Diário do fim do mundo #4 -por Sandro Peixoto (Saudade)

24 de março de 2020

Foram-se os turistas ficaram os chinelos (chinelos e não chilenos)/ Sandro Peixoto

Estamos sós. Mais sós que nunca. Descobri que dependo de estranhos para ser feliz. A palavra “estrangeiro” vem do francês étranger, estranho. Dependo de pessoas que nunca vi ou que jamais verei para pagar as contas. Para comer,  beber, vestir, morar, tomar banho, etc.

Descobri isso há muito tempo. Agora porém, a agonia se fez mais latente. 

Cheguei a  Búzios no inicio dos anos 90. Era setembro, mês do meu aniversário.  Me acomodei no bairro dos Ossos e aluguei, com um amigo argentino, um quiosque na praia de João Fernandes; O Chiringuito- que então pertencia  a empresária Graciela Vismari.

Entre outubro e dezembro pouco me movi além da ponta da península. Quando precisava ir ao bairro de Manguinhos seguia pela estrada da Usina na ida e na volta.  Fui conhecer a praia dos Ossos apenas dois meses depois. Na Rua  das Pedras fui apenas uma vez e de dia. Estava vazia como hoje. Meu sócio me olhando de soslaio falou: nas noites de verão, para caminhar  aqui hay  que  pedir  permission. Achei exagero.

Quem vai pagar o pato? Búzios voltou no tempo/ Sandro Peixoto

O verão chegou ainda em dezembro. Éramos o destino preferido da classe média argentina (que com a vantagem cambial, onde 1 peso valia 1 dólar) compravam tudo em dobro. Era a época do “dá-me dos!” 

Na primeira noite tomei um susto! A rua estava intransitável.  Parecia uma invasão. Lembro bem de uma noite que estava no início da Rua das Pedras  vindo dos Ossos e precisava chegar ao final da rua, no recém-inaugurado Shopping Nuber One. Depois de dar três passos em dez minutos resolvemos eu e minha namorada pegar um atalho pela praia. Até hoje não sei por que não seguimos pela  Turíbio de Farias, até  então uma rua quase periférica apesar de ser vizinha da Rua das Pedras.  

A Turíbio era a rua dos nativos que se juntavam no Bar do Fernando. Um misto de deposito/sinucaria/bar. O pessoal se juntava no meio da rua mesmo. Cada um com uma garrafa  de cerveja nas mãos. Latas ou Long Neck não  estavam na moda ou nem existiam. O Bairro dos Ossos, outrora epicentro  do movimento turístico  entrava em decadência por culpa (a palavra culpa não é a ideal, mas não me vem nada melhor à cabeça no momento) da creperia Chez Michou, que virou a mais perfeita tradução do Espírito buziano. Alegre, moderna, cosmopolita e integrada a a creperia paisagem logo se transformou no point da península.

Antes da última reforma  da Rua das Pedras, quando as calçadas foram padronizadas,  uma pessoa que estivesse caminhando era possível que entrasse no Chez Michou sem querer. A rua literalmente entrava na casa. Poucos lembram desse detalhe. 

Voltemos ao que interessa. O movimento do verão me deixou extasiado. Mesmo trabalhando das 7 às 19 horas todos os dias no comando do bar, não deixava de ir a Rua das Pedras. Verdade que voltava cedo para casa, mas usava a volúpia do verão para me entusiasmar.

Rua das Pedras cheia a noite era sinônimo de praia cheia no dia seguinte. Quando o verão acabou confesso que brochei feio. O inverno longo me amargou por demais. O setor hoteleiro era baseado em pequenas pousadas que em sua maioria esperava o cliente chegar ao balcão perguntando se havia vagas.

O mundo girou e outro verão chegou tão grandiloquente como o que havia passado. Tudo cheio. Faltava água, luz, gelo, pão e até cerveja.  Já  não gostei tanto quanto antes. Havia me apaixonado pela Búzios vazia dos buzianos. Sem engarrafamentos, barulho, brigas e preços exorbitantes.

Torci para o verão acabar e todos os estranhos  irem embora. Queria Búzios só para mim, vazia como se encontra agora. Hoje, no entanto, sinto  falta dos estranhos. Sinto falta de ouvir um idioma diferente, um sotaque estranho. Me sinto só e as contas não param de chegar.

*Sandro é articulista e cronista de Búzios e com seu humor peculiar narra sua aventura de ver Búzios de uma forma até então nunca vista/ Prensa

Este é um artigo de opinião de responsabilidade do seu autor e não representa necessariamente a opinião do Jornal.

Leia também Mais do autor

1 comentário

  1. døiss Diz

    Acho momento propício para q a cidade
    ” estrañe” ( tenha saudades) os estrangeiros.
    Vivi em Búzios por 16 meses e uma das minhas críticas à cidade é a de explorar ao máximo os turistas até a próxima estação. Momento de fazer uma autocrítica e repensar a cidade desde o mesmo turismo, atividade fundamental p manter essa cidade funcionando , muito além da pretensão dos buzianos que acreditam que a cidade pode a essa altura se poupar do turista q aqui chega, seja de onde vem.

Comentários estão fechados.

pendik escort kartal escort çekmeköy escort mersin escort türkçe altyazılı porno lezbiyen porno sex hikaye mersin escort bodrum escort