempre ficaremos nos ofícios, nos protocolos e nas reuniões, enquanto o carnaval não chega. Quer ir à Luta? Só se for à vera, com tudo e todos em cima. Pra começar, ninguém entra ou sai da cidade por 24 horas. Quem vai?”, enfatizou Hamber.

Tudo indica, que se a movimentação das redes sociais chegar as ruas de Búzios, as autoridades serão obrigadas a se mobilizar para reverter esse cenário de violência, que tem alarmado os moradores.

NOTÍCIAS DE GRAÇA NO SEU CELULAR

A Prensa está sempre se adaptando às novas ferramentas de distribuição do conteúdo produzido pela nossa equipe de reportagem. Você pode receber nossas matérias através da comunidade criada nos canais de mensagens eletrônicas Whatsaap e Telegram. Basta clicar nos links e participar, é rápido e você fica por dentro do que rola na Região dos Lagos do Rio de Janeiro.

Faça parte da nossa comunidade no Whatsapp e Telegram:

Se você quer participar do nosso grupo, a gente vai te contar como vai ser agorinha mesmo. Se liga:

  • As nossas matérias chegam pra você a cada 1h, de segunda a sábado. Informações urgentes podem ser enviadas a qualquer momento.
  • Somente os administradores podem mandar os informes e realizar alterações no grupo. Além disso, estamos sempre monitorando quem são os participantes.
  • Caso tenha alguma dificuldade para acessar o link das matérias, basta adicionar o número (22) 99954-6926 na sua lista de contatos.

Nos ajude a crescer, siga nossas redes Sociais: Facebook, Instagram, Twitter e Tik Tok e Youtube

Veja Também

Coletivo GRIOT promove cortejo de bloco afro no Canto do Forte, em Cabo Frio neste domingo (26)

Wine in Búzios 2024 anuncia programação do festival

Palestra em Búzios sobre paisagismo urbano e diversidade vegetal da Região dos Lagos  

Megaoperação policial desmantela império do tráfico do Comando Vermelho em Búzios e outras cidades do país