Menu

Cidades

[O Cara] Brasileiro, profissão otário

Eduardo Almeida é advogado, foi delegado da polícia federal. tem o titulo de cidadão buziano e agora a honraria Sobral Pinto, escreveu para o Jornal Primeira Hora e Perú Molhado. Hoje é super colunista do Prensa de Babe
Eduardo Almeida é advogado, foi delegado da polícia federal. tem o titulo de cidadão buziano e agora a honraria Sobral Pinto, escreveu para o Jornal Primeira Hora e Perú Molhado. Hoje é super colunista do Prensa de Babe

por Eduardo Almeida

 

eduardo-almeidaEstava neste fim de semana no Rio de Janeiro, especialmente em Copacabana. Era sábado a noite, peguei meu cachorrinho Rufus e fomos andar no calçadão.
Primeiro vi algo que me chocou, vi sendo construído em plena praia de Copacabana,  na areia,  um imenso galpão de lona, plástico ou coisa assim, feio como um monstrengo e o tamanho?. Nada menor do que 300 metros por 30 de largura, calculando por baixo uns dez mil metros quadrados, e a altura de um prédio de três andares. Esse vagão enorme, sem passagem para a praia e sem vista para a praia e obviamente para o mar.  Perguntei para o exercito de seguranças particulares:  que merda era aquela. Ninguém sabia. Com certeza alguma jogada esperta.
Continuei meu passeio, a noite estava linda, milhares de pessoas andavam,  riam, tiravam selfies, os quiosques cheios de turistas. Musica ao vivo. Copacabana iluminada, os hotéis com luzes estroboscópicas, tudo lindo. Não vi um assalto, nem tentativa nem nada nadica de nada.
Fui do Leme ao Posto Cinco. Quando voltei cerca de meia noite, entrei na Rua Belfort Roxo, em um restaurante na esquina da Viveiros de Castro, uma festa para as 3 gerações. Tocava Tim Maia, a musica Vou pedir para você ficar, Que saudades. Aí o espirito brasileiro derrotista chegou. Como assim perguntarão? Explico: estava assistindo a festa um casal morador local, chegou perto deles um casalzinho de turistas que estavam hospedados em um hotel em frente ao local da festa. O turista perguntou ao casal local, onde era a praia de Copacabana? A brasileira profissão muquirana, olhou o casal com olhos de terror e disse: vocês vão ao calçadão agora??? isso a meia noite de um sábado com o calçadão lotado.
A brasileira continuou: Muito perigoso, vocês correm risco de arrastões, de balas perdidas. Melhor ficar no hotel. Não vão para a Praia de Copacabana, lá é muito negativo, é mar é poluído de  dia e sinistro a noite perigo de morte e sequestro.
O casal agradeceu e voltaram para o hotel. Tenho certeza de que no dia seguinte embarcaram no primeiro voo para sua terra. Esse o espirito do carioca atual, um cagão que tem medo da própria sombra.

*Eduardo Almeida é Presidente da Comissão de Segurança Publica da OAB e Vice Presidente do Conselho Municipal de Segurança

[O Cara] Brasileiro, profissão otário

Eduardo Almeida é advogado, foi delegado da polícia federal. tem o titulo de cidadão buziano e agora a honraria Sobral Pinto, escreveu para o Jornal Primeira Hora e Perú Molhado. Hoje é super colunista do Prensa de Babe
Eduardo Almeida é advogado, foi delegado da polícia federal. tem o titulo de cidadão buziano e agora a honraria Sobral Pinto, escreveu para o Jornal Primeira Hora e Perú Molhado. Hoje é super colunista do Prensa de Babe

por Eduardo Almeida

 

eduardo-almeidaEstava neste fim de semana no Rio de Janeiro, especialmente em Copacabana. Era sábado a noite, peguei meu cachorrinho Rufus e fomos andar no calçadão.
Primeiro vi algo que me chocou, vi sendo construído em plena praia de Copacabana,  na areia,  um imenso galpão de lona, plástico ou coisa assim, feio como um monstrengo e o tamanho?. Nada menor do que 300 metros por 30 de largura, calculando por baixo uns dez mil metros quadrados, e a altura de um prédio de três andares. Esse vagão enorme, sem passagem para a praia e sem vista para a praia e obviamente para o mar.  Perguntei para o exercito de seguranças particulares:  que merda era aquela. Ninguém sabia. Com certeza alguma jogada esperta.
Continuei meu passeio, a noite estava linda, milhares de pessoas andavam,  riam, tiravam selfies, os quiosques cheios de turistas. Musica ao vivo. Copacabana iluminada, os hotéis com luzes estroboscópicas, tudo lindo. Não vi um assalto, nem tentativa nem nada nadica de nada.
Fui do Leme ao Posto Cinco. Quando voltei cerca de meia noite, entrei na Rua Belfort Roxo, em um restaurante na esquina da Viveiros de Castro, uma festa para as 3 gerações. Tocava Tim Maia, a musica Vou pedir para você ficar, Que saudades. Aí o espirito brasileiro derrotista chegou. Como assim perguntarão? Explico: estava assistindo a festa um casal morador local, chegou perto deles um casalzinho de turistas que estavam hospedados em um hotel em frente ao local da festa. O turista perguntou ao casal local, onde era a praia de Copacabana? A brasileira profissão muquirana, olhou o casal com olhos de terror e disse: vocês vão ao calçadão agora??? isso a meia noite de um sábado com o calçadão lotado.
A brasileira continuou: Muito perigoso, vocês correm risco de arrastões, de balas perdidas. Melhor ficar no hotel. Não vão para a Praia de Copacabana, lá é muito negativo, é mar é poluído de  dia e sinistro a noite perigo de morte e sequestro.
O casal agradeceu e voltaram para o hotel. Tenho certeza de que no dia seguinte embarcaram no primeiro voo para sua terra. Esse o espirito do carioca atual, um cagão que tem medo da própria sombra.

*Eduardo Almeida é Presidente da Comissão de Segurança Publica da OAB e Vice Presidente do Conselho Municipal de Segurança

NOTÍCIAS DE GRAÇA NO SEU CELULAR

A Prensa está sempre se adaptando às novas ferramentas de distribuição do conteúdo produzido pela nossa equipe de reportagem. Você pode receber nossas matérias através da comunidade criada nos canais de mensagens eletrônicas Whatsaap e Telegram. Basta clicar nos links e participar, é rápido e você fica por dentro do que rola na Região dos Lagos do Rio de Janeiro.

Faça parte da nossa comunidade no Whatsapp e Telegram:

Se você quer participar do nosso grupo, a gente vai te contar como vai ser agorinha mesmo. Se liga:

  • As nossas matérias chegam pra você a cada 1h, de segunda a sábado. Informações urgentes podem ser enviadas a qualquer momento.
  • Somente os administradores podem mandar os informes e realizar alterações no grupo. Além disso, estamos sempre monitorando quem são os participantes.
  • Caso tenha alguma dificuldade para acessar o link das matérias, basta adicionar o número (22) 99954-6926 na sua lista de contatos.

Nos ajude a crescer, siga nossas redes Sociais: Facebook, Instagram, Twitter e Tik Tok e Youtube

Veja Também

Bell Marques lança “100% Você”, empresa de suplementação

Portalmad Portas e Janelas investe em madeira sustentável

Lances para leilões on-line de bens de apartamentos decorados estão abertos

Piscinas devem ter uso consciente da água, diz especialista

Coluna da Angela

A reprodução parcial deste conteúdo por veículos de comunicação é permitida desde que contenha crédito à Prensa de Babel na abertura do
texto, bem como LINK para o site "www.prensadebabel.com.br"
A supressão da fonte pode implicar em medidas de acordo com a lei de direitos autorais.