Menu

Cidades

Morrer faz parte da vida

caixoes-sao-colocados-em-carros-abertos-que-os-levarao-ate-a-arena-conda-1480770231734_615x300

 

3dez2016-militares-prestam-homenagem-as-vitimas-do-acidente-aereo-1480765899713_615x300

Por Sandro Peixoto

O acidente que vitimou 71 pessoas, entre elas a equipe inteira da Chapecoense e vários jornalistas brasileiros (sem contar parte da tripulação da empresa de aviação, inclusive o piloto, dono da empresa e até o que se sabe, responsável mor pela tragédia) mexeu com o mundo. Aviões caem por diversos motivos. E em geral muita gente morre nesses casos. O motivo que faz o caso da Chapecoense se diferenciar dos demais é que atletas são vistos como estrelas e equipes esportivas como famílias. Morreu uma grande família. Com raízes mundiais, pois praticavam um esporte mundial. A comoção então é mundial.

A morte, apesar de se um fato intrínseco a vida, nunca foi ou será bem recebida por  ninguém. Foi o compositor Toquinho quem escreveu que a gente mal nasce, começa a morrer. Não querer morrer é estúpido. Sonhar com vida eterna é infantilidade. Imagine a possibilidade de não se morrer: quando pararíamos de envelhecer? Aos dois anos? Aos 20, 30, 60, 90? Não morrer significa não nascer. A morte, no entanto é sempre uma tragédia. E quando vitima jovens promissores, ou quando acontece por falta de responsabilidade, como foi o caso em questão, o sentimento de dor é sempre maior.

O mundo está de luto, como provou o povo da Colômbia, que nada tinha a ver com o time da Chapecoense e mesmo assim, sofreu de maneira impressionante. As homenagens do povo colombiano a tragédia brasileira será um marco na historia da humanidade. O luto é um sentimento necessário para se assimilar uma perda. Não somente humana, de parentes, amigos ou conhecido. Existe luto pela perda do emprego, por exemplo. Ou de um animal de estimação. A psiquiatra  suíça Elisabeth Kubler-Ross definiu o sentimento do luto após a morte em 5 estágios: negação, raiva, barganha, depressão e aceitação.

 

caixoes-sao-colocados-em-carros-abertos-que-os-levarao-ate-a-arena-conda-1480770231734_615x300A fase de negação seria uma defesa psíquica que faz com que o indivíduo acabe negando o problema. Ele tenta encontrar algum jeito de não entrar em contato com a realidade. Não quer assimilar a perda. É comum a pessoa não querer falar sobre o assunto. Na fase da raiva, o indivíduo se revolta com o mundo, se sente injustiçado e não se conforma por estar passando por aquilo. Então vem a barganha. Fase que o indivíduo começa a negociar, começando com si mesmo, acaba querendo dizer que será uma pessoa melhor se sair daquela situação, faz promessas a Deus. É como o discurso “Vou ser uma pessoa melhor, serei mais gentil e simpático com as pessoas, irei ter uma vida saudável.”

Então bate a depressão que é quando a pessoa se retira para seu mundo interno, se isolando, melancólica e se sentindo impotente diante da situação. A aceitação demora um pouco mais. É o estágio em que o indivíduo não tem desespero e consegue enxergar a realidade como realmente é, ficando pronto pra enfrentar a perda ou a morte.

Por mais que possa doer, a vida vai continuar apos o sepultamento das vitimas. Teremos jogos de futebol, voos fretados, alegrias e tristezas. Alguém escreveu um dia um dia que a morte cria um sentido para nossa vida. Mais importante que isso: a morte cria um valor especial para o tempo. Se o nosso tempo nessa terra fosse indeterminado, a própria vida perderia o sentido e muito provavelmente ainda estaríamos com a bunda de fora e de lanças nas mãos.  A morte é o agente mais poderoso da natureza. Ela vem para levar o velho e abrir espaço para o novo. Nosso esforço para evitá-la e fazer de nossa curta estada na terra algo minimamente memorável é o que realmente nos motiva.

Ou seja, só existe a vida porque existe a morte. É a morte que dá dignidade a vida. Por mais estranho que isso possa parecer

Morrer faz parte da vida

caixoes-sao-colocados-em-carros-abertos-que-os-levarao-ate-a-arena-conda-1480770231734_615x300

 

3dez2016-militares-prestam-homenagem-as-vitimas-do-acidente-aereo-1480765899713_615x300

Por Sandro Peixoto

O acidente que vitimou 71 pessoas, entre elas a equipe inteira da Chapecoense e vários jornalistas brasileiros (sem contar parte da tripulação da empresa de aviação, inclusive o piloto, dono da empresa e até o que se sabe, responsável mor pela tragédia) mexeu com o mundo. Aviões caem por diversos motivos. E em geral muita gente morre nesses casos. O motivo que faz o caso da Chapecoense se diferenciar dos demais é que atletas são vistos como estrelas e equipes esportivas como famílias. Morreu uma grande família. Com raízes mundiais, pois praticavam um esporte mundial. A comoção então é mundial.

A morte, apesar de se um fato intrínseco a vida, nunca foi ou será bem recebida por  ninguém. Foi o compositor Toquinho quem escreveu que a gente mal nasce, começa a morrer. Não querer morrer é estúpido. Sonhar com vida eterna é infantilidade. Imagine a possibilidade de não se morrer: quando pararíamos de envelhecer? Aos dois anos? Aos 20, 30, 60, 90? Não morrer significa não nascer. A morte, no entanto é sempre uma tragédia. E quando vitima jovens promissores, ou quando acontece por falta de responsabilidade, como foi o caso em questão, o sentimento de dor é sempre maior.

O mundo está de luto, como provou o povo da Colômbia, que nada tinha a ver com o time da Chapecoense e mesmo assim, sofreu de maneira impressionante. As homenagens do povo colombiano a tragédia brasileira será um marco na historia da humanidade. O luto é um sentimento necessário para se assimilar uma perda. Não somente humana, de parentes, amigos ou conhecido. Existe luto pela perda do emprego, por exemplo. Ou de um animal de estimação. A psiquiatra  suíça Elisabeth Kubler-Ross definiu o sentimento do luto após a morte em 5 estágios: negação, raiva, barganha, depressão e aceitação.

 

caixoes-sao-colocados-em-carros-abertos-que-os-levarao-ate-a-arena-conda-1480770231734_615x300A fase de negação seria uma defesa psíquica que faz com que o indivíduo acabe negando o problema. Ele tenta encontrar algum jeito de não entrar em contato com a realidade. Não quer assimilar a perda. É comum a pessoa não querer falar sobre o assunto. Na fase da raiva, o indivíduo se revolta com o mundo, se sente injustiçado e não se conforma por estar passando por aquilo. Então vem a barganha. Fase que o indivíduo começa a negociar, começando com si mesmo, acaba querendo dizer que será uma pessoa melhor se sair daquela situação, faz promessas a Deus. É como o discurso “Vou ser uma pessoa melhor, serei mais gentil e simpático com as pessoas, irei ter uma vida saudável.”

Então bate a depressão que é quando a pessoa se retira para seu mundo interno, se isolando, melancólica e se sentindo impotente diante da situação. A aceitação demora um pouco mais. É o estágio em que o indivíduo não tem desespero e consegue enxergar a realidade como realmente é, ficando pronto pra enfrentar a perda ou a morte.

Por mais que possa doer, a vida vai continuar apos o sepultamento das vitimas. Teremos jogos de futebol, voos fretados, alegrias e tristezas. Alguém escreveu um dia um dia que a morte cria um sentido para nossa vida. Mais importante que isso: a morte cria um valor especial para o tempo. Se o nosso tempo nessa terra fosse indeterminado, a própria vida perderia o sentido e muito provavelmente ainda estaríamos com a bunda de fora e de lanças nas mãos.  A morte é o agente mais poderoso da natureza. Ela vem para levar o velho e abrir espaço para o novo. Nosso esforço para evitá-la e fazer de nossa curta estada na terra algo minimamente memorável é o que realmente nos motiva.

Ou seja, só existe a vida porque existe a morte. É a morte que dá dignidade a vida. Por mais estranho que isso possa parecer

NOTÍCIAS DE GRAÇA NO SEU CELULAR

A Prensa está sempre se adaptando às novas ferramentas de distribuição do conteúdo produzido pela nossa equipe de reportagem. Você pode receber nossas matérias através da comunidade criada nos canais de mensagens eletrônicas Whatsaap e Telegram. Basta clicar nos links e participar, é rápido e você fica por dentro do que rola na Região dos Lagos do Rio de Janeiro.

Faça parte da nossa comunidade no Whatsapp e Telegram:

Se você quer participar do nosso grupo, a gente vai te contar como vai ser agorinha mesmo. Se liga:

  • As nossas matérias chegam pra você a cada 1h, de segunda a sábado. Informações urgentes podem ser enviadas a qualquer momento.
  • Somente os administradores podem mandar os informes e realizar alterações no grupo. Além disso, estamos sempre monitorando quem são os participantes.
  • Caso tenha alguma dificuldade para acessar o link das matérias, basta adicionar o número (22) 99954-6926 na sua lista de contatos.

Nos ajude a crescer, siga nossas redes Sociais: Facebook, Instagram, Twitter e Tik Tok e Youtube

Veja Também

BYD Introduz Novo Portfólio de Energia no The smarter E Europe e Comemora 1 Milhão de Sistemas BatteryBox Instalados

Empresa explica sobre como evitar a queda de tensão

Nova UTI pediátrica eleva o padrão de atendimento do ICIA

Plataforma gratuita e digital conecta empresas e refugiados a ofertas de emprego

Coluna da Angela

A reprodução parcial deste conteúdo por veículos de comunicação é permitida desde que contenha crédito à Prensa de Babel na abertura do
texto, bem como LINK para o site "www.prensadebabel.com.br"
A supressão da fonte pode implicar em medidas de acordo com a lei de direitos autorais.