Alerta para possível formação de ciclone que pode atingir litoral do Rio com ventos de até 60km

As ondas poderão chegar a 4 metros e a Marinha alerta que navegantes não entrem no mar nesses dias

A Marinha emitiu nota oficial nesta terça-feira (21) sobre a previsão de uma possível formação em alto mar de um ciclone sub-tropical. O fenômeno se dará longe da costa, mas suas consequências poderão ser sentidas com ventos de até 60km e ondas de até 4 metros do norte de Arraial do Cabo (RJ) até a Bahia nesta quinta-feira (23).

A formação do ciclone está associada ao estabelecimento de uma zona de convergência sobre uma região em que a temperatura da superfície do mar está sendo observada entre 26ºC e 27ºC. Caso a intensidade dos ventos observados alcance ou supere 63 km/h (34 nós), o fenômeno será reclassificado como Tempestade Subtropical “Kurumí”, expressão em tupi-guarani que significa “menino”. A nomenclatura será oficialmente estabelecida por meio de Aviso Especial publicado no site do CHM, conforme a relação de nomes que consta nas Normas da Autoridade Marítima nº 19.

Imagem do ciclone Guará, que se formou na costa brasileira em 2017/ Foto: Reprodução/NOA/Nasa

Os ventos poderão ocasionar agitação marítima resultando em ondas de direção de Sudeste a Leste e altura entre 3,0 e 4,0 metros em alto-mar, entre o estado de Santa Catarina, ao Norte de Laguna (SC) e o estado do Rio de Janeiro, ao Sul de Arraial do Cabo (RJ), entre o dia 23 pela manhã e o dia 25. Também é esperada agitação marítima resultando em ondas de direção de Nordeste a Norte e altura entre 3,0 e 4,0 metros em alto-mar, entre o estado do Rio de Janeiro, ao Norte de Arraial do Cabo (RJ) e o estado da Bahia, ao Sul de Caravelas (BA), entre o dia 23 pela manhã e o dia 25.

Alerta-se aos navegantes que consultem essas informações antes de entrarem no mar. A previsão foi realizada em colaboração com o Instituto Nacional de Meteorologia (INMET), o Centro de Previsão de Tempo e Estudos Climáticos do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (CPTEC/INPE) e o Centro Integrado de Meteorologia Aeronáutica da Força Aérea Brasileira (CIMAER/FAB),

Leia também Mais do autor

Comentários estão fechados.