Menu

Cidades

O grande Ykenga participa de evento de cartunistas no Rio de Janeiro

ykenga-lancando-livro

 

ykenga-lancando-livro
Ykenga

Nos dias 24, 25, 26 e 27 de novembro, das 10h às 22h, Píer Mauá, Armazéns 2 e 3, na Avenida Rodrigues Alves, 10 – Centro, Rio de Janeiro, acontece o evento de cartunistas Gibizeira. No local, diversos desenhistas terão stand para mostrar o seu material. Um dos expositores será o Bonifacio Rodrigues de Mattos, o Ykenga, chargista do jornal Extra e um dos colaboradores do Prensa de Babel.

O Gibizeira é um evento de quadrinhos independentes que além de promover a venda do material pelo próprio expositor, acontecem palestras relacionadas a quadrinhos e exibição de material audiovisual. Incentiva o contato direto do artista com o público, experiência comercial e troca de informações com outros participantes. A entrada é gratuita.

 

 

 

Sobre Ykenga

15126260_10211123374900790_1693978986_o-1
No livro (que tem texto de apresentação de Chico Caruso, cartunista do GLOBO), Ykenga reencena a morte de Zumbi dos Palmares como um auto de resistência,

O cartunista tentou a sorte na charge em 1978, em jornais de sindicatos — e nunca mais voltou à antiga profissão. Ferino em suas análises da realidade brasileira (especialmente aquela em que vivem ele e outros negros), ele teve seu trabalho publicado em periódicos como “O Pasquim”, “Última Hora” e “O Dia”, “O Nacional” e “O Perú Molhado”. Agora Ykenga compila algumas de suas obras mais representativas em “Casa grande & sem sala”,  que foi lançado na Associação Brasileira de Imprensa (ABI) e quem quiser poderá adquirir na Gibizeira.

— Tinha muitas charges sobre a questão do preconceito racial, mas é difícil conseguir espaço para publicá-las, nem sempre elas cabiam. Fui juntando algumas e resolvi fazer um livro — conta o artista, de 63 anos, que hoje colabora com o “Mais São Gonçalo”, suplemento do jornal “Extra”. — O livro é uma paródia do “Casa grande e senzala”, a bíblia da sociologia, do Gilberto Freyre. Parti para o contraponto, botando o dedo na ferida.

No livro (que tem texto de apresentação de Chico Caruso, cartunista do GLOBO), Ykenga reencena a morte de Zumbi dos Palmares como um auto de resistência, faz a ponte entre os navios negreiros e os camburões de hoje e lembra a “apropriação indébita” da qual os sambistas foram vítimas no começo do século passado:

— São questões que já estão aí há muito tempo. A única diferença entre antes da abolição da escravatura e hoje é que não há mais correntes.

NOTÍCIAS DE GRAÇA NO SEU CELULAR

A Prensa está sempre se adaptando às novas ferramentas de distribuição do conteúdo produzido pela nossa equipe de reportagem. Você pode receber nossas matérias através da comunidade criada nos canais de mensagens eletrônicas Whatsaap e Telegram. Basta clicar nos links e participar, é rápido e você fica por dentro do que rola na Região dos Lagos do Rio de Janeiro.

Faça parte da nossa comunidade no Whatsapp e Telegram:

Se você quer participar do nosso grupo, a gente vai te contar como vai ser agorinha mesmo. Se liga:

  • As nossas matérias chegam pra você a cada 1h, de segunda a sábado. Informações urgentes podem ser enviadas a qualquer momento.
  • Somente os administradores podem mandar os informes e realizar alterações no grupo. Além disso, estamos sempre monitorando quem são os participantes.
  • Caso tenha alguma dificuldade para acessar o link das matérias, basta adicionar o número (22) 99954-6926 na sua lista de contatos.

Nos ajude a crescer, siga nossas redes Sociais: Facebook, Instagram, Twitter e Tik Tok e Youtube

Veja Também

Iate Clube de Búzios elege nova comodoria

Coletivo GRIOT promove cortejo de bloco afro no Canto do Forte, em Cabo Frio neste domingo (26)

Wine in Búzios 2024 anuncia programação do festival

Palestra em Búzios sobre paisagismo urbano e diversidade vegetal da Região dos Lagos