Menu

Cidades

Entrevista: Saiba tudo sobre o Congresso Internacional de Resíduos Sólidos que acontece em Búzios entre os dias 24 e 27 de outubro

Evento visa promover gestão sustentável de resíduos sólidos debatendo o tema com a sociedade
Alice Hagge, Gerente de Relações Institucionais da Masterplan.

A cidade de Búzios se tornará o cenário de um evento que busca um futuro mais sustentável. O CIRS Búzios – 1º Congresso Internacional de Resíduos Sólidos em Búzios, que acontecerá entre os dias 24 e 27 de outubro, terá como objetivo principal o aprimoramento da gestão de resíduos sólidos, promovendo não apenas a preservação ambiental, mas também a geração de empregos e renda, bem como a melhoria na qualidade de vida da população.

O CIRS Búzios é realizado pela Masterplan Engenharia Consultiva e Ambiental e conta com o apoio de diversas instituições, incluindo a Prefeitura de Búzios, Secretaria de Estado do Ambiente e Sustentabilidade, FAPERJ, UNESCO e Firjan. O congresso visa fomentar ações concretas nos próximos sete anos, alinhando-se aos Objetivos de Desenvolvimento Sustentáveis (ODS) da Agenda 2030 da ONU.

Para entender melhor os detalhes e objetivos do congresso, entrevistamos Alice Hagge, Gerente de Relações Institucionais da Masterplan.

Prensa de Babel: Pode nos contar mais sobre o 1º Congresso Internacional de Resíduos Sólidos (CIRS) e seu objetivo central?

Alice Hagge: O primeiro Congresso Internacional de Resíduos Sólidos em Búzios, o CIRS-Búzios, está sendo organizado com base em três macrotemas. Esses três macrotemas foram selecionados por um comitê técnico-científico formado por grandes personalidades da gestão de resíduos.

PB: Quais são os principais destaques e temas que serão abordados durante o congresso?

Alice Hagge: Em cada dia de conteúdo do Congresso, nós trataremos um desses macrotemas. E os três macrotemas que foram selecionados pelo Comitê Técnico Científico são:
Gestão de resíduos, propriamente dita. O primeiro dia de conteúdo do congresso, 25 de outubro, será dedicado à gestão de resíduos. Três mesas de discussão abordarão temas como a influência da Agenda 2030 nas relações comerciais, as metas brasileiras e do estado do Rio de Janeiro em relação aos resíduos para os próximos sete anos, e os Objetivos do d
Desenvolvimento Sustentável da ONU no que se às metas sobre resíduos. Além disso, haverá debates sobre sustentabilidade econômica do sistema de gestão de resíduos sólidos e a gestão local, com a participação de cooperativas de catadores, prefeitos e outros representantes que atuam nesse contexto.

No segundo dia de conteúdo, 26 de outubro, o foco estará na economia circular. Pela manhã, haverá uma mesa ampla com diversos palestrantes, discutindo oportunidades e desafios dessa nova forma de pensar a produção, o consumo e a gestão dos resíduos. Serão abordados temas como o design de embalagens, o papel da economia circular na cadeia de valor das embalagens e outros aspectos que compõem esse desafio de mudar a perspectiva sobre e economia. Durante a tarde, duas mesas tratarão de ações de engajamento já em funcionamento e perspectivas de regulamentação da logística reversa.

Inovação, Clima e Ambiente é o macrotema do último dia do congresso, 27 de outubro. Pela manhã, uma grande mesa abordará inovação e tecnologia na gestão de resíduos, apresentando cases relevantes e inovações que podem inspirar ações no Brasil e no mundo. Também serão discutidas inovações de processos para tornar a gestão de resíduos mais eficiente e eficaz, além da importância do monitoramento de indicadores. Na segunda mesa desse dia, o foco será no aproveitamento energético dos resíduos, uma oportunidade de auxiliar os municípios a alcançarem sustentabilidade econômico-financeira na gestão de resíduos, considerando a geração de energia a partir desses materiais.

PB: Terá um momento de apresentação dos trabalhos acadêmicos de estudantes e pesquisadores. Qual a importância da participação desse público?

Alice Hagge: Durante os três dias de conteúdo, nós teremos painéis apresentados por esses pesquisadores de acordo com o macrotema de cada dia. Então, teremos painéis sobre gestão, painéis sobre economia circular e painéis sobre inovação, clima e ambiente. Essa interação é fundamental para que a gente consiga realmente fazer alguma mudança na sociedade. A gente não pode mais se dar ao luxo de ter uma barreira entre a cidade e a universidade. Essas barreiras têm que ser derrotadas. A gente não pode mais ter barreiras entre a sociedade civil, a iniciativa privada e o poder público. Esse é um problema de todos. Então, nesse Congresso, estamos propondo justamente unir esforços, academia, sociedade civil, iniciativa privada e poder público, para discutirmos o que precisamos fazer nos próximos sete anos.

PB: Qual é a importância da conexão entre instituições públicas e privadas para lidar com os desafios dos resíduos sólidos, conforme destacado no evento?

Alice Hagge: Esse tema da economia circular é muito caro para a gente, porque realmente não tem como você falar em gestão de resíduos sem você repensar, por exemplo, a produção e os padrões de consumo. Os resíduos não se geram sozinhos. Precisamos que os produtos sejam elaborados de forma a pensar esse regresso do pós-consumo para as cadeias, porque se não temos uma série de produtos que vão para o mercado, mas que não conseguem ser reciclados, por exemplo. É aquela diferença que a gente costuma dizer entre reciclável e reciclado.

Muitas vezes, o material é reciclável, mas o produto é feito de uma forma que não há viabilidade financeira para reciclar aquele produto, seja porque ele é muito volumoso ou porque ele é uma mistura de vários materiais. Enfim, uma série de questões que a gente precisa pensar desde o início. E é essa mudança de paradigma que vai fazer com que a gestão realmente saia do papel e que mude a vida da sociedade. O nosso tempo está correndo, a gente hoje já fala da agenda 2030 com uma proximidade muito maior. Então, temos um deadline de 7 anos para fazermos as mudanças que estão propostas nos Objetivos do Desenvolvimento Sustentável. E como fazer isso? Precisamos discutir de uma forma mais ampla com diversos parceiros e é isso que buscamos com a realização do CIRS Búzios.

O CIRS Búzios promete ser um marco na busca por soluções sustentáveis para os resíduos sólidos, envolvendo atores dos setores público e privado, bem como a comunidade acadêmica. O evento se apresenta como uma oportunidade única para troca de conhecimento, experiências e ideias, com o objetivo de construir um futuro mais limpo e saudável para todos.

Para mais informações sobre o CIRS Búzios e como participar deste importante congresso, visite o site oficial do evento clicando aqui.

Entrevista: Saiba tudo sobre o Congresso Internacional de Resíduos Sólidos que acontece em Búzios entre os dias 24 e 27 de outubro

Evento visa promover gestão sustentável de resíduos sólidos debatendo o tema com a sociedade
Alice Hagge, Gerente de Relações Institucionais da Masterplan.

A cidade de Búzios se tornará o cenário de um evento que busca um futuro mais sustentável. O CIRS Búzios – 1º Congresso Internacional de Resíduos Sólidos em Búzios, que acontecerá entre os dias 24 e 27 de outubro, terá como objetivo principal o aprimoramento da gestão de resíduos sólidos, promovendo não apenas a preservação ambiental, mas também a geração de empregos e renda, bem como a melhoria na qualidade de vida da população.

O CIRS Búzios é realizado pela Masterplan Engenharia Consultiva e Ambiental e conta com o apoio de diversas instituições, incluindo a Prefeitura de Búzios, Secretaria de Estado do Ambiente e Sustentabilidade, FAPERJ, UNESCO e Firjan. O congresso visa fomentar ações concretas nos próximos sete anos, alinhando-se aos Objetivos de Desenvolvimento Sustentáveis (ODS) da Agenda 2030 da ONU.

Para entender melhor os detalhes e objetivos do congresso, entrevistamos Alice Hagge, Gerente de Relações Institucionais da Masterplan.

Prensa de Babel: Pode nos contar mais sobre o 1º Congresso Internacional de Resíduos Sólidos (CIRS) e seu objetivo central?

Alice Hagge: O primeiro Congresso Internacional de Resíduos Sólidos em Búzios, o CIRS-Búzios, está sendo organizado com base em três macrotemas. Esses três macrotemas foram selecionados por um comitê técnico-científico formado por grandes personalidades da gestão de resíduos.

PB: Quais são os principais destaques e temas que serão abordados durante o congresso?

Alice Hagge: Em cada dia de conteúdo do Congresso, nós trataremos um desses macrotemas. E os três macrotemas que foram selecionados pelo Comitê Técnico Científico são:
Gestão de resíduos, propriamente dita. O primeiro dia de conteúdo do congresso, 25 de outubro, será dedicado à gestão de resíduos. Três mesas de discussão abordarão temas como a influência da Agenda 2030 nas relações comerciais, as metas brasileiras e do estado do Rio de Janeiro em relação aos resíduos para os próximos sete anos, e os Objetivos do d
Desenvolvimento Sustentável da ONU no que se às metas sobre resíduos. Além disso, haverá debates sobre sustentabilidade econômica do sistema de gestão de resíduos sólidos e a gestão local, com a participação de cooperativas de catadores, prefeitos e outros representantes que atuam nesse contexto.

No segundo dia de conteúdo, 26 de outubro, o foco estará na economia circular. Pela manhã, haverá uma mesa ampla com diversos palestrantes, discutindo oportunidades e desafios dessa nova forma de pensar a produção, o consumo e a gestão dos resíduos. Serão abordados temas como o design de embalagens, o papel da economia circular na cadeia de valor das embalagens e outros aspectos que compõem esse desafio de mudar a perspectiva sobre e economia. Durante a tarde, duas mesas tratarão de ações de engajamento já em funcionamento e perspectivas de regulamentação da logística reversa.

Inovação, Clima e Ambiente é o macrotema do último dia do congresso, 27 de outubro. Pela manhã, uma grande mesa abordará inovação e tecnologia na gestão de resíduos, apresentando cases relevantes e inovações que podem inspirar ações no Brasil e no mundo. Também serão discutidas inovações de processos para tornar a gestão de resíduos mais eficiente e eficaz, além da importância do monitoramento de indicadores. Na segunda mesa desse dia, o foco será no aproveitamento energético dos resíduos, uma oportunidade de auxiliar os municípios a alcançarem sustentabilidade econômico-financeira na gestão de resíduos, considerando a geração de energia a partir desses materiais.

PB: Terá um momento de apresentação dos trabalhos acadêmicos de estudantes e pesquisadores. Qual a importância da participação desse público?

Alice Hagge: Durante os três dias de conteúdo, nós teremos painéis apresentados por esses pesquisadores de acordo com o macrotema de cada dia. Então, teremos painéis sobre gestão, painéis sobre economia circular e painéis sobre inovação, clima e ambiente. Essa interação é fundamental para que a gente consiga realmente fazer alguma mudança na sociedade. A gente não pode mais se dar ao luxo de ter uma barreira entre a cidade e a universidade. Essas barreiras têm que ser derrotadas. A gente não pode mais ter barreiras entre a sociedade civil, a iniciativa privada e o poder público. Esse é um problema de todos. Então, nesse Congresso, estamos propondo justamente unir esforços, academia, sociedade civil, iniciativa privada e poder público, para discutirmos o que precisamos fazer nos próximos sete anos.

PB: Qual é a importância da conexão entre instituições públicas e privadas para lidar com os desafios dos resíduos sólidos, conforme destacado no evento?

Alice Hagge: Esse tema da economia circular é muito caro para a gente, porque realmente não tem como você falar em gestão de resíduos sem você repensar, por exemplo, a produção e os padrões de consumo. Os resíduos não se geram sozinhos. Precisamos que os produtos sejam elaborados de forma a pensar esse regresso do pós-consumo para as cadeias, porque se não temos uma série de produtos que vão para o mercado, mas que não conseguem ser reciclados, por exemplo. É aquela diferença que a gente costuma dizer entre reciclável e reciclado.

Muitas vezes, o material é reciclável, mas o produto é feito de uma forma que não há viabilidade financeira para reciclar aquele produto, seja porque ele é muito volumoso ou porque ele é uma mistura de vários materiais. Enfim, uma série de questões que a gente precisa pensar desde o início. E é essa mudança de paradigma que vai fazer com que a gestão realmente saia do papel e que mude a vida da sociedade. O nosso tempo está correndo, a gente hoje já fala da agenda 2030 com uma proximidade muito maior. Então, temos um deadline de 7 anos para fazermos as mudanças que estão propostas nos Objetivos do Desenvolvimento Sustentável. E como fazer isso? Precisamos discutir de uma forma mais ampla com diversos parceiros e é isso que buscamos com a realização do CIRS Búzios.

O CIRS Búzios promete ser um marco na busca por soluções sustentáveis para os resíduos sólidos, envolvendo atores dos setores público e privado, bem como a comunidade acadêmica. O evento se apresenta como uma oportunidade única para troca de conhecimento, experiências e ideias, com o objetivo de construir um futuro mais limpo e saudável para todos.

Para mais informações sobre o CIRS Búzios e como participar deste importante congresso, visite o site oficial do evento clicando aqui.

NOTÍCIAS DE GRAÇA NO SEU CELULAR

A Prensa está sempre se adaptando às novas ferramentas de distribuição do conteúdo produzido pela nossa equipe de reportagem. Você pode receber nossas matérias através da comunidade criada nos canais de mensagens eletrônicas Whatsaap e Telegram. Basta clicar nos links e participar, é rápido e você fica por dentro do que rola na Região dos Lagos do Rio de Janeiro.

Faça parte da nossa comunidade no Whatsapp e Telegram:

Se você quer participar do nosso grupo, a gente vai te contar como vai ser agorinha mesmo. Se liga:

  • As nossas matérias chegam pra você a cada 1h, de segunda a sábado. Informações urgentes podem ser enviadas a qualquer momento.
  • Somente os administradores podem mandar os informes e realizar alterações no grupo. Além disso, estamos sempre monitorando quem são os participantes.
  • Caso tenha alguma dificuldade para acessar o link das matérias, basta adicionar o número (22) 99954-6926 na sua lista de contatos.

Nos ajude a crescer, siga nossas redes Sociais: Facebook, Instagram, Twitter e Tik Tok e Youtube

Veja Também

Bell Marques lança “100% Você”, empresa de suplementação

Portalmad Portas e Janelas investe em madeira sustentável

Lances para leilões on-line de bens de apartamentos decorados estão abertos

Piscinas devem ter uso consciente da água, diz especialista

Coluna da Angela

A reprodução parcial deste conteúdo por veículos de comunicação é permitida desde que contenha crédito à Prensa de Babel na abertura do
texto, bem como LINK para o site "www.prensadebabel.com.br"
A supressão da fonte pode implicar em medidas de acordo com a lei de direitos autorais.