Menu

Cidades

Para superar o maior desafio da minha vida, coloquei em prática a minha experiência como atleta

phil

*Por Phil Rajzman

Vou compartilhar uma experiência muito intensa que vivi nesse último ano e que me ensinou mais o quanto é importante viver o presente, acreditar e ter fé.

Vamos a história. Em agosto do ano passado comecei a sentir dificuldade na minha digestão, os alimentos não caiam tão bem quanto antes e achei que era gastrite. Até que na semana do Natal passei muito mal e já não conseguia mais comer, foi quando apalpei meu estômago e senti uma bola e resolvi ir ao médico. Pela urgência, fiz uma série de exames, mas eu estava no Havaí, onde o sistema de saúde é demorado, e tinha uma viagem marcada com a família (esposa e filhas) para o dia 1º de janeiro para a Austrália.

O resultado não foi bom e o médico me sugeriu cancelar a viagem e, como eu tinha um plano de saúde no Brasil, resolvemos retornar às pressas para fechar o diagnóstico.

Chegando ao Rio de Janeiro fui internado imediatamente e comecei a fazer os exames. A situação estava bem ruim, eu só me alimentava de líquidos e tinha de dormir sentado. Porém, nessa internação iniciei um processo de desinflamação. Em uma semana a gastrite acalmou e desinflamou o sistema digestivo.

Mas daí veio o susto no resultado da biópsia: um tumor de 15 centímetros na parede do abdômen e que já estava expandindo para a parte externa do sistema digestivo, pressionando a parede do intestino. Era câncer. Linfoma não Hodgkin. Imediatamente iniciei o tratamento de quimioterapia para depois de alguns meses fazer um transplante de medula óssea.

Apesar da bomba, senti um certo alívio porque com o diagnóstico poderia me tratar, mesmo com todas as incertezas. A partir daí, comecei a lidar com a situação como sempre fiz na minha vida inteira como um atleta. Coloquei objetivos e usei da minha experiência como atleta profissional para lidar com a doença.

Quando eu foco em uma competição, em um título mundial por exemplo, não falo para ninguém sobre meus treinos. Eu simplesmente faço o que tem que ser feito. E entre essas coisas, geralmente fisicamente exaustivas – como treinar em condições extremas, enfrentar dias de muito frio, ondas ruins, entre outros – e difíceis de vivenciar, eu penso no foco, nos momentos complicados que fazem parte de um processo para um objetivo final maior: a vitória. Apliquei literalmente isso para o meu tratamento. A quimioterapia e tudo mais era parte de um processo para atingir o objetivo final: a cura.

Decidi que quem saberia da minha doença seria apenas a minha família – minha esposa Julli, minha filha mais velha Rafaela e meus pais (Bernard Rajzman, jogador de vôlei olímpico, e a mãe Michelle Wollens, ex-patinadora profissional) – e algumas pessoas bem próximas e ninguém mais. Para não escutar opiniões variadas e até receios e lamentações. Assim consegui manter a minha mente saudável e focada no objetivo final.

O tratamento é muito, muito doloroso, e não apenas a parte física. Como sou atleta até tenho um limiar de dor alto. Foram seis meses de quimioterapia, com seis sessões pesadas a cada 21 dias, sem contar alguns exames que geravam muito incomodo e dor. Mas essas condições dolorosas fisicamente, não eram o maior desafio. Os efeitos colaterais da quimioterapia são terríveis, porque a medicação mata não só as células ruins, mas as células boas também. Nos dias seguintes ficava destruído fisicamente.

Quimioterapia é pesado mesmo, a cabeça não para, apesar do corpo “destruído”, a cabeça não relaxa igual ao corpo, fica em estado de atenção constante. Por isso sinto insônia, enjoo, mal-estar, euforia, alegria, melancolia….  Com infinitos picos ao longo do dia/noite. Minha cabeça continua intacta, está moleza, foram 33 anos dedicados à competição e a minha mente é uma rocha. Já fisicamente, esse foi o maior desafio da minha vida.

Nesse período, eu também focava em pensar e fazer coisas boas e ficava sentado mexendo na nossa horta, nos dias sem energia. Outra era treinar o Ben, um surfista de 11 anos de idade aqui de Búzios, para o qual faço um trabalho de “coach” há 4 anos. Ele me pediu para começar a participar de competições, então vinha frequentemente em casa, bem cedinho. Isso me animava para ir à praia, sentar na sombra, anotar o que era importante, ver a sua evolução, perceber de perto o quanto ele estava estimulado para competição.

Essa foi uma grande motivação para meu processo de cura. Literalmente me via no Ben, quando eu era criança e comecei no surfe, com todas as curiosidades para a vida. Pude passar os meus conhecimentos da minha trajetória do Circuito Mundial nesse período.   Foi um momento de cura espiritual. Eu sempre busquei esse autoconhecimento durante a minha vida, através da espiritualidade e das viagens pelo mundo. A resiliência e os desafios de um atleta profissional, seja para aprender um novo idioma, adaptar-se à alimentação de cada país, lidar com vitórias e derrotas, foram fundamentais para esse momento de tratamento.

Apesar da situação, eu queria continuar vivendo da forma mais normal possível. E foi o que fiz, com a ajuda da minha família. Nunca tratei o momento como ‘estou doente’, mas sim como ‘estou me tratando’. O fato é que eu não me permitia vitimizar e nem me sentir triste com o que estava passando. Eu tenho muita fé, acredito em uma energia superior.  Agradeci pelo tratamento que recebia, com médicos de excelência. Entreguei nas mãos deles e na de Deus.

Entre uma quimio e outra fiz duas viagens para os EUA, mas uma me marcou. Fui para o Havaí entre a 3ª e 4ª quimio para resolver pendências, pois estava morando lá com a família quando tudo aconteceu. Cheguei durante um dos melhores swell da ilha, amigos me perguntaram por que estava sumido mas não falei sobre a doença enquanto esperávamos a onda. Foi aí que peguei um tubo, não foi como eu gostaria, mas ao atravessar foi uma das melhores sensações dos últimos tempos. A sensação de lavar a alma literalmente e me senti mais vivo do que nunca. Isso foi fundamental para eu voltar para o Brasil e continuar o tratamento.

Por incrível que pareça não perdi peso e nem a barba ou pelos do corpo. É certo que ajudaram bastante algumas terapias complementares, como acupuntura e o uso medicinal do Canabidiol (substância química da planta Cannabis sativa) – hoje já bem-conceituado como parte de vários tratamentos de saúde. Seu uso estimulou o meu apetite e me ajudou no sono tranquilo e, também, a manter o peso.

Após seis meses de quimioterapia estava me preparando para a pré-internação antes do transplante de medula óssea e ficaria internado por cerca de 20 dias. E por uns três meses devido à baixa imunidade não poderia ter contato com o público. Eu estava preparado para encarar mais esse desafio de frente. 

Agora, em junho, fui fazer os exames (Pet Scan e de sangue) e para minha surpresa algo inacreditável aconteceu: os resultados deram que eu estava 100% bem, nenhuma doença foi detectada, o câncer havia sumido. Os médicos ficaram surpresos com o resultado tão positivo.

Quando a médica disse que eu não precisaria mais fazer o transplante, a minha sensação foi estranha. Todos acharam graça, mas pensei: ‘e agora o que eu vou fazer da minha vida, eu ia internar amanhã e o que farei nos próximos meses?’. Mas assim que a ficha caiu claro fiquei extremamente feliz e ao mesmo tempo ansioso para ter um próximo objetivo. Igual o campeonato que você termina e já tem mais um, e começa a se planejar. Com relação ao tratamento só preciso a partir de agora tomar uma injeção a cada dois meses, nos próximos dois anos. Moleza. O pior já passou com certeza.

O final dessa história foi uma reviravolta igual no começo quando descobri a doença e tive que vir ao Brasil às pressas. Acredito que a minha cabeça, toda a forma com que eu procurei lidar com a doença, contribuiu muito para essa recuperação rápida.

Nos últimos dias, já consegui dar aquela liberada de energia e ir para a água, comemorar e curtir a sensação de felicidade plena. Estou tendo energia novamente para surfar, para estar com minha filha Coral na água e com o Ben. Isso que passei também ajudou a amadurecer a relação com a minha família.  

Nesse desafio procurei viver no presente, a valorizar cada momento. Essa é uma coisa que eu aprendi desde novo com os meus pais.  Agora, mais do que nunca entendo que de fato a vida é isso, é preciso aproveitar o convívio com a família, com os amigos, trabalhar no que se ama. E tomar atitudes de uma forma sábia, aprender a perdoar e agradecer.

É muito importante ter fé e acreditar que aquele momento difícil é uma experiência de vida e que algo muito maior vai ser descoberto. Que tudo passa e, de alguma forma, serve para a sua evolução e fortalecimento. Também tentar levar a situação com humor é importante.

Aloha!

*Phil Rajzman é tricampeão mundial de longboard (2007 e 2016 campeão mundial pela World Surf League – WSL e 2004 campeão mundial pela Oxbow Pro), bicampeão Pan-Americano (2007 e 2009) e atleta da elite mundial por 25 temporadas (até 2022). Carioca, 42 anos, foi o primeiro brasileiro a entrar para a história como Campeão Mundial de Surfe, mas no pranchão. Tem um canal no Youtube (@PhilGood21) e o Instagram e o Facebook @philrajzman

Para superar o maior desafio da minha vida, coloquei em prática a minha experiência como atleta

phil

*Por Phil Rajzman

Vou compartilhar uma experiência muito intensa que vivi nesse último ano e que me ensinou mais o quanto é importante viver o presente, acreditar e ter fé.

Vamos a história. Em agosto do ano passado comecei a sentir dificuldade na minha digestão, os alimentos não caiam tão bem quanto antes e achei que era gastrite. Até que na semana do Natal passei muito mal e já não conseguia mais comer, foi quando apalpei meu estômago e senti uma bola e resolvi ir ao médico. Pela urgência, fiz uma série de exames, mas eu estava no Havaí, onde o sistema de saúde é demorado, e tinha uma viagem marcada com a família (esposa e filhas) para o dia 1º de janeiro para a Austrália.

O resultado não foi bom e o médico me sugeriu cancelar a viagem e, como eu tinha um plano de saúde no Brasil, resolvemos retornar às pressas para fechar o diagnóstico.

Chegando ao Rio de Janeiro fui internado imediatamente e comecei a fazer os exames. A situação estava bem ruim, eu só me alimentava de líquidos e tinha de dormir sentado. Porém, nessa internação iniciei um processo de desinflamação. Em uma semana a gastrite acalmou e desinflamou o sistema digestivo.

Mas daí veio o susto no resultado da biópsia: um tumor de 15 centímetros na parede do abdômen e que já estava expandindo para a parte externa do sistema digestivo, pressionando a parede do intestino. Era câncer. Linfoma não Hodgkin. Imediatamente iniciei o tratamento de quimioterapia para depois de alguns meses fazer um transplante de medula óssea.

Apesar da bomba, senti um certo alívio porque com o diagnóstico poderia me tratar, mesmo com todas as incertezas. A partir daí, comecei a lidar com a situação como sempre fiz na minha vida inteira como um atleta. Coloquei objetivos e usei da minha experiência como atleta profissional para lidar com a doença.

Quando eu foco em uma competição, em um título mundial por exemplo, não falo para ninguém sobre meus treinos. Eu simplesmente faço o que tem que ser feito. E entre essas coisas, geralmente fisicamente exaustivas – como treinar em condições extremas, enfrentar dias de muito frio, ondas ruins, entre outros – e difíceis de vivenciar, eu penso no foco, nos momentos complicados que fazem parte de um processo para um objetivo final maior: a vitória. Apliquei literalmente isso para o meu tratamento. A quimioterapia e tudo mais era parte de um processo para atingir o objetivo final: a cura.

Decidi que quem saberia da minha doença seria apenas a minha família – minha esposa Julli, minha filha mais velha Rafaela e meus pais (Bernard Rajzman, jogador de vôlei olímpico, e a mãe Michelle Wollens, ex-patinadora profissional) – e algumas pessoas bem próximas e ninguém mais. Para não escutar opiniões variadas e até receios e lamentações. Assim consegui manter a minha mente saudável e focada no objetivo final.

O tratamento é muito, muito doloroso, e não apenas a parte física. Como sou atleta até tenho um limiar de dor alto. Foram seis meses de quimioterapia, com seis sessões pesadas a cada 21 dias, sem contar alguns exames que geravam muito incomodo e dor. Mas essas condições dolorosas fisicamente, não eram o maior desafio. Os efeitos colaterais da quimioterapia são terríveis, porque a medicação mata não só as células ruins, mas as células boas também. Nos dias seguintes ficava destruído fisicamente.

Quimioterapia é pesado mesmo, a cabeça não para, apesar do corpo “destruído”, a cabeça não relaxa igual ao corpo, fica em estado de atenção constante. Por isso sinto insônia, enjoo, mal-estar, euforia, alegria, melancolia….  Com infinitos picos ao longo do dia/noite. Minha cabeça continua intacta, está moleza, foram 33 anos dedicados à competição e a minha mente é uma rocha. Já fisicamente, esse foi o maior desafio da minha vida.

Nesse período, eu também focava em pensar e fazer coisas boas e ficava sentado mexendo na nossa horta, nos dias sem energia. Outra era treinar o Ben, um surfista de 11 anos de idade aqui de Búzios, para o qual faço um trabalho de “coach” há 4 anos. Ele me pediu para começar a participar de competições, então vinha frequentemente em casa, bem cedinho. Isso me animava para ir à praia, sentar na sombra, anotar o que era importante, ver a sua evolução, perceber de perto o quanto ele estava estimulado para competição.

Essa foi uma grande motivação para meu processo de cura. Literalmente me via no Ben, quando eu era criança e comecei no surfe, com todas as curiosidades para a vida. Pude passar os meus conhecimentos da minha trajetória do Circuito Mundial nesse período.   Foi um momento de cura espiritual. Eu sempre busquei esse autoconhecimento durante a minha vida, através da espiritualidade e das viagens pelo mundo. A resiliência e os desafios de um atleta profissional, seja para aprender um novo idioma, adaptar-se à alimentação de cada país, lidar com vitórias e derrotas, foram fundamentais para esse momento de tratamento.

Apesar da situação, eu queria continuar vivendo da forma mais normal possível. E foi o que fiz, com a ajuda da minha família. Nunca tratei o momento como ‘estou doente’, mas sim como ‘estou me tratando’. O fato é que eu não me permitia vitimizar e nem me sentir triste com o que estava passando. Eu tenho muita fé, acredito em uma energia superior.  Agradeci pelo tratamento que recebia, com médicos de excelência. Entreguei nas mãos deles e na de Deus.

Entre uma quimio e outra fiz duas viagens para os EUA, mas uma me marcou. Fui para o Havaí entre a 3ª e 4ª quimio para resolver pendências, pois estava morando lá com a família quando tudo aconteceu. Cheguei durante um dos melhores swell da ilha, amigos me perguntaram por que estava sumido mas não falei sobre a doença enquanto esperávamos a onda. Foi aí que peguei um tubo, não foi como eu gostaria, mas ao atravessar foi uma das melhores sensações dos últimos tempos. A sensação de lavar a alma literalmente e me senti mais vivo do que nunca. Isso foi fundamental para eu voltar para o Brasil e continuar o tratamento.

Por incrível que pareça não perdi peso e nem a barba ou pelos do corpo. É certo que ajudaram bastante algumas terapias complementares, como acupuntura e o uso medicinal do Canabidiol (substância química da planta Cannabis sativa) – hoje já bem-conceituado como parte de vários tratamentos de saúde. Seu uso estimulou o meu apetite e me ajudou no sono tranquilo e, também, a manter o peso.

Após seis meses de quimioterapia estava me preparando para a pré-internação antes do transplante de medula óssea e ficaria internado por cerca de 20 dias. E por uns três meses devido à baixa imunidade não poderia ter contato com o público. Eu estava preparado para encarar mais esse desafio de frente. 

Agora, em junho, fui fazer os exames (Pet Scan e de sangue) e para minha surpresa algo inacreditável aconteceu: os resultados deram que eu estava 100% bem, nenhuma doença foi detectada, o câncer havia sumido. Os médicos ficaram surpresos com o resultado tão positivo.

Quando a médica disse que eu não precisaria mais fazer o transplante, a minha sensação foi estranha. Todos acharam graça, mas pensei: ‘e agora o que eu vou fazer da minha vida, eu ia internar amanhã e o que farei nos próximos meses?’. Mas assim que a ficha caiu claro fiquei extremamente feliz e ao mesmo tempo ansioso para ter um próximo objetivo. Igual o campeonato que você termina e já tem mais um, e começa a se planejar. Com relação ao tratamento só preciso a partir de agora tomar uma injeção a cada dois meses, nos próximos dois anos. Moleza. O pior já passou com certeza.

O final dessa história foi uma reviravolta igual no começo quando descobri a doença e tive que vir ao Brasil às pressas. Acredito que a minha cabeça, toda a forma com que eu procurei lidar com a doença, contribuiu muito para essa recuperação rápida.

Nos últimos dias, já consegui dar aquela liberada de energia e ir para a água, comemorar e curtir a sensação de felicidade plena. Estou tendo energia novamente para surfar, para estar com minha filha Coral na água e com o Ben. Isso que passei também ajudou a amadurecer a relação com a minha família.  

Nesse desafio procurei viver no presente, a valorizar cada momento. Essa é uma coisa que eu aprendi desde novo com os meus pais.  Agora, mais do que nunca entendo que de fato a vida é isso, é preciso aproveitar o convívio com a família, com os amigos, trabalhar no que se ama. E tomar atitudes de uma forma sábia, aprender a perdoar e agradecer.

É muito importante ter fé e acreditar que aquele momento difícil é uma experiência de vida e que algo muito maior vai ser descoberto. Que tudo passa e, de alguma forma, serve para a sua evolução e fortalecimento. Também tentar levar a situação com humor é importante.

Aloha!

*Phil Rajzman é tricampeão mundial de longboard (2007 e 2016 campeão mundial pela World Surf League – WSL e 2004 campeão mundial pela Oxbow Pro), bicampeão Pan-Americano (2007 e 2009) e atleta da elite mundial por 25 temporadas (até 2022). Carioca, 42 anos, foi o primeiro brasileiro a entrar para a história como Campeão Mundial de Surfe, mas no pranchão. Tem um canal no Youtube (@PhilGood21) e o Instagram e o Facebook @philrajzman

NOTÍCIAS DE GRAÇA NO SEU CELULAR

A Prensa está sempre se adaptando às novas ferramentas de distribuição do conteúdo produzido pela nossa equipe de reportagem. Você pode receber nossas matérias através da comunidade criada nos canais de mensagens eletrônicas Whatsaap e Telegram. Basta clicar nos links e participar, é rápido e você fica por dentro do que rola na Região dos Lagos do Rio de Janeiro.

Faça parte da nossa comunidade no Whatsapp e Telegram:

Se você quer participar do nosso grupo, a gente vai te contar como vai ser agorinha mesmo. Se liga:

  • As nossas matérias chegam pra você a cada 1h, de segunda a sábado. Informações urgentes podem ser enviadas a qualquer momento.
  • Somente os administradores podem mandar os informes e realizar alterações no grupo. Além disso, estamos sempre monitorando quem são os participantes.
  • Caso tenha alguma dificuldade para acessar o link das matérias, basta adicionar o número (22) 99954-6926 na sua lista de contatos.

Nos ajude a crescer, siga nossas redes Sociais: Facebook, Instagram, Twitter e Tik Tok e Youtube

Veja Também

CBA realiza a 3ª etapa do Campeonato Brasileiro de Arrancada em Uberlândia-MG

ONG impacta 5 mil crianças e adolescentes pelo esporte em 27 cidades no país

MPD inicia obras do Trinity: residencial em São Paulo

MSS Experience: Evento de milhas e viagens aterriza em SP

Coluna da Angela

A reprodução parcial deste conteúdo por veículos de comunicação é permitida desde que contenha crédito à Prensa de Babel na abertura do
texto, bem como LINK para o site "www.prensadebabel.com.br"
A supressão da fonte pode implicar em medidas de acordo com a lei de direitos autorais.