“Fortalecer o PDT de Búzios” – Entrevista com deputado Chico D’Angelo

Na entrevista procuramos saber porque só recentemente  passou a ter uma presença na cidade e os objetivos  que podem ser esperados pelos munícipes do interior do estado

D’Angelo e Cristiano Marques selando o compromisso de trabalho conjunto via PDT em Búzios

A convite de Cristiano Marques,   reconhecido executivo do trade turístico de Búzios, na Região dos Lagos do Rio de janeiro,  que já ocupou diferentes cargos  na área  tanto no setor público quanto no privado,  o Prensa esteve presente em uma reunião com o deputado federal Chico D’Angelo,   atualmente no Partido Democrático  Trabalhista (PDT), e concorrendo ao quarto mandato.

Na entrevista procuramos saber porque só recentemente  passou a ter uma presença na cidade e os objetivos  que podem ser esperados pelos munícipes do interior do estado com um mandato que, a semelhança do candidato a presidência do mesmo partido, se identifica como centro esquerda  e progressista.  Na ocasião D’Angelo também  falou sobre a importância do próprio Cristiano para essa maior ligação do parlamentar  com a cidade, e também acenou para a uma possível renovação  do PDT no município.

D`Angelo, nascido em Campos dos Goytacazes,  por quase 30 anos  foi filiado  do Partido do Trabalhadore, o PT, e exerceu seus mandatos anteriores pela bancada deles. Migrou para o PDT  no período da janela eleitoral de 2018, e afirma que a decisão não foi por conta do desgaste que o partido vem sofrendo desde 2014.  “Só tenho boas recordações.  Foram anos de solidariedade com a bancada.”,  afirmou e  reforçou a opção pelo PDT com a resposta que deu em março ao site Broadcast Político

“Faço política em grupo e a maioria dessas pessoas, entre elas, o prefeito de Niterói (Rodrigo Neves) decidiu ir para o PDT que tem uma história com o Rio, com a hegemonia trabalhista de (Leonel) Brizola e Darcy Ribeiro. Isso tudo somado me fez tomar essa decisão”, justificou o parlamentar ao Broadcast Político: “Faço política em grupo e a maioria dessas pessoas, entre elas, o prefeito de Niterói (Rodrigo Neves) decidiu ir para o PDT que tem uma história com o Rio, com a hegemonia trabalhista de (Leonel) Brizola e Darcy Ribeiro. Isso tudo somado me fez tomar essa decisão”.

Prensa de Babel: Qual é a sua visão do interior do estado, Região dos Lagos, Norte Fluminense?

ChicoD’Angelo: O Brasil vive um momento dramático na política e o Rio mais ainda. Vive um total estado falido, isso tem reflexo diretamente na vida dos municípios, e mais ainda nos municípios do interior. A Região dos Lagos tem potencial de desenvolver melhor o turismo, o que é fundamental para o Estado. Tem também a questão. Tenho andado por todo o estado, vejo as estradas, por exemplo. As rodovias estaduais, estão praticamente abandonadas. Então a minha expectativa é que com a implantação de um novo cenário, que a gente possa virar essa página triste do Rio de Janeiro.
Prensa: Desta vez vocês optaram por não ter uma parceria com MDB, partido do qual foram aliados durante o governo Cabral. Não se estar coligado novamente ao MDB e outros partidos do centro tem a ver com a situação que o estado se encontra nesse momento?

D’Angelo: Estamos com o PSB, que tem a presidência hoje do Molon, deputado federal. O MDB tomou um novo caminho, indo pra coligações dos partidos de centro. Nosso candidato é jovem, foi secretário de estado, é preparado. Ele ainda é desconhecido, nunca disputou uma eleição majoritária. Mas a gente está com expectativas de que com o processo eleitoral ele possa colocar as propostas e crescer. O último governo do PDT no Rio foi muito emblemático, o governo em que Brizola que foi o governador que deixou marcas no Estado. Darcy Ribeiro já dizia há 25 anos “se não der sequência o que ele plantou, escola de turno integral, se a gente não der sequência a essa política, 20 anos depois a gente estará construindo mais presídios do que escolas” é o que está acontecendo hoje no Rio de Janeiro. O nosso candidato ao governo do estado tem esse perfil e compromisso com a educação.

Prensa: Ciro Gomes é o candidato à presidência pelo PDT, e se tentou uma coligação com o PSB também na esfera nacional. O próprio Molon afirmou isso em primeira mão ao Prensa. Mas acabou não dando certo. Ainda assim, mesmo com uma chapa puro sangue e com apoio apenas o minúsculo avante, acredita que o Ciro tem chances?

D’Angelo: Ciro é experiente já foi prefeito de capital, governador de estado, ministro de estado duas vezes e por onde passou deixou uma marca de bom gestor competente com prêmios nacionais e internacionais na prefeitura de Fortaleza. O Brasil não pode mais escolher aventureiros, depois desse cenário que a gente tá vivendo não pode escolher candidatos sem experiência administrativa. Se for um aventureiro, sem o currículo do Ciro, eu acho que a gente vai para o buraco de vez. Então acho que o melhor cenário é o eleitor trabalhar com emoção e com a razão, as eleições têm muito componente emocional, mas também pelo componente da razão para poder ter reflexão nas nossas vidas, nossos filhos netos e por uma geração. Eu diria que é um cenário muito complexo e uma eleição de imprevisibilidade muito grande e tem vários fatores novos em uma eleição muito curta, 45 dias. Vou para minha quarta eleição, as eleições todas eram três meses. Será primeira que vou ter 45 dias, então é uma eleição muito curtinha.

Prensa: Acredita que agora, trazendo para a realidade de Búzios, pode se repetir uma dobradinha desse sentido aqui em 2020, o fortalecimento do PDT e PSB em Búzios?

D’Angelo: Pode acontecer, mas o objetivo de imediato é fortalecer o PDT aqui na cidade.

Prensa: Cristiano é um nome jovem que é filiado PDT, agora começa a ganhar mais visibilidade, o nome dele é a aposta do partido?

D’Angelo: Ele já fez uma trajetória na área administrativa, tem experiência nessa área. Teve grande votação como Vereador e a gente quer construir o partido pujante aqui e ele faz parte disso sim.

Prensa: Se entrar no seu quarto mandato, o que Búzios pode esperar do senhor daqui adiante?

D’Angelo: Conseguir construir um grupo aqui, que a gente consiga trabalhar isso. Desde o primeiro mandato, em outros municípios eu construí um grupo parceiro para colocar emendas parlamentares de Brasília e ajudar essas cidades. Em Búzios ainda não tinha conseguido isso. Agora estou em campanha e, se Deus quiser, tenho muita chance de me reeleger e quero passar a ter uma relação política parceira com a cidade de Búzios. Cristiano é fundamental nisso.

Leia também Mais do autor

Comentários estão fechados.