Sob a batuta de Dória tucanos fluminenses se reúnem para o lançamento do “novo PSDB”


Em evento no Prodigy Santos Dumont,Rio de Janeiro, neste domingo (1º), aconteceu a apresentação do que está sendo chamado de “Novo PSDB”.  O ponto alto do encontro foi a presença do governador de São Paulo, João Doria, principal aposta do partido tucano para concorrer à presidência em 2022 e rivalizar com dois concorrentes de grande capital político  no Rio, Wilson Witzel e Bolsonaro. 

Também foi a oportunidade de tornar pública a filiação do ex-ministro de Bolsonaro, Gustavo Bebianno, que será o futuro presidente do partido no município do Rio. 

Mesmo com a presença de figurões da capital, lideranças antigas do PSDB,  foram muitos lembrados, na ocasião, os representantes do interior, como o vice-prefeito de Búzios, Henrique Gomes, e o prefeito de Macaé, Aluízio, ambos recentemente filiados ao partido. 

Outro filiado e representante do interior, o presidente da TurisRio, esse um tucano veterano, Thomas Weber, também esteve presente e considerou muito positiva a reunião. 

“O novo PSDB prioriza a gestão. Justamente aquilo que mais se sente falta em quase todos os municípios do Brasil.”, comentou ao Prensa.

O objetivo do encontro no hotel carioca era mesmo o de apresentar as novas diretrizes do partido,em especial para o Rio.. Além de reforçar o nome de Dória, tomando mesmo o espaço de pré-candidato à presidência da República. O político adotou um discurso anti-extremismo, criticando tanto a política presidencial como o Partido dos Trabalhadores (PT). 

Utilizou por diversas vezes a expressão  “centro democrático”, que deverá fazer parte do discurso tucano daqui em diante em esfera nacional, como uma espécie de  postura conjunta do “novo PSDB”. Uma clara tentativa de desligar o partido do atual entendimento de “direita”, que ficou muito ligada  a onda conservadora e de posições agressivas do que está sendo chamado de bolsonarismo.
  

Foram abordados, ainda, questões como a proteção do Meio Ambiente e valorização da Cultura, dois dos pontos muito criticados do governo Bolsonaro na politica nacional, como também de Crivella na política carioca.

Para 2022 o PSDB  busca esse distanciando da figura de Bolsonaro, e também de Witzel, mas com o desafio de conseguir isso tendo Doria como principal nome da nova fase do partido, ele  que também deixou registrada ao longo de sua carreira posições agressivas e que se contradizem com o novo discurso, como os casos do tratamento de seu governo a moradores de rua em São Paulo e suas recentes declarações em relação ao massacre de jovens em um baile funk na comunidade de Paraisópolis  na última semana. 

Evento lotado, também tornou público a filiação de ex-ministro de Bolsonaro ao partido

Já na esfera local, vale lembrar que na Região dos Lagos e Norte Fluminense, o PSDB não conseguiu vencer nenhuma disputa para o Executivo, o que demonstra o desafio de  reconstrução de uma nova imagem do partido no estado, em especial no interior, em que o bolsonarismo ainda se mostra muito forte.


Leia também Mais do autor

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.