Representação contra o padre Alex será feita na CNBB

Integrantes de movimentos sociais de defesa dos direitos humanos entraram com representação contra o padre Alex Renato no Ministério Público Eleitoral (MPE)

No último domingo (30), na Paróquia Nossa Senhora da Assunção, de Cabo Frio, na missa celebrada, o padre Alex Renato mostrou apoio à candidatura de Jair Bolsonaro (PSL) à Presidência da República. O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) considera campanha política dentro de templos religiosos e igrejas como abuso de poder econômico.

“Não esqueçam de “já ir” levando seu título no bolso”, falou o padre Alex, durante parte de seu discurso sobre as eleições, fazendo conhecido trocadilho com o nome do candidato. Em outro momento, no altar, ele chegou a fazer gestos para imitar armas, que são um símbolo da campanha de Bolsonaro. “A zona eleitoral fica pra lá ou pra lá? Sabe me dizer? Acho que pra lá, né?”,como pretexto para mostrar o símbolo com as mãos ao erguer os braços de um lado para o outro.

Alex Renato é pároco da Igreja Sagrado Coração de Jesus, na Praia Grande, em Arraial do Cabo. Lá, ficou conhecido por realizar “celebrações animadas”, chegando a utilizar bonecos de fantoches na missa das crianças.

Justiça Eleitoral do Rio de Janeiro tem buscado coibir campanha política em igrejas. Em entrevista à Agência Brasil, o procurador regional eleitoral Sidney Madruga explicou que os fiscais monitoram se há pedido de votos ou distribuição de kits nos templos. “Dentro das prioridades, nestas eleições, está o combate ao abuso do poder religioso. Há um monitoramento para saber se o líder religioso está pedindo votos ou distribuindo kits para determinado candidato. Esta situação já foi caracterizada pelo TSE (Tribunal Superior Eleitoral) como abuso de poder econômico, já que não existe a figura do abuso de poder religioso. O uso indevido e irregular, da igreja ou do templo, não deixa de ter um reflexo econômico”, falou Madruga.

Denúncias podem ser feitas ao Tribunal Regional Eleitoral (TRE) e à Procuradoria Regional Eleitoral (PRE). O valor das multas vai de R$ 5 mil a R$ 30 mil.

Integrantes de movimentos sociais de defesa dos direitos humanos entraram com representação contra o padre Alex Renato, pároco da Igreja Sagrado Coração de Jesus, na Praia Grande, em Arraial do Cabo, no Ministério Público Eleitoral (MPE). Uma representação contra o padre será feita também na Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB). O Padre, em resposta ao Portal RC24H, disse que “não tem nada a declarar, o voto é secreto”.

No fim da tarde desta última quinta-feira (4), o padre postou em uma rede social da Paróquia Nossa Senhora da Assunção o seguinte: “Se eu, Padre Alessandro Renato, ofendi alguém ou houve algum mal-entendido, na Missa das 20hs do dia 30 de setembro na Paróquia Nossa Senhora da Assunção em Cabo Frio, peço que me desculpem”.

Leia também Mais do autor

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.