Prefeito eleito de Macaé fala sobre aquisições da vacina contra o Covid-19

Em entrevista à Prensa de Babel, Welberth Rezende comenta sobre os trâmites para as compras das vacinas contra o Covid-19 em Macaé

PROLAGOS 300_250_pix

O deputado estadual e prefeito eleito de Macaé, Welberth Rezende (Cidadania), esteve presente na abertura da terceira edição do Congresso Estadual de Turismo, nesta terça-feira (15). O encontro, realizado em Búzios, reuniu autoridades do ramo para tratar das atividades do setor no retorno do verão.

Durante o evento o prefeito participou de uma entrevista com a Prensa de Babel e comentou sobre os trâmites para a aquisição das vacinas contra o Covid-19 pelo município e as ações do futuro mandato. Confira abaixo a entrevista, na íntegra.

Welberth Rezende, deputado estadual e prefeito eleito em Macaé. Imagem: Prensa de Babel

Prensa de Babel: Surpreendeu, no interior do Rio de Janeiro, a decisão de Macaé sair pioneira na questão de tentar adquirir a vacina contra o Covid-19. O senhor, como prefeito eleito, vai dar continuidade a esse processo? Como o senhor enxerga esse momento e o salto que a cidade deu para sair na frente em relação a isso?

Welberth Rezende: Primeiramente eu queria agradecer a oportunidade de estar aqui na Prensa de Babel, e dizer que para mim não me assusta nada, porque Macaé já vinha fazendo o seu trabalho com grande excelência na questão do enfrentamento do Covid-19, foi a primeira cidade do Rio de Janeiro a entrar em bandeira verde no “covidímetro”, fez o dever de casa muito bem feito. Nós iremos, sim, dar continuidade. O prefeito anunciou agora, como o segundo município a anunciar a compra das vacinas com o Instituto Butantan, já fez essa ligação com o Instituto e já fez a reserva das vacinas para começar a ser aplicada na população a partir do mês de janeiro.

Eu quero dizer, também, que nós temos um trabalho feito com o NUPEN, temos uma reunião, nesta quarta-feira (16) com o Ministério Público Federal (MPF), e vamos dar prosseguimento a todo o trabalho que foi feito, como eu falei, de excelência. É claro que Macaé não é diferente de outros municípios do Brasil, que estão agora, neste momento, sofrendo pela segunda onda. O número de pessoas nos leitos passa de 70%, a cidade que estava em bandeira verde, está agora em bandeira vermelha. Existem muitos municípios que estão passando dificuldade, entraram em colapso no sistema de saúde, e Macaé ainda tem um número de vagas suficiente, mas é claro que temos uma possibilidade de ter um pequeno aumento para ajudar a população.

Voltando à questão das vacinas, vamos dar o prosseguimento a isso que é tão importante, porque nós não vamos conseguir avançar e crescer de forma plena, se não discutirmos a questão do Covid-19. A prioridade do governo, nos primeiros 100 dias, é baseada no Covid, em salvar vidas. É claro que temos que olhar algumas questões importantes também, como a educação, em que nós não tivemos o ano de 2020 de forma plena, os alunos não absorveram aquilo que nós achávamos que eles estavam preparados neste ano. Temos também a questão do desenvolvimento social, algumas pessoas ficaram com uma dependência ainda maior por conta do Covid-19, e tem a questão do desenvolvimento econômico, em que muitas pessoas perderam seus empregos durante a pandemia, o que é uma outra preocupação do governo. Então, os primeiros 100 dias da prefeitura de Macaé vão ser nestes pilares: desenvolvimento econômico, social, educação e prioritariamente a saúde, que é o que vai depender de números, índices para a gente poder voltar a crescer de forma ordenada, e voltar a crescer a partir de 2021.

Prensa: Nós ficamos sabendo que a Câmara de Macaé votou em colegiado para que pudesse usar emendas impositivas dos vereadores no auxílio da compra dessas vacinas. Essa ação executivo e legislativo pode se esperar para este governo a qual você estará a frente? E isso tem uma importância para a proteção da população de Macaé?

Welberth: Com certeza. Eu queria parabenizar a toda a Câmara de Vereadores pela ação. Pegaram todo o valor destinado às emendas impositivas e abriram mão, porque tem 17 vereadores na Câmara de Macaé e eles poderiam pensar em projetos pessoais e todos abriram mão para poder votar a favor da compra de vacinas e garantir a verba necessária no ano que vem. Então mostra que a Câmara está no caminho certo quando ela aponta nesta direção.

Queria dizer que eu fui vereador, hoje estou deputado, e o diálogo vai estar aberto para os representantes da população, quem a população escolheu. A Câmara é bem renovada, temos 12 novos vereadores e 5 que ficaram na casa e irão retornar, então temos uma casa oxigenada e que representa a vontade do povo. De forma harmônica e independente nós iremos estar dialogando não apenas com os vereadores, mas vamos abrir caminho junto ao governo do estado e ao governo federal.

Prensa: A empresa Azul Linhas Aéreas opera em Macaé, em Cabo Frio, e agora em Búzios também, lançou uma nota no final da tarde afirmando que ela quer colaborar com as vacinas, onde ela vai, gratuitamente, transportar as doses para as cidades onde opera. Macaé é uma cidade de grande importância, tem um aeroporto de importância nacional. Qual é o seu comentário em relação à essa ação e como o executivo vai agir em relação à essas parcerias público-privadas?

Welberth: Na verdade, eu acho que a gente não vive sozinho. Nós temos uma prefeitura importante no estado do Rio de Janeiro e a gente vai unir mão de toda ajuda, que é realmente bem vinda. A gente não vai vencer esse vírus, essa grande guerra, esse inimigo que era oculto, até então, não sabíamos muito bem como enfrentá-lo, mas agora começamos a aprender, com a dificuldade de uma segunda onda forte, e vamos precisar da ajuda de todos.

A azul é uma demonstração clara de que ela está ligada com os anseios da população, dos seus clientes, e ela cresce muito no nosso conceito por conta disso, e outras empresas também. Ontem teve uma reunião no Copacabana Palace, em que eu iria participar, da rede varejista, onde colocaram à disposição de fazerem todo o estoque das vacinas nos supermercados. Então esta rede está também se colocando à disposição para as doses chegarem e ficarem dentro dos supermercados das cidades, as grandes redes do ramo estão se comprometendo de armazenar as vacinas para que sejam repassadas à população de forma gradual. Não se tinha um local grande para armazenar e a rede varejista também dá essa grande demonstração de cidadania, e este trabalho é reconhecido por todos nós. Então, eu queria parabenizar a todos e dizer que é muito importante, e nós seremos parceiros destas empresas que quiserem apoiar e ajudar neste caso.

A entrevista completa também está disponível em formato de podcast e pode ser acessada por meio do canal da Prensa no Spotify.

PRENSA 970X250 GOOGLE CONTEMPLADO INTERTEXTO BARRA
Comentários