As Ruas Cobram – texto de final de ano

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email

 

16361162Por Fábio Emecê

Luiz Carlos Ruas, vulgo Índio, foi espancado até a morte por dois Carecas – extrema direita de São Paulo, no Metrô, em horário de movimento, por defender um transexual de ser espancado até a morte.

O Metrô tem transeuntes, seguranças e Ruas foi assassinado sem intervenção de ninguém, aliás, a intervenção foi dele em impedir uma outra pessoa de ser morta. Os assassinos, réus confessos, que a mídia tradicional insiste em dizer que são suspeitos, alegam arrependimento e diante de tudo que aponta o caso, queria enumerar algumas coisas.

 

1-Ruas era preto, que defende a mana trans de um grupo de fascistas, com histórico conhecido e combatido, pelo menos nas ruas, pelo punks e anarquistas, numa guerra silenciosa. Os Carecas espancam pretos, trans, gays e mulheres faz tempo em São Paulo e ninguém faz nada de fato, fora a resistência punk e anarco.

 

2-Ruas morre na frente de pessoas, com poder de intervenção, até porque ele interveio primeiro para que outro não morresse. O grau de omissão e apatia, além da inoperância da segurança do metrô que só age se alguém pular a catraca, mostra que as comoções e heroísmos estão bem condicionados a determinado grupo social.

 

3-Ruas fez na prática o que as teorias e os slogans de movimentos institucionais vociferam por aí. Você que diz que a vida do preto, da trans, do gay, da mulher vale a pena, morreria pelos mesmos? Você que faz parte de alguma fileira desses movimentos, morreria pelo seu par? Ruas morreu e era apenas um ambulante.

 

Tenho dúvidas sinceras que racistas, fascistas, xenófobos, homofóbicos, misóginos e psicopatas vão mudar seus comportamentos, só que para além disso, existem aqueles que lutam, aqueles que se omitem e aqueles que dizem que lutam, mas, na prática, na hora da cobrança, vacilam.

Ruas, vulgo Índio, não vacilou. Alguém que você nunca ouviu falar, alguém que não empunhou nenhum discurso durante o ano, alguém que não lacrou. Um preto, ambulante, alguém que conhecia a dinâmica da rua, da vida Real.

 

Pra mim foi um gesto, um sinal bem nítido que além de qualquer teoria, se não se tiver atitude, nada vai mudar e é por todo meio necessário. Até a vida. Índio poderá ser considerado por alguns, herói, por outros maluco e maioria vai ignorar.

 

Só que os Ruas lutam e os racistas, fascistas, xenófobos, homofóbicos, misóginos e psicopatas estão por aí, convivendo conosco e nos detonando. Qual vai ser a sua ação?

 

Índio no apagar das luzes nos ensina o quanto estamos moles em não assumir nossa responsa. As ruas do Ruas mostram quem é quem e como mostram…

 

 

 

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email

Últimas Notícias

FESTA RELIGIOSA

Tamoios, em Cabo Frio, comemora o dia de São Pedro e São Paulo com festa religiosa, atrações e quadrilha junina

É TETRA

Filipe Toledo é tetracampeão no Rio Pro, em Saquarema

SAÚDE EM PAUTA

Prefeitos da Região dos Lagos participam do Primeiro Fórum dos Consórcios de Saúde do Estado do Rio de Janeiro 

RESGATE DA HISTÓRIA

Espaço Cultural Zanine abre exposição “Heróis do Mar”

RECONHECIMENTO

Psiquiatra Nise da Silveira pode entrar para livro de heróis e heroínas do estado do Rio

Macaé abre inscrição para instituições que desejam participar do desfile cívico