Família denuncia negligência médica em Rio das Ostras

“Eles mataram o meu marido, pai do meu filho de 1 ano e 10 meses. Mataram um pai de família, mataram sonhos”. É assim que Fabiana Moreira finaliza uma denúncia de negligência que envolve a Prefeitura de Rio das Ostras. O caso, na narração de Fabiana, começa com Erickson Moreira, 32 anos, percebendo que poderia estar infectado pelo coronavírus e buscando atendimento no Pronto Socorro da cidade do dia 3 de julho. Logo depois ele fez uma tomografia que constatou que a doença tinha comprometimento 30% dos pulmões.

De acordo a esposa, em uma narração à Rádio Energia, os médicos receitaram medicamentos para a COVID-19 e indicaram que o mesmo deveria voltar à unidade durante dois dias para tomar remédios via intravenosa.

Fabiana afirma que seguiram o recomendado e que o marido se sentia pior cada dia que passava. “Informávamos isso para eles, porém comentavam que era normal e mandavam voltar para casa”. Até que no dia 9 de julho, Erickson piorou e, assim, sentindo muita falta de ar, a esposa, com a ajuda de um amigo da família o levou novamente a unidade de saúde, onde permaneceu internado até o dia 11 de julho.

“No dia 9, por volta das 19h, tentei ligar para o regaste para que uma ambulância viesse socorrer meu marido, mas ninguém apareceu até 20h, quando um amigo chegou e me ajudou a levar ele. Esse amigo inclusive se contaminou com o vírus. Esse foi mais um ato de negligência”, explicou Fabiana Moreira.

A esposa relata ainda que durante todo o tempo em que Erickson esteve internado não pode receber visitas. Ela só recebia uma ligação rápida diariamente para informar o estado de saúde do marido que, segundo informações médicas, estava estável, apesar de permanecer na UTI.

No dia 11 de julho, nove dias após o início do tratamento para a COVID-19, médicos da unidade de saúde informaram à Fabiana por telefone que Erickson seria transferido para o Hospital Ary Parreiras, em Niterói, “mas que estava bem, que seria acompanhado por um médico e enfermeiros” e que a “ambulância era equipada”, segundo um dos áudios gravados de conversas mostrados por Fabiana.

De acordo com Kíssyla Andrade, advogada de Fabiana Andrade não foi explicado para a família porque Erickson teria sido transferido.

“Não informaram se o caso dele estava grave demais para a estrutura da cidade, se o hospital de Niterói era melhor equipado, não disseram o motivo da transferência”, comentou a advogada.

Em novo áudio, dessa vez com um médico não identificado do hospital Ary Parreiras, em Niterói, Fabiana é informada que o Erickson tinha chegado “no local com um nível de oxigênio em 40%”, valor considerado muito baixo, e “que por isso teria que ser entubado”.

O médico pergunta ainda, em áudio, “se ela teria sido informada do problema que houve no transporte” e que o marido de Fabiana teria chegado ao hospital “com a bala de oxigênio terminada”, ou seja, que o cilindro de oxigênio do paciente estava vazio. E que “houveram várias tentativas hospitalares para o caso não progredir para intubação, mas não houve sucesso. ” Erick foi sedado e estaria respirando por aparelhos.

O médico disse ainda que a base dos pulmões estaria bem comprometida pelo coronavírus e que a intubação “foi necessária pelo estado de sofrimento respiratório ele chegou no local”. Durante o áudio, Fabiana intervém e comenta que achava uma “falta de responsabilidade dos médicos riostrenses” que falaram que a ambulância era apropriada para o transporte. Nesse momento, o médico concorda com a afirmação de Fabiana.

A morte de Erickson Moreira foi declarada no dia 15 de julho, menos de 15 dias depois do primeiro diagnóstico.

Procedimentos judiciais

A Prensa conversou com a advogada da família, Kyssila Andrade, que comentou que em primeiro lugar, a família está interessada em conter os casos de negligência no município, em memória de Erickson.

“O município tem utilizado a COVID-19 como testa de ferro para muitas outras falhas na área da saúde. E por isso, queremos divulgar para que outras situações como essa não se repitam”, comentou a médica.

Apesar disso, a advogada, que é originária de Minas Gerais, onde costuma atuar juridicamente, comenta ainda não tomaram as medidas jurídicas cabíveis e estão “estudando o melhor aparelho jurídico para esse caso”.

“Vamos ver se entraremos com uma representação no Ministério Público ou uma ação contra o município. Mas nosso objetivo principal é divulgar o caso cessar os casos de negligência”, finalizou a advogada da família Kyssila Andrade.

O Município

A Assessoria de Imprensa da Prefeitura de Rio da Ostras foi procurada pela Prensa para se posicione em relação a questão, mas até o fechamento dessa reportagem não emitiu nenhuma nota. Caso a mesma responda aos questionamentos do veículo a matéria será atualizada.

PRENSA 970X250 GOOGLE CONTEMPLADO INTERTEXTO BARRA
Comentários

Windows Lizenz Windows 10 Lizenz Office 2019 Lizenz Kaufen Office 365 kaufen Windows 10 Home kaufen Office 2016 kaufen lisans satın al office 2019 satın al follower kaufen instagram follower kaufen porno