Entrevista com o prefeito André Granado sobre o recolhimento de lixo em Búzios

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email

 

Victor Viana

3-buzios-igor-faria-440x264
Prefeito André Granado

Desde dezembro do ano passado, Búzios passou a enfrentar sérios problemas relacionados à falta de coleta de lixo no município, atingindo seu ponto mais crítico entre o final de dezembro e meado de janeiro, onde grandes quantidades de sacos de lixo podiam ser vistas por todos os cantos da cidade. Com o acumulo de lixo, automaticamente começaram outros problemas, além do mau cheiro e do risco de doenças, surgiram os ratos e baratas.  Uma situação calamitosa com certeza, mas ainda assim bem “menos pior”  que  a situação em que se encontrava outros município do estado, inclusive a vizinha Cabo Frio.

A população reagiu de forma questionável, em relação a resultados práticos, mas que se tornou comum em todo o mundo: com fotos e textos no Facebook. A comunicação da prefeitura, por sua vez, não devolveu respostas à altura do problema (é preciso ser dito), permanecendo em um silêncio desrespeitoso. Houve manifestações, algumas inteligentes como as do advogado Hamber Carvalho, que levou todo o lixo de sua rua no bairro José Gonçalves para a estrada “Búzios x Cabo Frio” onde o caminhão precisa passar em direção ao aterro sanitário de São Pedro da Aldeia. E também tiveram as manifestações não tão criativas, aquelas de se espalhar mais lixo pelas ruas e coisas do gênero.

Publicidade

A empresa responsável pela coleta do lixo (Selix) se manifestou: alegou que a s ruas estavam muito cheias devido o grande fluxo de turistas na cidade, tornando o trânsito impossível (nosso trânsito está realmente impossível, mas em minha opinião a empresa que dê seu jeito) e também que a produção de lixo quadriplicou no período (isso também é verdade, sejamos sinceros).

O prefeito André Granado, por sua vez, assumiu que os pagamentos a empresa estavam atrasados e lembrou que havia mais de 50% de inadimplência de IPTU, é certo que a conta não está fechando. Uma tentativa para ajudar a equalizar a situação do lixo se deu com a proposta enviada pelo Executivo à Câmara de Vereadores, e que foi aprovada em 1º turno, estabelecendo um aumento significativo no valor da taxa para grandes produtores de lixo; hotéis e supermercados, por exemplo. A lógica seria: se produzem mais lixo precisam pagar uma taxa à altura de sua produção. No entanto, mais uma vez a informação oficial não conseguiu explicar isso para a população, foram todos convencidos de que a taxa era para o cidadão comum. Houve protestos e daí em diante a proposta não andou mais e foi pra gaveta.

Nas duas últimas semanas, mesmo ainda não sendo satisfatória, é notória a melhora no recolhimento, em especial do inicio desta primeira semana de fevereiro. A questão do lixo é um problema mundial e Búzios terá de enfrentar o problema de frente: o Poder Público e a população. É certo que a população terá de mudar hábitos, no entanto a administração pública precisará ao menos melhorar seu canal de comunicação com aqueles a quem serve: o povo.

Essas e outras questões relacionadas ao lixo estão na entrevista concedida pelo prefeito André Granado. Confira.

Uma das principais reclamações é de que a o contingente de caminhões para o recolhimento não é suficiente. O que o senhor teria a dizer?

A Prefeitura de Búzios colocou mais dois caminhões para intensificar o trabalho, eram cinco e com esses são sete, para fazer o recolhimento do lixo.

Alguma outra medida que acredite que vá dar uma alavancada nesse processo de resolução do recolhimento de lixo?

Paralelo a isso a empresa Selix trocou o supervisor, outra pessoa agora cuidará da coordenação da coleta visando a regularização.

O senhor me disse, para outra matéria que eu estava fazendo, logo no inicio das discussões sobre esse problema do lixo, que realmente estava atrasado o pagamento da empresa e que havia um déficit muito grande na arrecadação do município. Esse problema ainda ronda a Cidade, da falta de dinheiro?

Em dezembro e em janeiro a prefeitura pagou 2 milhões e 200 mil reais de coleta e  ainda 500 mil ao aterro sanitário em São Pedro da Aldeia. O pagamento é feito por cada caminhão que entra lá. Uma fortuna.  São 59% de inadimplência em IPTU, e a queda vertiginosa da arrecadação dos royalties, é bem simples perceber o problema.

Há outras medidas que estão sendo tomadas para equilibrar essa baixa na arrecadação?

Em dezembro do ano passado enviei para a Câmara de Vereadores a proposta da alteração da coleta de lixo estabelecendo um aumento significativo no valor da taxa para os grandes produtores de lixo.  Alguns hotéis chegam a produzir cerca de 10 toneladas de lixo por mês, e pagam um valor bem aquém do tamanho dessa produção. Ou seja, o contribuinte comum paga pelos empresários. Se eles produzem mais lixo, eles têm que pagar uma taxa maior ou terceirizar o recolhimento, é a colaboração deles com a sociedade nesse momento de crise. Mas também estamos intensificando a fiscalização a veículos de turismo que não estejam em dia com suas obrigações fiscais, há uma proposta de cobrança mínima pelo uso do banheiro público, são alguns exemplos.  O banheiro gera um custo alto para o município: e vasos sanitários e espelhos são quebrados, torneiras roubadas.  Quem tá pagando isso é o contribuinte, podemos cobrar um valor pequeno para que o turista e o visitante possam colaborar com a Cidade, concedendo, é claro, o uso gratuito à população carente, aos idosos acima de 60 anos e às crianças de até 10 anos.

Então acredita que, mesmo com esses desafios, conseguirá resolver essa questão do lixo?

Sim. Aos poucos a questão do lixo será resolvida. Já estamos avançando. Em janeiro começamos retirando o acesso acumulado, e agora já estamos normalizando o recolhimento.  Mas precisamos também que a população faça a sua parte, uma delas é não colocar o lixo na rua logo após o caminhão de lixo passar.  O caminhão passa sempre pela manhã, não adianta deixar à tarde.

Mas muitas pessoas reclamam que em seus bairros a coleta não é diária como no centro.  É compreensivo que, diante das dificuldades econômicas, a coleta seja em dias alternados. Mas é preciso que se divulgue um cronograma dos dias de cada bairro, não acha?

Sim.  Estamos estudando junto com a empresa uma melhor estratégia e em breve divulgaremos esse cronograma.

A empresa que coleta o lixo chegou a emitir nota reclamando da grande quantidade de gente na cidade no período das férias escolares e festividades de fim de ano. Esse é um problema que acho que não se resolve fácil, porque estamos recebendo cada vez mais gente de forma desordenada e nosso sistema de mobilidade urbana ainda não está favorável pra melhorar nosso trânsito (agora temos engarrafamento o ano todo). O que se dizer sobre isso?

Olha, a quantidade de lixo que a cidade produz é cada vez maior – a praia, por exemplo, produz um lixo absurdo. No último final de semana o caminhão de lixo saiu da Praia da Ferradura carregado de cascas de coco. Muito pesado e sem possibilidade de colocar nenhum outro tipo de lixo. E a verdade tem de ser dito, o comércio da venda de água de coco gera uma receita muito pequena pro município diante do gasto que temos pra recolher o que sobra desse comércio. Temos que rever isso, e tantas outras coisas relacionadas ao lixo.  É um poço sem fundo.

Prefeito, não há nenhuma proposta ou projeto que preveja um processo de coleta seletiva?  Reciclagem? Esse negócio de juntar lixo e levar pra longe é caro pro município e degrada o ambiente que precisamos, nós em especial por sermos cidade turística, para vivermos, não se sustenta mais, não é verdade?

Nessa proposta da alteração da taxa de coleta de lixo para grandes produtores  previa  aumento pra eles, mas também previa abatimento de 60% se implantassem a coleta seletiva, assumindo a separação e a destinação do lixo reciclável. Sobre isso ninguém falou. O mesmo pode ser adaptado ao lixo doméstico.

Verifique no link abaixo todas as matérias que publicamos relacionadas ao problema do LIXO 

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email

Últimas Notícias

MEIO AMBIENTE

Gustavo Schmidt fala sobre o trabalho desenvolvido pela Comissão de Meio Ambiente da Alerj e aponta futuro de Búzios e região

RIO UNA

“Búzios: paraíso sob ameaça” é tema de audiência pública na Câmara Municipal

DEBATE NA BAND

“Você é culpado ou incompetente?”, questiona Freixo a Claudio Castro durante debate na Band

MULTIVACINAÇÃO

Maricá, Cabo Frio e Rio das Ostras iniciam Campanha de Multivacinação nesta segunda-feira (8)

APOIO FEMININO

Aquiles Barreto reúne centenas de mulheres para discutir políticas públicas em Cabo Frio

MEMÓRIA AFETIVA

8ª edição do Festival Sabores de Cabo Frio terá como tema “Receitas com boas lembranças”