Menu

Cidades

Os notáveis e a pauta

cabral-garotinho

 

Fábio Emecê

 

cabral-garotinhoVamo lá, to incomodado. Aliás, estou na maior parte do tempo. O incomodo dessa vez está na relação estabelecida na prisão de Garotinho e Cabral, ex-governadores do Estado do Rio de Janeiro. Estado Policial e punitivo tomando forma e deteriorando a democracia?

 

Sim, sim e sim! É uma afirmação que toma coro de pessoas que se colocam como seres pensantes e coerentes com a questão dos direitos humanos e o tratamento correto dado pela justiça as pessoas. Afinal, o ex foram presos sem serem condenados.

 

Aí entra meu incomodo. Há uma certa desfaçatez nesses argumentos, ainda mais com 300 mil presos provisórios no Brasil. E aí faço a pergunta básica: Que Estado Policial e punitivo é esse que está se instalando no Brasil? Quando foi diferente? Digam e provem, por favor, quando foi diferente.

A tese de Garotinho ser um ser humano e não merecia passar pelo ridículo de ser levado em avental e maca é aceitável até a página dois. Até porque esse brado pela humanidade do ex não ganha coro em outros casos mais absurdos e nonsenses de prisões arbitrárias e preventivas da nossa história recente. Um exemplo: Rafael Braga, o ser humano que está preso por portar pinho sol.

 

Não há aparato midiático, não há textos e textos de pessoas sensíveis, no máximo, nós ativistas mequetrefes fazendo atos, rodas e saraus pela liberdade do mesmo. Nenhuma comoção.

Sabe o que me incomoda? Garotinho e Cabral são notáveis. São corruptos e criminosos, mas são notáveis. E dentro do espetáculo bizarro da maca, se esconde o que ninguém admite. Só discutimos o que acontece com os notáveis. O Brasil só é absurdo e perdido a partir do que um notável sofre ou não.

 

Não importa o quanto ele é corruptível, não importa o legado de sucateamento do serviço público e detonação de gerações inteiras com o fortalecimento do aparato policial, inclusive com ocupação das forças armadas, sem contar o crescimento agudo de milícias, ele será apontado como um ser humano que não merece ser tratado arbitrariamente e que merece julgamento.

 

Afinal, bater palmas para as prisões dos ex, é aprofundar o desmantelamento do Estado Democrático de Direito e propor alternativas para acabar com o Estado Policial e arbitrário se torna escasso. Realmente, ainda nos pautamos por esses casos, porque eles são notáveis e o que importa de fato na História do Brasil é o quanto os notáveis podem ou não suportar qualquer injustiça, mesmo sendo eles os promotores da injustiça.

 

Quando a Cláudia Ferreira foi arrastada pelo asfalto deve-se ter pensado: “Ah, ela foi arrastada, mas ainda devemos defender o Estado Democrático de Direito. Não, a justiça não é punitiva e arbitrária, ainda há esperança”.

 

Quando os 5 meninos foram alvejados com 111 tiros em Costas Barros deve-se ter pensado: “Ah, eles foram alvejados, mas ainda devemos defender o Estado Democrático de Direito. Não, a justiça não é punitiva e arbitrária, ainda há esperança.”

 

Quando Rafael Braga foi preso nas jornadas de protestos em 2013 por estar com o pinho sol deve-se ter pensado: “Ah, ele foi preso, mas ainda devemos defender o Estado Democrático de Direito. Não, a justiça não é punitiva e arbitrária, ainda há esperança”.

 

Não pensaram isso? Pois bem, já que o clamor que podemos entrar agora, só agora, só depois da prisão dos ex em um Estado Punitivo e Arbitrário, com a ajuda da mídia de massa, é estranho. Entendam, só agora que se ligaram nisso! Por favor, em vez de ter pena, vamos clamar para que os caras sejam realmente julgados?

 

Ou melhor, parem com o cinismo de querer se diferenciar dos demais, querendo perdoar ou ser condescendente com promotores diretos daquilo que eles estão sofrendo hoje, afinal, O Estado Punitivo, Arbitrário e com apoio da mídia de massa só tem a força que tem hoje porque existiram Gestores como Garotinho e Cabral, frutos direto do Estado Democrático de Direito.

Analisamos a História a ou ética ou se mostrar ético é componente de currículo pra militância nos tempos de hoje? Nada mais me assusta e quase tudo me incomoda, principalmente não entender quem manda e quem obedece no jogo…

 

Fábio é professor de literatura, rapper e ativista de causas antirracistas.

NOTÍCIAS DE GRAÇA NO SEU CELULAR

A Prensa está sempre se adaptando às novas ferramentas de distribuição do conteúdo produzido pela nossa equipe de reportagem. Você pode receber nossas matérias através da comunidade criada nos canais de mensagens eletrônicas Whatsaap e Telegram. Basta clicar nos links e participar, é rápido e você fica por dentro do que rola na Região dos Lagos do Rio de Janeiro.

Faça parte da nossa comunidade no Whatsapp e Telegram:

Se você quer participar do nosso grupo, a gente vai te contar como vai ser agorinha mesmo. Se liga:

  • As nossas matérias chegam pra você a cada 1h, de segunda a sábado. Informações urgentes podem ser enviadas a qualquer momento.
  • Somente os administradores podem mandar os informes e realizar alterações no grupo. Além disso, estamos sempre monitorando quem são os participantes.
  • Caso tenha alguma dificuldade para acessar o link das matérias, basta adicionar o número (22) 99954-6926 na sua lista de contatos.

Nos ajude a crescer, siga nossas redes Sociais: Facebook, Instagram, Twitter e Tik Tok e Youtube

Veja Também

Deputada Marina do MST e Cepro realizam reunião em Rio das Ostras para discutir temas sociais urgentes

Búzios é finalista no prêmio Melhores do ano da gastronomia 2024

Búzios recebe o 3º Encontro de Numismática de 24 a 25 de maio

Agenda cultural do fim de semana na Região dos Lagos