NOVEMBRO AZUL

Mais de 70 pessoas são vítimas de crimes raciais por mês no RJ

Nesta sexta-feira (20) é instituído o Dia da Consciência Negra. A Prensa de Babel traz dados sobre as vítimas de crimes raciais no RJ

O dia 20 de novembro é lembrado como o Dia da Consciência Negra. A data foi instituída pela Lei nº 12.519, de 10 de novembro de 2011, e faz referência à morte de Zumbi, líder do Quilombo dos Palmares. O feriado também é marcado pelas discussões sobre a desigualdade racial no Brasil.

O Instituto de Segurança Pública lançou, nesta quinta-feira (19/11), o Dossiê Crimes Raciais. O documento traz um balanço sobre os casos de crimes de injúria e preconceito que possuam motivação racial durante todo o ano de 2019.

Segundo dados do dossiê, durante todo o ano, foram registradas 1.706 vítimas de injúria por preconceito, injúria real e preconceito de raça e de cor apenas no estado do Rio de Janeiro. Destes casos, 844 sofreram discriminação por motivação racial, sendo 766 (90,8%). 

Quando analisadas as ofensas proferidas contra estas vítimas, o ISP aponta que dentre as 1.726 vítimas de discriminação racial, para 1.690 (97,9%) pessoas, as agressões tinham o objetivo de depreciação da raça negra.

O Código Penal descreve o crime de crime de injúria por preconceito como a “utilização de elementos referentes a raça, cor, etnia, religião, origem ou a condição de pessoa idosa ou portadora de deficiência” (Artigo 140, § 3º). Ao longo dos anos, algumas leis foram criadas com o intuito de combater o racismo e estes crimes raciais.

Imagem: ISP

“Temos que enfatizar que o racismo é um problema estrutural, não é simplesmente um desvio de caráter de uma pessoa que xinga a outra de macaco.A individualização do problema isenta as instituições de reverem suas práticas e ações. Temos que mexer na estrutura, nas instituições educacionais, legislativas, na maneira como o código penal opera, como o sistema de saúde atua e por aí, por isso a consciência negra, pra gente realmente tornar o Brasil, um território digno de vivência”, afirma o professor e ativista das causas raciais, Fábio Emecê.

O documento do ISP ainda mostra o percentual de vítimas de discriminação divido por sexo. 58,2% dos casos registrados no estado em 2019 são de mulheres vítimas deste tipo de crime.

Perfil das ofensas

Segundo a análise do Instituto de Segurança, com base nos relatos das dinâmicas das ocorrências, expressões como “macaca, macaco, negra, preto, preta, cabelo duro e crioulo” são as mais comuns.

A Prensa de Babel não apoia nenhum tipo de discriminação. O dossiê completo do ISP pode ser acessado por meio do link.

PRENSA 970X250 GOOGLE CONTEMPLADO INTERTEXTO BARRA
Comentários

Windows Lizenz Windows 10 Lizenz Office 2019 Lizenz Kaufen Office 365 kaufen Windows 10 Home kaufen Office 2016 kaufen windows 10 satın al