Mudança de rotina da casa pode levar gatos ao estresse e potencializar doenças

Em tempos de isolamento social e home office, coordenador da Anhanguera salienta atenção no comportamento dos felinos e como atenuar situações de risco ao pet

PROLAGOS 300_250_pix

No isolamento social, a rotina da casa se mistura entre afazeres domésticos, trabalho e lazer. Nesse turbilhão vivido por boa parte da população, os animais domésticos acabam com suas rotinas alteradas. Os gatos – que são animais mais territorialistas e têm rotina muito bem definida por sua própria natureza – podem sofrer ainda mais. O coordenador do curso de Medicina Veterinária da Anhanguera de Niterói, Adolfo Barreto, elencou mudanças de hábitos dos gatos que podem ocorrer neste momento de pandemia e dá dicas importantes aos tutores.

Mudança da rotina
O gato é um animal que gosta de rotina. Portanto, eles acordam, brincam, se alimentam e dormem normalmente nos mesmos horários. “Em alguns casos, o local onde o gato dormia no meio da tarde, por exemplo, é onde o tutor está trabalhando agora, além disso a casa ficou muito mais movimentada: o animal antes ficava no silêncio e agora precisa enfrentar uma movimentação, crianças que não estão indo para a escola, tudo isso pode fazer com que o animal se sinta estressado”, explica Adolfo.

Sinais do estresse felino
Uma das formas que os gatos podem usar para demonstrar que estão estressados é se escondendo. Geralmente debaixo de um móvel, dentro do guarda-roupa, onde ninguém vai ficar incomodando ele com facilidade. Outro sinal que o gato pode apresentar é a agressividade, mesmo para os animais mais dóceis. “O gato tolera que você o aperte uma vez, duas, mas vai chegar uma hora que ele vai morder, arranhar, como uma forma de defesa”, complementa o docente.

Doenças emocionais podem se tornar doenças físicas
Assim como em humanos, doenças emocionais podem se tornar físicas nos gatos. “É muito comum que o gato, que está em um constante estresse desenvolva cistite, que é a inflamação na bexiga. Alguns gatos, por exemplo, começam a se lamber compulsivamente, arrancando os próprios pelos, outros param de se alimentar e também para aqueles com doenças pré-existentes, como doença renal crônica, FIV e FeLV, que são doenças infecciosas que deixam a imunidade dos gatos portadores mais baixa. Quando adicionamos o fator estresse, as doenças que estavam controladas, podem ser agravar”, afirma o coordenador da Anhanguera.

Minimizando o estresse
A melhor forma do tutor contribuir para que seu gato fique tranquilo é tentando manter sua rotina. De manhã, se estão mais agitados – geralmente acordam e ficam correndo – é a hora de dar um carinho, brincar, respeitando o momento do felino. “Quando o animal estiver dormindo, relaxado, evite mexer com ele ou tentar acordá-lo, porque isso o incomoda. Uma dica é colocá-lo num local que se sinta abrigado, onde não tenha muito barulho e gente passando. Hoje em dia existe também os feromônios sintéticos, que podem ser utilizados no ambiente para transmitir ao gato a sensação que o ambiente é seguro” completa.

Quando levar ao veterinário?
É esperado que o gato tenha alterações de comportamento com a mudança de rotina, mas se o tutor observar que se perpetuam por alguns dias, o ideal é levar ao médico veterinário para que seja investigado se pode haver alguma doença que deva ser tratada.

PRENSA 970X250 GOOGLE CONTEMPLADO INTERTEXTO BARRA
Comentários