Sindipetro NF quer explicações sobre plataformas com amarras de ancoragem rompidas

Nesta sexta-feira (27), representantes do Sindipetro NF (Sindicato dos Petroleiros) do Norte Fluminense protocolaram, na Petrobras, ofício, pedindo explicações sobre a situação das plataformas P-50 e P-25, da Bacia de Campos. Ambas estão com a produção parada em razão do rompimento de amarras de ancoragem

A entidade sindical quer saber as condições atuais da ancoragem, o número de amarras rompidas, a quantidade de embarcações auxiliando o posicionamento em cada unidade, a existência ou não de backup para estas embarcações e tempo de resposta, a condição operacional, entre outras informações técnicas.

No último dia 23 de setembro, o Sindipetro NF recebeu informações sbore o rompimento das amarras na P-50. A entidade havia recebido dos trabalhadores as informações iniciais sobre a ocorrência. Das cinco amarraas que ancoram o navio na proa a bombordo (na frente à esquerda da embarcação), três estavam rompidas e foi acionado o estado de alerta.

Sobre a P-25, o sindicato também havia sido informado por trabalhadores sobre o rompimento de amarras e aguardava informações mais detalhadas para a divulgação. A ocorrência na unidade aconteceu no último dia 19, quando foi identificado o rompimento de uma amarra. Foi aberta sala de contingência para planejamento das atividades de reparo e controle de posição da embarcação. A unidade produz 5529,77 bbl de óleo/dia e 94,25Mm³ de gás/dia.

A P-50 produz aproximadamente 24 mil barris diários de petróleo e cerca de 500 milhões de metros cúbicos de gás natural diários, de acordo com dados da Agência Nacional de Petróleo em julho de 2019.

A categoria pode continuar a enviar informações sobre estas e outras ocorrências envolvendo segurança, saúde, habitabilidade ou outras sobre condições de trabalho para denuncia@sindipetronf.org.br.

Leia também Mais do autor

Comentários estão fechados.