Entrevista com Tom Viana, pré-candidato a prefeito de Búzios

PROLAGOS 300_250

Está entrevista é parte do conteúdo publicado na 3ª edição impressa da Prensa

Primeira da série de entrevistas com pré-candidatos a prefeito em Búzios

Tom Viana é morador de Búzios e pré-candidato a prefeito/ Prensa de Babel

E todos têm que entender que o voto é uma arma. Se você vender o seu voto, você está condenado à morte.

Tom Viana

Prensa de Babel – Vamos iniciar com uma breve apresentação pessoal, e resumo dos motivos que levam o sr. a se lançar pré-candidato.

Tom Viana: Sou carioca, nasci no Rio de Janeiro, meus pais nasceram em Campos dos Goytacazes, fui batizado na Igreja de São Salvador. Completo 49 anos de idade agora em agosto. Meu pai faleceu eu tinha 13 anos, tive que criar meus irmãos menores, e sempre caminhando como muito trabalho, muita honestidade, eu consegui atingir meus objetivos. Sou administrador, tenho empresa no ramo de alimentação em Niterói, tenho um hostel pousada em Búzios, sou policial militar há 20 anos, sempre com muita humildade levando as palavras de verdade, de respeito, às pessoas de bem que precisam.

O prefeito tem que caminhar com o povo, trabalhar para o povo. Ser correto não é favor, é obrigação. Tem que fazer valer o voto de quem acreditou em você. Eu observo que todas as gestões de Búzios, nunca tiveram um olhar clínico para realmente estancarem as lágrimas de sangue do povo que tanto sofre. Por isso me posicionei, sou pré-candidato a prefeito de Búzios pelo PSL. Converso muito, e as pessoas me trazem coisas simples de serem resolvidas, basta vontade. Então aceitei o desafio.

Conversei com meu padrinho político, um grande irmão e amigo, delegado de polícia federal e hoje deputado federal PSL, Felício Laterça. Ele foi muito bem votado aqui na Região dos Lagos, foi o mais votado em Cabo Frio, principalmente devido ao trabalho conduzido com maestria a frente da Delegacia de Polícia Federal de Macaé, onde era responsável por 23 municípios. Há cerca de dois anos, comandou a operação Basura em Cabo Frio, onde ele prendeu secretários municipais e até o prefeito, recuperando milhões para os cofres do município. Ele é o meu norte, sabe do meu caráter e está me apoiando. É muito importante termos braços no governo federal para trazermos investimentos para a cidade.

Prensa – Há muito que os bairros situados na área continental da cidade, o chamado “além pórtico”, aguardam investimentos e atenção do poder Executivo.

Tom Viana Realmente é preciso ter um olhar carinhoso e muito mais respeitoso com o continente. O nosso crescimento deve ser direcionado para “além pórtico”. Penso que a prefeitura deveria criar um polo avançado de gestão pública e serviços para o cidadão, reunindo todas as secretarias num só local, na Rasa, por exemplo, facilitando o acesso, a solução de qualquer questão com a prefeitura. Isso ajudaria a levar o crescimento do comércio, do policiamento, de benfeitorias e da cidadania dos moradores. Deveria haver  um serviço de prefeitura presente, onde a gestão seja participativa, para se resolver os problemas junto com os líderes dos bairros, pessoas que ajudem a trazer as demandas, para junto com a prefeitura compor a solução. São muitos os bairros e os problemas. Costumo ouvir bastante as pessoas sobre isso. Ouço pessoas como Wesley, Marcos e Janaína de Baía Formosa, Yuri em Tucuns, Carlão de Vila Verde, na divisa na Rasa tem minha amiga Áquila e Madalena, na Cem Braças tenho meu amigo Nil, Marquinho, é preciso ter olhar para todos os bairros.

Prensa – A maior arrecadação do município vem dos royalties do petróleo, mas até o momento nenhum prefeito criou um Fundo Soberano, que num momento de crise como esse, servisse para socorrer a população. A prefeitura de Búzios só conseguiu oferecer cestas básicas. O que mais poderia ser feito?

Tom Viana – Num momento de crise como este que vivemos agora, é que percebemos claramente que o governo está sempre ausente. A prefeitura deveria oferecer um auxílio emergencial para a população ao invés de dar uma cesta básica, que foi adquirida de forma fraudulenta e superfaturada. Há cerca de um ano e meio a cidade de Maricá criou seu Fundo Soberano, depositando pequenos percentuais dos repasses de royalties, e eles já têm quase 300 milhões de reais em caixa para ajudar de verdade a população. Búzios precisa criar imediatamente seu Fundo Soberano e também um Fundo de Estabilização Fiscal, especialmente para momentos de crise.

“Segurança pública não é tiro, porrada e bomba, como dizem por aí.”, afirma/ Prensa de Babel

Prensa – O sr. usou a cidade de Maricá como exemplo, vemos que lá a prefeitura tomou uma série de medidas que seriam boas aqui, como as parcerias público-privadas. Na sua visão, seria bom Búzios adotar esse tipo de parceria?

Tom Viana – Numa gestão séria e comprometida com o engrandecimento do município e com o bem-estar da população, virão vários parceiros. Maricá trabalhou em parceria com as empresas e passou de 80 milhões de arrecadação para 400 milhões. Quintuplicou. Eles aumentaram a arrecadação e geraram empregos. Isso é governar.

O próximo prefeito terá muitos desafios. A Lei de Orçamento Anual – LOA informa que a cidade terá tantos milhões de reais de repasses de royalties de petróleo, mas na verdade isso não vai acontecer. A OPEP – Organização dos Países Exportadores de Petróleo já informou que não tem mais onde estocar petróleo. O barril está abaixo da metade do valor. Esses repasses que viriam para a cidade, eles não vêm mais. Terá uma diminuição em torno de 50%, o que vai ocasionar uma grande perda para o município. Nesse cenário as parcerias público-privadas se tornam mais importantes ainda. É lamentável que até hoje nenhum prefeito de Búzios tenha tomado a iniciativa de trabalhar essas parcerias. Estavam todos acomodados no dinheiro dos royalties.

Para alavancarmos a economia de nossa cidade precisamos limpar todo o ambiente de corrupção, acabar com essas covardias que são as fraudes que acontecem hoje, e fazer os responsáveis responderem pelos males causados. Num ambiente de credibilidade, o investidor vem.

Em Búzios é possível montar cooperativas com os pescadores visando o processamento do pescado e a formação de fazendas marinhas e criação de peixes em tanques. Búzios hoje tem 60 milhões de arrecadação própria. Só com a criação de peixes já se ultrapassa esta arrecadação. Hoje a prefeitura espanta o investidor porque é corrupta e exige propina. Espantaram a empresa que ia fazer de graça os pontos de ônibus da cidade com tomadas para celular ligadas à energia solar. Espantaram a empresa holandesa que queria fabricar tuk-tuks, pequenos veículos elétricos aqui. Vamos tirar esse pensamento sujo daqui e limpar de vez a corrupção. Assim o investidor volta a acreditar na cidade.

” A Prefeitura precisa se digital, estar na palma da mão como um celular”/ Prensa de Babel

Prensa – O que o sr. diz da situação do funcionário público concursado?

Tom Viana– Sempre prometeram ao funcionário concursado e nunca cumpriram o plano de cargos e salários. Isso eles precisam e merecem. É o mínimo a ser feito. Tem funcionário hoje que é perseguido por pensar ou votar diferente. Até hoje os concursados de 2012 não foram chamados devidamente. E eu digo que a cidade deve abrir um concurso para procurador do município. Uma pessoa concursada para agir na imparcialidade. Para trabalhar de verdade e não atuar na proteção de coisas erradas que o prefeito venha a fazer. 

Prensa – Como avalia o caso dos 400 professores demitidos recentemente em meio à pandemia?

Tom Viana– Eles foram demitidos de forma covarde. Eram cargos temporários, a ação foi legal, mas não moral. Nesse momento de pandemia os professores estão em casa cumprindo as determinações da OMS. Cada professor desse tem a sua família e estamos falando de mais de mil pessoas afetadas pelas demissões. Esses professores estavam em casa dando suporte a seus alunos. Não estavam em festinhas em João Fernandes, igual a muitos pré-candidatos que fazem parte da gestão do prefeito. Quero saber cadê o processo administrativo que foi gerado para penalizá-los. Isso aí você não vai fazer né André? Os professores foram demitidos no dia 03 de abril. No dia 02 ele contratou com dispensa de licitação, em torno de 400 mil reais de serviços gráficos. Coisa sem lógica, sem emergência nenhuma. Forma escusa que ele usa mais uma vez para saquear os cofres da prefeitura.

Prensa – O sr. fala muito em fraudes e corrupção como práticas comuns nesse momento na prefeitura. A população conhece esses fatos?

Tom Viana– Todas as pessoas que eu converso, eu sempre pergunto, você sabe que tem fraude nesse contrato, você sabe desse outro aqui… e todo mundo sabe dessas covardias que acontecem. O prefeito está aproveitando ao máximo essa dispensa de licitação, para fazer essas obras com valor superfaturado. Justamente para montar o caixa dois e bancar a campanha eleitoral de seus indicados. Pré-candidatos a vereador vieram me procurar para saber se ia ter alguma verba, alegando que o governo ia dar dinheiro para o pré-candidato. Eu respondo que este é o dinheiro que ele rouba da saúde, rouba da educação, e rouba do povo. E todos têm que entender que o voto é uma arma. Se você vender o seu voto, você está condenado à morte. Condenado à morte na saúde, na educação, na segurança, no seu trabalho. Não vou apresentar nenhum pré-candidato que já foi envolvido com as administrações passadas.

Prensa – Fraudes e corrupção impedem investimentos. Diversos setores de Búzios precisam de muita atenção. O que o sr. destaca?

Tom Viana– As crianças não têm uma merenda decente. As escolas não têm capina, as escolas não têm pintura, quando chove, chove mais dentro do que fora, algumas salas não têm iluminação, os professores precisam comprar tinta para as impressoras, eles não têm canetas, papel, não tem internet nas escolas. Tem escolas com cantinas particulares, o que é bem estranho. Tem escolas com casas de marimbondos, que picam os alunos e funcionários e covardemente o prefeito diz que gastou dois milhões de reais com higienização. Mas se não tem o mínimo, o básico, para a educação acontecer com dignidade, vai ter higienização gente? Isso é uma mentira.

Prensa – Como garantir uma gestão transparente, sem corrupção?

Tom Viana– Através de uma prefeitura digital e informatizada dá para impedir que haja corrupção. Temos hoje na cidade mais de dois mil e quinhentos CNPJs e muitos deles ainda trabalham na informalidade por não terem o alvará. Ora, o alvará pode ser online e custar 199 reais, o mesmo preço de outras cidades. O governo federal desenvolveu um software livre chamado ecidades, que muitas prefeituras utilizam. Niterói utiliza com excelência. O ecidades permite a prefeitura digital, onde o cidadão resolve tudo através do seu celular. Marca consultas, pega resultado de exame, faz matrícula nas escolas, verifica o andamento de licenças de obras, de processos, imprime documentos, tudo pelo celular. 

Prensa – Como o senhor analisa a situação do bairro da Maria Joaquina?

Tom Viana– O povo da Maria Joaquina fica nessa briga, nesse fogo cruzado, entre as prefeituras de Cabo Frio e Búzios, quando na verdade não existe briga para trazer qualidade de vida e dignidade para o povo. Existe briga por causa dos royalties de petróleo. E o povo sofre muito. A luta correta seria para trazer a Maria Joaquina de volta pra Búzios. O povo quer e precisa.

Prensa – Fale da Segurança Pública, tema de grande relevância.

Tom Viana– Temos que investir hoje para colher amanhã. Investir no nosso jovem. Qualificar, profissionalizar o nosso jovem, que é o nosso futuro. Isso é segurança pública. Segurança pública não é tiro, porrada e bomba, como dizem por aí. Segurança pública é iluminação, pavimentação, cidadania, é a nossa vida, o nosso cotidiano com qualidade.

Prensa – O que o sr. destacaria na área da cultura?

Tom Viana– Meu pai me dizia, você tem que saber da onde você é e pra onde você vai. Temos que conhecer a nossa história. Precisamos ter um acervo cultural da história buziana, começando lá nos índios, nos escravos, contando dos pescadores e quilombolas. E precisamos mostrar isso aos turistas e principalmente, aos nossos estudantes, pois é a história das famílias nativas, a sua própria história.

Prensa – Que cidade o próximo prefeito encontrará para gerir?

Tom Viana– Infelizmente a prefeitura estará quebrada. Devido aos descasos, à pandemia, e aos contratos fraudulentos que durante anos rondaram a cidade. É preciso um corpo técnico, qualificado, para assumir a responsabilidade de consertar isso. Por isso me lanço neste desafio de ser pré-candidato a prefeito dessa cidade. Búzios precisa de mudanças para trazer dignidade para todos. Búzios precisa de uma gestão séria e comprometida com o povo.

Comentários