Menu

Cidades

Tudo parado de ponta a ponta – Búzios quer ciclovia e calçadas

5b0a8856-c74e-4a20-8956-d4e59ed887ad

Por Sandro Peixoto

 

a2de37c8-4d8f-42ae-98bc-887c2be1c24c
Ponto em João Fernandes lotado

 

Mais um dia de caos no transito da cidade. Desde cedo o fluxo apresentava problemas. Principalmente na Avenida Bento Ribeiro Dantas, que por incrível que pareça começa naquele trevo da Rodovia Amaral Peixoto – próximo do Posto até que o fim de Búzios, e só acaba na Praça dos Ossos. Desde o último dia de 2016 o transito está parado. Mas é a tarde, quando a maioria dos turistas deixam as praias da ponta de península para voltar para casa que a coisa complica. Um amigo levou 3 horas para sair do Centro e chegar a Geribá, aonde reside. Uma hora foi consumida entre a entrada da praia do Forno e a entrada da Tartaruga.

 

 

 

 

O caos em direção ao continente é compreensível afinal muita gente se hospeda em Manguinhos, Geribá e adjacências. Isso sem falar naquelas pessoas que ficam em casas e pousadas nas cidades vizinhas (por ter hospedagem mais barata) e resolvem curtir o dia em nossa cidade. Mas nada explica o transito em direção contrária. Quem estava chegando para trabalhar no centro sofreou tanto quanto quem estava saindo da cidade. E não adianta abrir novas rotas. Mais ruas e mais avenidas sempre foram sinônimo de engarrafamentos.

 

Com o confusão instaurada, muita gente desceu do carro e seguiu a pé e outros mais afoitos entravam por qualquer rua que lhe parecesse livre. Mesmo sendo contramão. Um desses motoristas, com um adesivo colado no carro onde se livra “sou contra a corrupção” revelou que pegou varias “contramão” para não ficar preso no trânsito. Até calçada subiu, revelou sem nem perceber o quão errado foi o que confessou.

O Brasil tem hoje quase 40 milhões de carros leves de passeio em circulação. O que dá um carro para pouco mais de 5 pessoas. As ruas de Búzios (principalmente a avenida que corta a cidade do continente a ponta da península) sempre serão as mesmas. Pouco mudará. Só existe uma saída para o caos e ela foi definida nas inúmeras discussões do Plano Diretor. A cidade primeiro para os transeuntes, depois para os ciclistas, em seguida para o transporte público e por fim, para o automóvel.

Não sei como faremos isso, mas tenho certeza que não existe outra saída pratica para o problema.

Tudo parado de ponta a ponta – Búzios quer ciclovia e calçadas

5b0a8856-c74e-4a20-8956-d4e59ed887ad

Por Sandro Peixoto

 

a2de37c8-4d8f-42ae-98bc-887c2be1c24c
Ponto em João Fernandes lotado

 

Mais um dia de caos no transito da cidade. Desde cedo o fluxo apresentava problemas. Principalmente na Avenida Bento Ribeiro Dantas, que por incrível que pareça começa naquele trevo da Rodovia Amaral Peixoto – próximo do Posto até que o fim de Búzios, e só acaba na Praça dos Ossos. Desde o último dia de 2016 o transito está parado. Mas é a tarde, quando a maioria dos turistas deixam as praias da ponta de península para voltar para casa que a coisa complica. Um amigo levou 3 horas para sair do Centro e chegar a Geribá, aonde reside. Uma hora foi consumida entre a entrada da praia do Forno e a entrada da Tartaruga.

 

 

 

 

O caos em direção ao continente é compreensível afinal muita gente se hospeda em Manguinhos, Geribá e adjacências. Isso sem falar naquelas pessoas que ficam em casas e pousadas nas cidades vizinhas (por ter hospedagem mais barata) e resolvem curtir o dia em nossa cidade. Mas nada explica o transito em direção contrária. Quem estava chegando para trabalhar no centro sofreou tanto quanto quem estava saindo da cidade. E não adianta abrir novas rotas. Mais ruas e mais avenidas sempre foram sinônimo de engarrafamentos.

 

Com o confusão instaurada, muita gente desceu do carro e seguiu a pé e outros mais afoitos entravam por qualquer rua que lhe parecesse livre. Mesmo sendo contramão. Um desses motoristas, com um adesivo colado no carro onde se livra “sou contra a corrupção” revelou que pegou varias “contramão” para não ficar preso no trânsito. Até calçada subiu, revelou sem nem perceber o quão errado foi o que confessou.

O Brasil tem hoje quase 40 milhões de carros leves de passeio em circulação. O que dá um carro para pouco mais de 5 pessoas. As ruas de Búzios (principalmente a avenida que corta a cidade do continente a ponta da península) sempre serão as mesmas. Pouco mudará. Só existe uma saída para o caos e ela foi definida nas inúmeras discussões do Plano Diretor. A cidade primeiro para os transeuntes, depois para os ciclistas, em seguida para o transporte público e por fim, para o automóvel.

Não sei como faremos isso, mas tenho certeza que não existe outra saída pratica para o problema.

NOTÍCIAS DE GRAÇA NO SEU CELULAR

A Prensa está sempre se adaptando às novas ferramentas de distribuição do conteúdo produzido pela nossa equipe de reportagem. Você pode receber nossas matérias através da comunidade criada nos canais de mensagens eletrônicas Whatsaap e Telegram. Basta clicar nos links e participar, é rápido e você fica por dentro do que rola na Região dos Lagos do Rio de Janeiro.

Faça parte da nossa comunidade no Whatsapp e Telegram:

Se você quer participar do nosso grupo, a gente vai te contar como vai ser agorinha mesmo. Se liga:

  • As nossas matérias chegam pra você a cada 1h, de segunda a sábado. Informações urgentes podem ser enviadas a qualquer momento.
  • Somente os administradores podem mandar os informes e realizar alterações no grupo. Além disso, estamos sempre monitorando quem são os participantes.
  • Caso tenha alguma dificuldade para acessar o link das matérias, basta adicionar o número (22) 99954-6926 na sua lista de contatos.

Nos ajude a crescer, siga nossas redes Sociais: Facebook, Instagram, Twitter e Tik Tok e Youtube

Veja Também

ONC Care da Hill’s traz nutrição de apoio para pets em tratamento oncológico

Projetos de pesquisa do câncer recebem prêmio internacional

São Paulo sedia Campeonato Brasileiro de Remo Master

Especialista alerta sobre novo golpe dos precatórios

Coluna da Angela

A reprodução parcial deste conteúdo por veículos de comunicação é permitida desde que contenha crédito à Prensa de Babel na abertura do
texto, bem como LINK para o site "www.prensadebabel.com.br"
A supressão da fonte pode implicar em medidas de acordo com a lei de direitos autorais.