Maricá: Moeda Mumbuca completa oito anos

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email

Com a moeda local, município transfere renda a quem mais precisa e se torna referência pioneira nacional

A moeda social Mumbuca, de Maricá, completa nesta quinta-feira (30) oito anos de circulação no município, assegurando suporte econômico à população que mais precisa, e tornando-se o mecanismo de transformação social na cidade. A iniciativa foi inclusive inspiração para a implantação da Moeda Itajuru, em Cabo Frio.

Desde 2013, mais de 42 mil maricaenses em vulnerabilidade são beneficiados pelo programa de Renda Básica de Cidadania (RBC), que fornece 170 mumbucas mensais (equivalentes a R$ 170) para serem utilizadas em 12 mil estabelecimentos comerciais credenciados. 

Entre o início de 2018 e setembro de 2021, 2 bilhões de reais circularam em Maricá com o uso da Mumbuca – número que comprova o impacto econômico da moeda. Além disso, nos últimos quatro anos, mais de 687 mil reais em mumbuca foram entregues à população pelos programas sociais da prefeitura, projetos que se intensificaram para combater os efeitos da pandemia da Covid-19.

Crédito financeiro em mumbucas aparou população durante a pandemia da Covid-19. Foto divulgação

O Programa de Amparo ao Trabalhador (PAT) ofereceu a 20 mil trabalhadores cadastrados R$ 1.045 mensais até julho deste ano, passando para 600 mumbucas nos meses seguintes, período de efeitos menores da pandemia. O Programa de Trabalho ao Emprego (PAE) também concedeu R$ 1.045 por mês, direcionados a microempreendedores individuais (MEIs) e trabalhadores de micro e pequenas empresas.

A presidente do Banco Mumbuca, Manuela Mello, reforça a importância da Mumbuca para o desenvolvimento do município, estimulando o comércio local.

Além dos benefícios sociais pagos em mumbucas, o Banco Mumbuca (instituição que gerencia a Moeda Social) disponibiliza diversas linhas de crédito a grupos coletivos de maricaenses. O Mumbucred oferece crédito financeiro a juros zero a empreendedores formais e informais; o Casa Melhor direciona uma linha de crédito sem juros para reformas de moradias; e outras linhas de crédito foram criadas para auxiliar profissionais de diversas áreas.

“No dia da inauguração, o Banco Mumbuca tinha apenas 40 contas abertas. Cada conta recebia R$ 80,00, totalizando apenas R$ 3.200,00 consumidos no comércio local por mês. Passados oito anos, o Banco Mumbuca tem 65.376 contas abertas (em que 90% são de mulheres), e são realizadas 19 milhões de compras por mês nos comércios de Maricá através da moeda social, um marco’”, afirmou.

Beneficiada pelo PAT, Angela Oliveira mostra o impacto do crédito financeiro em mumbucas durante a pandemia da Covid-19.

“Sou cuidadora de idosos e fiquei desempregada ainda no início da pandemia. O PAT surgiu em um momento que realmente precisava, ajudando nas minhas compras do mês e no pagamento de contas essenciais, como a de luz. Hoje consegui outro trabalho, mas esse benefício foi essencial para manter toda a minha família”, ressaltou.

Beneficiários da moeda social terão gratuidade nas vans municipais

Banco Mumbuca tem 65.376 contas abertas. Foto divulgação

A Prefeitura de Maricá iniciou em novembro o processo de implantação do Mumbuca Transporte, programa que irá garantir a toda população viagens gratuitas nas vans municipais, por meio de cartões do sistema RioCard Mais. A previsão é que os os beneficiários do RBC façam parte dos primeiros cadastros do novo benefício e possam ter acesso ao cartão em 2022.

Mumbuca inspira a criação de outras moedas sociais e é destaque pelo mundo

Em outubro de 2021, foi lançada a moeda social de Cabo Frio, a Itajuru, inspirada no modelo de sucesso da Moeda Mumbuca. O município de Niterói, vizinho a Maricá, lançou a Moeda Social Arariboia neste mês, também tendo como referência a Mumbuca. A política adotada pelas cidades simboliza a integração para a melhoria das condições de diversas famílias.

Em 2017, a Moeda Social de Maricá foi destaque em publicações da revista britânica The Economist e da agência espanhola EFE (conteúdo publicado em 19 países de língua hispânica), da Agência France Presse – uma das maiores do mundo no setor, entre outros. 

Em 2021, a economia circular de Maricá e a experiência da cidade como única do país a pôr em prática o RBC – vide relatório do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA) – ganhou as páginas de O Globo, Correio da Manhã e Estado de São Paulo, com artigos assinados pelo prefeito Fabiano Horta. 

Artigos semelhantes foram publicados no jornal Meio Norte (Teresina – Piauí), Gazeta do Povo (Paraná) e jornal Folha de Boa Vista (Roraima).

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email