Menina de Cabo Frio morre em hospital do Rio com meningite viral

A menina de 12 anos foi transferida para o Hospital da Lagoa, no Rio, com uma ambulância de uma clínica privada. Segundo a Prefeitura, a menina estava a todo momento sendo assistida pela equipe médica.

No último dia 4 de março, a cabofriense Gabrielle Biral Valadão dos Santos, de 12 anos, morreu no Hospital da Lagoa, no Rio de Janeiro com uma meningite viral. Segundo os registros de ocorrência feito na 126ª DP (Cabo Frio), a doença foi detectada em exame realizado no Hospital São José Operário, em Cabo Frio, no dia 26 de fevereiro. Entretanto, os médicos teriam dito que o exame havia dado negativo, chegando a informar que Gabrielle tinha sintomas de dor de cabeça. Na UPA foi diagnosticado que a menina tinha meningite.

A criança, foi a upa de São Pedro da Aldeia com o sintoma dor de cabeça. Foi atendida por 3 vezes antes de vir para Cabo Frio. Após diagnóstico foi internada e, em seguida, eEla foi transferida para a ala infantil do Hospital da Mulher, onde passou por mais uma bateria de exames. No domingo (3 de março), porém, teve parada cardíaca e convulsão, sendo necessária a transferência para o Hospital da Lagoa, no Rio. Ainda segundo o registro de ocorrência, foi informado que “o hospital não possuía ambulância adequada e não seria possível encaminhá-la para o Hospital da Lagoa no momento, devendo aguardar a disponibilidade da ambulância dos bombeiros ou procurar algum político influente para pedir uma ambulância dos bombeiros”.

Os familiares conseguiram uma ambulância de clínica particular, que chegou às 21h. Com a ajuda de conhecidos, também conseguiram uma ambulância da prefeitura equipada com UTI móvel. Eles foram informados de que “não havia qualquer solicitação de ambulância por parte do hospital”. Gabrielle seguiu para o Rio de Janeiro com a ambulância da Prefeitura. Foi internada às 2h do dia 4 de março. No momento da chegada, a equipe do Hospital da Lagoa constatou a morte cerebral.

De acordo com o registro de ocorrência, os médicos informaram à família que o motivo da morte seria em decorrência de meningite viral que foi constatada no exame realizado no dia 26 de fevereiro.

Prefeitura responde

De acordo com a Secretaria de Saúde “a menor deu entrada no Hospital da Criança no último dia 27, vindo transferida da Upa, onde já havia sido avaliada por um Neurologista e um Oftalmologista e passado por punção lombar e Tomografia de crânio”. Disse ainda que ao chegar na unidade, ela apresentava um quadro de cefaléia há cerca de 30 dias, mas mesmo assim, apresentava um bom estado geral, não apresentando febre ou vômito. Durante todos os dias a menor foi assistida por um Neurologista e no dia 1/3, por conta da cefaléia não ceder, foi iniciado um tratamento com antirretroviral.

Ainda segundo a Saúde no dia 2/3 foi feita uma ressonância e houve piora do quadro clínico, “o que fez com que fosse solicitada uma vaga em UTI pediátrica através da Central de Vagas do Estado. No dia seguinte a vaga só foi liberada por volta das 15h45. Mas é importante ressaltar que a todo momento ela estava sendo assistida pela equipe médica. O Grupo de Socorro de Emergência foi acionado para solicitação de transporte para o Hospital da Lagoa, no Rio e a mesma foi transportada de forma adequada”, disse em nota.

A Secretaria ainda diz lamentar o falecimento da menor e se coloca à disposição para qualquer esclarecimento.

(*)Contém algumas informações da Folha dos Lagos

Leia também Mais do autor

2 Comentários

  1. Glauce Diz

    Minha irmã estava dentro do hospital, além da dor de cabeça está vomitando e com febre! Inclusive você não iniciaram nenhuma médicacao para o caso, o único remédio que era dado a ela era o tramol! Inclusive conseguimos a ambulância da prefeitura por uma contato da família, e não tinha nenhuma solicitação do hospital para transferência!

  2. Sonia Diz

    Em pleno século 21, numa cidade como Cabo Frio, depender de um vereador influente para conseguir uma ambulância para levar um paciente é o cúmulo do absurdo. Enquanto isso uma vida foi ceifada. Muito triste. Espero sinceramente que a família consiga superar a sua dor e coloque a prefeitura na justiça, para ser indenizada por causa de um serviço público de péssima qualidade . Certamente não vai trazer a menina de volta, mas pelo menos ameniza uma parte dos gastos que a família teve com uma atuação tão triste da secretaria de saúde.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.