OPINIÃO: Desmistificando a entrega voluntária para adoção

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email

A entrega voluntária para a adoção ou entrega legal para a adoção é um instituto, previsto nos art.13§1º e art.19-A do Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA  ). Trata-se, portanto, de um instituto jurídico que resguarda a vida e a integridade física e psicológica da criança, uma vez que afasta a possibilidade de aborto, de abandono e de adoção irregular.

Dessa forma, gestantes ou puérperas que manifestem interesse em entregar seus filhos para adoção serão obrigatoriamente encaminhadas, sem constrangimento, à Justiça da Infância e da Juventude. A omissão no encaminhamento, por parte de pessoa que integra a rede de proteção, constitui infração administrativa, podendo ser aplicada multa de R$1.000,00 (mil reais) a R$3.000,00 (três mil reais) ao infrator, conforme estabelece o art. 258-B do ECA.

A rede de proteção é formada por hospitais, profissionais de saúde; Creas; conselhos tutelares; qualquer funcionário de programa oficial ou comunitário destinado à garantia do direito à convivência familiar; dentre outros, que não encaminhe imediatamente mãe ou gestante interessada em entregar seu filho para a adoção.

Veda-se a qualquer um que atue na rede de proteção: que faça questionamentos sobre decisão da mãe ou gestante, ou, insista para que a mesma fique com a criança, isto é, desista da entrega.

A entrega legal é diferente do abandono de bebês, que é crime, conforme art. 134 do Código Penal.

A lei resguarda o sigilo quanto à entrega, que é formalizada em procedimento sigiloso, acessível somente ao juiz e ao membro do Ministério Público (MP) que atuam na Vara da Infância e da Juventude, bem como ao advogado da mãe ou defensor público (art. 166, §3º, do ECA). Além disso, também garante a mãe o sigilo sobre o nascimento, tendo a genitora o direito de não o comunicar a seus familiares, assim como também tem o direito de não dizer quem é o pai da criança.(Art.19-A, §§4º e 9º e art. 166,§3º do ECA).

Assim que a genitora ou gestante procura a Vara de Infância e Juventude e manifesta o desejo de entregar seu bebê para adoção, instaura-se um procedimento judicial que tem como primeiro ato o atendimento dessa mulher pela equipe técnica do juízo em questão, que encaminhará um relatório de atendimento a ser encaminhado ao magistrado (art. 19-A, §1º, do ECA e art. 166,§2º,ECA).

A equipe técnica deverá perquirir todos os motivos que levaram a mãe ou gestante a decidir pela entrega voluntária da criança para adoção; se a genitora não está em estado puerperal; se a mesma tem ciência das consequências do ato; e ainda se a mesma tem ciência de que tal ato é irrevogável.

Constatado que a decisão da genitora de entregar o bebê para a adoção é manifestada de forma refletida e consciente é dado prosseguimento ao procedimento. Caso tenha informado quem é o pai da criança, este também é atendido pela equipe multidisciplinar a fim de saber se o mesmo está de acordo com a entrega voluntária e, em caso contrário deve-se verificar se tem interesse e condições de exercer o poder familiar e assumir a guarda da criança.

O magistrado da Vara de Infância e Juventude analisará o relatório da equipe multidisciplinar e deverá marcar uma audiência, na qual a mãe será ouvida, na presença de membros do Ministério Público e de seu advogado ou defensor público (art. 19-A, §5º, do ECA). Sendo conhecido o endereço do pai do bebê, este também será ouvido em audiência, em que será garantida a livre manifestação da mãe – e do genitor, se conhecido. Além disso, a inquirição abordará apenas o efetivo interesse na entrega voluntária (art. 166,§1º, I, e §3º, ambos do ECA).

Na hipótese do genitor não concordar com a entrega voluntária para adoção, verifica-se se ele tem vontade e condições de assumir a guarda da criança. Demonstrado que ele pode oferecer ambiente propício ao pleno desenvolvimento do infante, a criança será entregue ao genitor. Pode-se desistir da entrega voluntária do infante para adoção até a data da audiência (art. 166, §5º, do ECA), devendo-se procurar a equipe multidisciplinar da Comarca para informar o fato ou manifestar a desistência em audiência perante o juiz. Nessa hipótese, a criança será restituída aos pais e o caso será acompanhado pela Vara da Infância e da Juventude por 180 dias, conforme o §8º do art. 19-A do ECA.

Confirmada em audiência a vontade de entregar o bebê para adoção, é proferida sentença de extinção do poder familiar da genitora em relação à criança (art. 19-A, §4º, e art. 166, §1º, II, do ECA). O mesmo ocorre em relação ao pai, se conhecido. Realizada a audiência, a mãe – e o pai, se for o caso – tem o prazo de dez dias corridos, contados do ato, para exercer o direito de arrependimento (art. 166, §5º, do ECA). Manifestado o arrependimento dentro do prazo, a criança será devolvida à genitora e o caso deverá ser acompanhado pela Vara da Infância e da Juventude por 180 dias, em aplicação analógica do §8º do art. 19-A do ECA.

Caso não tenha sido exercido o direito de arrependimento, a entrega passa a ser irretratável, não havendo a possibilidade da genitora e o genitor, exigirem de volta a criança. Portanto, a entrega voluntária para adoção não é crime. Trata-se de um mecanismo que procura proteger as crianças e evitar práticas que não são permitidas no Brasil, como aborto fora das hipóteses previstas em lei, abandono de bebês e adoção irregular. Um direito da gestante que merece e deve ser desmistificado.

Por Roberta Bello – Advogada com foco na Adoção. Tem expertise em Direito das Famílias e Infância e Juventude. Fundadora e Presidente do Grupo de Apoio a Adoção Desmistificando a Adoção.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email

Últimas Notícias

Cabo Frio poderá proibir queima, soltura e comercialização de fogos de artifício de estampido

Governo do Estado e prefeitura de Búzios firmam termo de cooperação para pavimentação na estrada da Fazendinha

Prefeitura de Macaé paga primeira parcela do 13º salário nesta quinta

Enel Distribuição Rio promove feirão de troca de titularidade em Rio das Ostras

RECURSOS PARA A CULTURA

Vereadores de Cabo Frio se reúnem com secretário de Cultura e firmam compromisso para recuperação dos equipamentos culturais

Alerta de falsos servidores

Rio das Ostras alerta sobre falsos fiscais da vigilância sanitária