Menu

Cidades

O samba tá por aí – 100 anos do maior movimento musical do Brasil

samba-ykenga

Fábio Emecê

 

samba-morrer

O samba é parte do céu, da terra e do mar. Sem o samba, qualquer menção a quadril se torna obsoleto. Sem o samba, qualquer história sobre os pretos no território brasileiro se torna obsoleto. O samba é a mistura daquilo que não queriam, do que poderia ser e do que avançou na arte por essas bandas.

 

Nunca quiseram o batuque, aliás, nunca quiseram colocar a mão da massa, carregar a botija, lavar a escadaria, comer o angu, tocar nas orquestras. Incumbiam aos pretos as tarefas para se ter tempo e se manter o status. Os pretos faziam tudo, mesmo não se tendo o crédito.

 

Na orquestra se toca música clássica, bolero, tango e twist. Os donos dançavam, bebiam e discutiam o futuro com propriedade e sonoridade. Conhecimento adquirido dos palácios pras ruas. Os batutas que não comiam trufas, mas deram a cadência daquilo que hoje todo mundo chama de samba.

 

No zungu da Tia Ciata ou na Pequena África do bairro do Estácio. Na Portela, na Estação Primeira ou na Serrinha. O cotidiano da periferia é contado, recontado, lapidado, ressignificado e saturado. As identidades são costuradas e memórias eternizadas. Tudo isso por conta do samba.

 

A potência não fica alheia os donos e numa jogada de mestre e de suspeição acadêmica, depura-se, ajeita-se e repete-se, sem o tambor, sem o calor e sem a melanina. Bossa, que uns chamam de chacina, outros chamam de grande invenção. O samba não é apenas uma canção.

 

No miudinho se diz que do morro ele não sai. Finca o pé e se torna Partido Alto. E com alta patente, a origem se faz presente. Dá licença jongueiro velho, que vou entrar na roda. Machado e não é só o de Xangô. Justiçado, justiçou. O samba se presenciou.

 

Dos bordeis a casa de show, artistas pop, mixagem com o rap, flerte eterno com o pagode. Pouco preto, muito dono. O samba agoniza? Ele vive, com operações de risco, esperando novas intervenções, as vezes tão nocivas que a cadência se descompassa.

 

O quadril continua, o batuque continua e o Brasil não embraqueceu. Por conta disso, o samba não morreu. Ainda…

 

O samba tá por aí – 100 anos do maior movimento musical do Brasil

samba-ykenga

Fábio Emecê

 

samba-morrer

O samba é parte do céu, da terra e do mar. Sem o samba, qualquer menção a quadril se torna obsoleto. Sem o samba, qualquer história sobre os pretos no território brasileiro se torna obsoleto. O samba é a mistura daquilo que não queriam, do que poderia ser e do que avançou na arte por essas bandas.

 

Nunca quiseram o batuque, aliás, nunca quiseram colocar a mão da massa, carregar a botija, lavar a escadaria, comer o angu, tocar nas orquestras. Incumbiam aos pretos as tarefas para se ter tempo e se manter o status. Os pretos faziam tudo, mesmo não se tendo o crédito.

 

Na orquestra se toca música clássica, bolero, tango e twist. Os donos dançavam, bebiam e discutiam o futuro com propriedade e sonoridade. Conhecimento adquirido dos palácios pras ruas. Os batutas que não comiam trufas, mas deram a cadência daquilo que hoje todo mundo chama de samba.

 

No zungu da Tia Ciata ou na Pequena África do bairro do Estácio. Na Portela, na Estação Primeira ou na Serrinha. O cotidiano da periferia é contado, recontado, lapidado, ressignificado e saturado. As identidades são costuradas e memórias eternizadas. Tudo isso por conta do samba.

 

A potência não fica alheia os donos e numa jogada de mestre e de suspeição acadêmica, depura-se, ajeita-se e repete-se, sem o tambor, sem o calor e sem a melanina. Bossa, que uns chamam de chacina, outros chamam de grande invenção. O samba não é apenas uma canção.

 

No miudinho se diz que do morro ele não sai. Finca o pé e se torna Partido Alto. E com alta patente, a origem se faz presente. Dá licença jongueiro velho, que vou entrar na roda. Machado e não é só o de Xangô. Justiçado, justiçou. O samba se presenciou.

 

Dos bordeis a casa de show, artistas pop, mixagem com o rap, flerte eterno com o pagode. Pouco preto, muito dono. O samba agoniza? Ele vive, com operações de risco, esperando novas intervenções, as vezes tão nocivas que a cadência se descompassa.

 

O quadril continua, o batuque continua e o Brasil não embraqueceu. Por conta disso, o samba não morreu. Ainda…

 

NOTÍCIAS DE GRAÇA NO SEU CELULAR

A Prensa está sempre se adaptando às novas ferramentas de distribuição do conteúdo produzido pela nossa equipe de reportagem. Você pode receber nossas matérias através da comunidade criada nos canais de mensagens eletrônicas Whatsaap e Telegram. Basta clicar nos links e participar, é rápido e você fica por dentro do que rola na Região dos Lagos do Rio de Janeiro.

Faça parte da nossa comunidade no Whatsapp e Telegram:

Se você quer participar do nosso grupo, a gente vai te contar como vai ser agorinha mesmo. Se liga:

  • As nossas matérias chegam pra você a cada 1h, de segunda a sábado. Informações urgentes podem ser enviadas a qualquer momento.
  • Somente os administradores podem mandar os informes e realizar alterações no grupo. Além disso, estamos sempre monitorando quem são os participantes.
  • Caso tenha alguma dificuldade para acessar o link das matérias, basta adicionar o número (22) 99954-6926 na sua lista de contatos.

Nos ajude a crescer, siga nossas redes Sociais: Facebook, Instagram, Twitter e Tik Tok e Youtube

Veja Também

ONC Care da Hill’s traz nutrição de apoio para pets em tratamento oncológico

Projetos de pesquisa do câncer recebem prêmio internacional

São Paulo sedia Campeonato Brasileiro de Remo Master

Especialista alerta sobre novo golpe dos precatórios

Coluna da Angela

A reprodução parcial deste conteúdo por veículos de comunicação é permitida desde que contenha crédito à Prensa de Babel na abertura do
texto, bem como LINK para o site "www.prensadebabel.com.br"
A supressão da fonte pode implicar em medidas de acordo com a lei de direitos autorais.