Reforma das UPAs e construção de Centro de Reabilitação em Cabo Frio

O Secretário de saúde, Márcio Mureb, falou com exclusividade ao Prensa sobre a verba adquirida para a reforma das UPAs e a construção do Centro em Tamoios com recurso próprio

Entra governo e sai governo e a pergunta do morador de Cabo Frio é a mesma: “E a saúde?”. Após um ano conturbado para a política cabofriense, com eleições suplementares e um novo Governo Municipal, as coisas finalmente parecem começar a entrar nos eixos. Em visita às Unidades de Pronto Atendimento (UPA) do município (são duas, uma no 1° distrito e outra no 2° distrito), o secretário de saúde, Márcio Mureb, anunciou reformas estruturais que serão feitas ainda neste ano.

Herdamos o caos na saúde, mas já estamos colocando a casa em ordem

Uma verba, de R$ 3.600.000 (três milhões e seiscentos mil reais), vinda do Governo do Estado, será utilizada para reformas, melhorias, medicamentos e salários dos profissionais. O próximo passo agora, segundo Mureb, é aguardar as plantas das unidades para iniciar as obras. “As UPAs têm um padrão a ser seguido e os desenhos estruturais estão em posse do Estado”, explica.

Foto Prensa de Babel

Além das obras nas UPAs, um Centro de Reabilitação será construído no segundo distrito. O Centro terá os mesmos serviços da unidade do Novo Portinho no 1º distrito e vai ser construído, segundo o secretário, com dinheiro municipal.

Sobre a atual condição das UPAs, Márcio Mureb fez uma análise do que foi encontrado por sua equipe. “Nós fizemos uma vistoria há um tempo e a gente encontrou as UPAs em um estado de depreciação muito grande sob todos os aspectos. Diante desse quadro a gente não tinha orçamento, mas recebemos essa verba e começamos a nos mobilizar para iniciar as obras de restauração dessas unidades. Até porque trabalhávamos com um orçamento que não era nosso, não foi votado pelo governo atual e hoje a gente tem um orçamento baseado nesse dinheiro que veio especificamente para ser utilizado nas UPAs.”, completou.

Explica que a grande dificuldade que o Governo encontra hoje é que a empresa que projetou essas estruturas não existe mais. “se não seguirmos esse padrão, não podemos utilizar a verba”, reafirma. A previsão, de acordo com Mureb, para início das obras depende apenas da finalização dessa parte. Mas garante que é em breve.

O desafio da Saúde

Sobre o uso das verbas, o secretário diz que “nosso cálculo de obras já foi totalmente planejado. A gente tem três grandes desafios: reestruturar as UPAs, reestruturar com obras o Hospital de Tamoyos, que é outra coisa que é muito importante, e a assistência básica que está totalmente depredada, renegada a segundo plano há 22 anos. Não se fez nenhum tipo de investimento”, disse. Afirma ainda que o valor é mais do que o suficiente pra fazer qualquer obra, inclusive de construir outro hospital se necessário.

Centro de Reabilitação em Tamoios

Uma das novidades da gestão, o Centro de Reabilitação de Tamoios. “O centro de reabilitação vai ser estrategicamente colocado ao lado da UPA. O projeto da gestão anterior seria de 90 m² atrás do Ginásio Poliesportivo de Tamoios e só ia atender a parte de fisioterapia (…) Foi feito um estudo que comprovou que o tamanho era ineficaz, a proposta era ineficaz, porque Tamoios tem uma demanda reprimida muito grande (…) Então mudou tudo, mudou tamanho, localização, quantidade de disciplinas que vão ter ali, vai ser realmente um Centro de Reabilitação com fono, fisioterapia, psicólogo e tudo que tem direito”, afirmou.

Leia também Mais do autor

Comentários estão fechados.