NOVEMBRO NEGRO

Abra um sorriso: vai ter choro em Macaé

Macaé terá oficinas de choro on-line em outubro

Berço de Benedito Lacerda, um dos pais do chorinho, a cidade de Macaé, através do professor Rubinho Pereira, anunciou uma oficina totalmente on-line de chorinho. As aulas acontecerão todas as terças-feiras, de 18h às 22h. Elas começam dia 6 de outubro e seguem até dia 22 de dezembro.

O curso é destinado a estudiosos de música de vários instrumentos e em especial aos amantes de chorinho.  Segundo Rubinho, as aulas serão um verdadeiro mergulho na obra de Pixinguinha. Serão aulas semanais e durarão três meses e focarão na obra de Pixinguinha. “Serão 10 músicas trabalhadas do autor, passaremos a partitura com antecipação, aprenderemos sobre as partituras, os acordes, a melodia e buscaremos fazer deste grande artista o fio condutor da evolução musical dos alunos”, explica.

O professor destaca que, além da música, os alunos terão a oportunidade de estudar a biografia, a história do compositor e terão um canal do WhatsApp para tirar dúvidas 24 horas.

Em tempos de um Novo Normal, a oficina está atraindo alunos do mundo todo que estudam a música brasileira. Alguns músicos estudiosos do Chorinho também foram convidados para passar um pouco de conhecimentos para os alunos. “Realmente a proposta extrapola Macaé e vai muito além. Temos alunos de outros países que já realizaram inscrição. O Chorinho é uma música que alcançou um reconhecimento e uma respeitabilidade em todo o planeta e dependendo do resultado desta primeira oficina, poderemos expandir ainda mais as possibilidades”, afirma.

Instrumentista profissional e apaixonado pela vida e a obra de Benedito Lacerda e Pixinguinha, o violonista Rúben Pereira, o Rubinho, foi o idealizador do Festival Benedito Lacerda que acontecia regulamente em Macaé. Além de músico, ele é estudioso da história da região Noroeste.  Em 2014, Pereira participou da produção da primeira biografia atualizada do flautista macaense, e que corrige informações como sua data de nascimento (1846). Pereira vem de famílias antigas de Macaé. Ele lembra que o pai de seu tataravô foi ministro do Brasil Império.

As inscrições são gratuitas e as mensalidades custam R$ 80. Para mais informações ZAP da Oficina de Choro 22 98818 5918.

Um ritmo bem brasileiro

O choro, popularmente chamado de chorinho, é um gênero de música popular e instrumental brasileira, que surgiu no Rio de Janeiro em meados do século XIX e que tem como expoentes nomes como Benedito Lacerda, Chiquinha Gonzaga, Pixinguinha, além de ter influenciado músicos como Heitor Villa Lobos que compôs uma série de 16 composições dedicadas ao Choro, mostrando a riqueza musical do gênero. A partir daí, o ritmo ganhou um lugar de destaque e de respeitabilidade na música erudita mundial. Em 2020, o choro entra no terceiro século da sua existência, com uma bagagem de mais de 150 anos, completamente firmado como um dos principais gêneros musicais do Brasil.

PRENSA 970X250 GOOGLE CONTEMPLADO INTERTEXTO BARRA
Comentários