NOVEMBRO AZUL

Catástrofe social no Rio de Janeiro

Em 2013, o congresso nacional aprovou uma lei que retira do Rio de Janeiro grande parte dos royalties e participações especiais recebida pelo estado. O governo do estado, na época, conseguiu uma liminar no Supremo e essa lei não entrou em vigor.

O atual presidente do Supremo colocou essa lei em pauta para votação no próximo dia 3 de dezembro. Se a lei passar a vigorar nos termos em que foi votada no congresso, o Rio de Janeiro perde, até 2025, cerca de R$ 57 bilhões de receita e simplesmente quebra.

Até que se compreenda e se encontre uma solução para esse problema social, é fundamental adiar a votação dessa lei.

Um aspecto fundamental é que o problema do Rio de Janeiro é principalmente de receita e não de gastos e corrupção (que também existem e devem ser enfrentados).

Apesar do estado ter o 2º PIB e o 3º PIB per capita, entre as unidades federativas, está apenas na 17ª posição em termos de receita pública estadual.

Isto deriva principalmente de três pontos:
1) a economia do estado do Rio de Janeiro desde os anos 1970, é a unidade da federação que menos cresce, por isso possui pouca base para arrecadação de impostos.
2) o Rio não pode cobrar ICMS sobre a extração do petróleo, pois, ao contrário de todos os demais produtos, o petróleo é taxado onde ocorre o consumo e não onde ocorre a produção.
3) existe uma injustiça federativa com o Rio. Em 2019, o governo federal arrecadou no estado do Rio, de acordo com dados do Ministério da Economia, cerca de R$ 174 bilhões e retornou para o estado e seus municípios cerca de R$ 36 bilhões.

É razoável tirar recursos fiscais de um estado que está apenas na 17ª posição em termos de receita pública por habitante?

Além disso, a questão se agrava levando-se em conta que, nos últimos anos, a crise no estado do Rio de Janeiro é muito mais profunda do que no restante do país. Evidência disso, entre janeiro de 2017 e agosto de 2020, enquanto o emprego com carteira assinada no país cresceu 1,3%, no estado do Rio de Janeiro ocorreu uma queda de 9,5%, com perda de 324.770 empregos com carteira assinada, de acordo com dados do Caged/Ministério da Economia. Desde janeiro de 2017, o estado do Rio de Janeiro foi, de longe, a unidade da federação que mais perdeu empregos com carteira assinada, tanto em números absolutos quanto em termos percentuais.

Outro ponto que precisa ser considerado é o fato de que a lei orçamentária de 2020 já prevê, com os recursos atuais de royalties, um déficit de cerca de R$ 20 bilhões para o estado do Rio de Janeiro.

Catástrofe social à vista.

Mauro Osorio economista e professor da UFRJ

PRENSA 970X250 GOOGLE CONTEMPLADO INTERTEXTO BARRA
Comentários

Windows Lizenz Windows 10 Lizenz Office 2019 Lizenz Kaufen Office 365 kaufen Windows 10 Home kaufen Office 2016 kaufen windows 10 satın al windows 10 pro satın al