Menu

Cidades

A arte under da região dos lagos parte II

15555280_10211221737997056_2106189425_o

Por Fábio Emecê

 

Continuando a empreitada, porque é pra continuar, vamos apresentar alguns artistas que persistem no subterrâneo e com o vislumbre da luz, alguma coisa interessante é revelada, desvelada. Até porque a proposta dessa bagaça é fazer isso mesmo.

 

O artista da vez é Rapha Ferreira, nascido Raphael Vinicius Ferreira, parido por Maria José Ferreira.  Rapha é natural de Cabo Frio – RJ e começou a desenvolver sua arte na infância, entre as paredes da Igreja, Metodista, no caso. É um dado interessante, por conta da igreja ser um celeiro de desenvolvimento artístico regional, mesmo que muitos artistas não sigam a doutrina religiosa em sua vida.

 

De desenhos mórbidos nas reuniões cristãs, se descobre enquanto pintor quando é colocado em contato com o artista plástico Reinaldo Caó. Consegue desenvolver algo durante um período e pára durante 10 anos. Volta a praticar depois do falecimento de sua mãe, sendo como ele diz: “Um escape reflexivo.”

 

Seu material básico pra se fazer os desenhos são a tinta acrílica, nanquim, giz de cera pastel oleoso, canetas esferográficas, guache e o que tiver disponível no momento. Ele experimenta, diante de uma identidade marcada e acredita que além da técnica, deva se ter a reflexão física e mental aplicada sobre a obra. A arte é uma extensão do artista, não apenas um momento contemplativo ou mero jogo de egos para se ter uma fama.

 

Minimizar, diminuir fronteiras é algo bom de se querer, certo? Independente de sua resposta, o Rapha tá sempre nessa busca e tem uma visão realista daquilo que faz: “A arte não vai mudar o mundo, não trará paz a ele, e tão pouco vangloriarão a obra que não esteja em ascensão.” Reflexões políticas, relações humanas e intimidades. Podemos resumir a pretensão de Rapha Ferreira.

 

Considera a arte regional como um conjunto de esforços individuais e coletivos, mais pautada por amor e dedicação do que um investimento qualificado do poder público. A população não liga e o poder público tampouco, sem contar a tentativa de atrelamento de determinados nichos ao direcionamento total da arte, seus espaços e recepção.

“Vejo uma apropriação da arte local uma instrumentalização através de poderes políticos, uma nova forma de modelo artístico, a região parece ter perdido suas pernas. Mas não me acho na competência de argumentar sobre, mas é necessário que pensemos: é necessário a arte, a reflexão que ela proporciona? E infelizmente não vamos poder dar saltos de alegrias enquanto a arte ainda for restrita. A oportunidade para o artista é essencial para a construção de novos indivíduos, para formação e consistência do pensamento popular.”

Por fim, a defesa da arte como conhecimento pessoal é o que faz o Rapha Ferreira produzir e se existir alguma utopia, um el dorado capaz de condensar o mar de sentidos, sentimentos e efeitos produzidos, podemos dizer, pautado nele, que é lógica é “falar por aqueles que foram silenciados.”

Queremos ir além e podemos ir além, mesmo sem ninguém prestar atenção na gente. Do subterrâneo, resistimos!

Abaixo segue mais desenhos do Rapha e na próxima parte, mais um artista e suas visões sendo amplificadas. Vamo que vamo que a porrada é na moleira.

(Desenhos do Rapha na galeria)

https://prensadebabel.com.br/index.php/2016/12/07/arte-under-da-regiao-dos-lagos-parte-i/

A arte under da região dos lagos parte II

15555280_10211221737997056_2106189425_o

Por Fábio Emecê

 

Continuando a empreitada, porque é pra continuar, vamos apresentar alguns artistas que persistem no subterrâneo e com o vislumbre da luz, alguma coisa interessante é revelada, desvelada. Até porque a proposta dessa bagaça é fazer isso mesmo.

 

O artista da vez é Rapha Ferreira, nascido Raphael Vinicius Ferreira, parido por Maria José Ferreira.  Rapha é natural de Cabo Frio – RJ e começou a desenvolver sua arte na infância, entre as paredes da Igreja, Metodista, no caso. É um dado interessante, por conta da igreja ser um celeiro de desenvolvimento artístico regional, mesmo que muitos artistas não sigam a doutrina religiosa em sua vida.

 

De desenhos mórbidos nas reuniões cristãs, se descobre enquanto pintor quando é colocado em contato com o artista plástico Reinaldo Caó. Consegue desenvolver algo durante um período e pára durante 10 anos. Volta a praticar depois do falecimento de sua mãe, sendo como ele diz: “Um escape reflexivo.”

 

Seu material básico pra se fazer os desenhos são a tinta acrílica, nanquim, giz de cera pastel oleoso, canetas esferográficas, guache e o que tiver disponível no momento. Ele experimenta, diante de uma identidade marcada e acredita que além da técnica, deva se ter a reflexão física e mental aplicada sobre a obra. A arte é uma extensão do artista, não apenas um momento contemplativo ou mero jogo de egos para se ter uma fama.

 

Minimizar, diminuir fronteiras é algo bom de se querer, certo? Independente de sua resposta, o Rapha tá sempre nessa busca e tem uma visão realista daquilo que faz: “A arte não vai mudar o mundo, não trará paz a ele, e tão pouco vangloriarão a obra que não esteja em ascensão.” Reflexões políticas, relações humanas e intimidades. Podemos resumir a pretensão de Rapha Ferreira.

 

Considera a arte regional como um conjunto de esforços individuais e coletivos, mais pautada por amor e dedicação do que um investimento qualificado do poder público. A população não liga e o poder público tampouco, sem contar a tentativa de atrelamento de determinados nichos ao direcionamento total da arte, seus espaços e recepção.

“Vejo uma apropriação da arte local uma instrumentalização através de poderes políticos, uma nova forma de modelo artístico, a região parece ter perdido suas pernas. Mas não me acho na competência de argumentar sobre, mas é necessário que pensemos: é necessário a arte, a reflexão que ela proporciona? E infelizmente não vamos poder dar saltos de alegrias enquanto a arte ainda for restrita. A oportunidade para o artista é essencial para a construção de novos indivíduos, para formação e consistência do pensamento popular.”

Por fim, a defesa da arte como conhecimento pessoal é o que faz o Rapha Ferreira produzir e se existir alguma utopia, um el dorado capaz de condensar o mar de sentidos, sentimentos e efeitos produzidos, podemos dizer, pautado nele, que é lógica é “falar por aqueles que foram silenciados.”

Queremos ir além e podemos ir além, mesmo sem ninguém prestar atenção na gente. Do subterrâneo, resistimos!

Abaixo segue mais desenhos do Rapha e na próxima parte, mais um artista e suas visões sendo amplificadas. Vamo que vamo que a porrada é na moleira.

(Desenhos do Rapha na galeria)

https://prensadebabel.com.br/index.php/2016/12/07/arte-under-da-regiao-dos-lagos-parte-i/

NOTÍCIAS DE GRAÇA NO SEU CELULAR

A Prensa está sempre se adaptando às novas ferramentas de distribuição do conteúdo produzido pela nossa equipe de reportagem. Você pode receber nossas matérias através da comunidade criada nos canais de mensagens eletrônicas Whatsaap e Telegram. Basta clicar nos links e participar, é rápido e você fica por dentro do que rola na Região dos Lagos do Rio de Janeiro.

Faça parte da nossa comunidade no Whatsapp e Telegram:

Se você quer participar do nosso grupo, a gente vai te contar como vai ser agorinha mesmo. Se liga:

  • As nossas matérias chegam pra você a cada 1h, de segunda a sábado. Informações urgentes podem ser enviadas a qualquer momento.
  • Somente os administradores podem mandar os informes e realizar alterações no grupo. Além disso, estamos sempre monitorando quem são os participantes.
  • Caso tenha alguma dificuldade para acessar o link das matérias, basta adicionar o número (22) 99954-6926 na sua lista de contatos.

Nos ajude a crescer, siga nossas redes Sociais: Facebook, Instagram, Twitter e Tik Tok e Youtube

Veja Também

BYD Introduz Novo Portfólio de Energia no The smarter E Europe e Comemora 1 Milhão de Sistemas Batterybox Instalados

Empresa explica sobre como evitar a queda de tensão

Nova UTI pediátrica eleva o padrão de atendimento do ICIA

Plataforma gratuita e digital conecta empresas e refugiados a ofertas de emprego

Coluna da Angela

A reprodução parcial deste conteúdo por veículos de comunicação é permitida desde que contenha crédito à Prensa de Babel na abertura do
texto, bem como LINK para o site "www.prensadebabel.com.br"
A supressão da fonte pode implicar em medidas de acordo com a lei de direitos autorais.