Pesquisa eleitoral divulgada antes da hora esquenta corrida à Prefeitura de Rio das Ostras

A divulgação antecipada é ilegal, constitui multa, e pode acirrar ainda mais a disputa pela Prefeitura de Rio das Ostras.

Esta semana foi divulgado os resultados iniciais de uma pesquisa eleitoral para as eleições suplementares de Rio das Ostras, que apontam cenário prévio das intenções de voto para a eleição suplementar marcado para o próximo dia 24 de junho. A pesquisa está registrada no Tribunal Superior Eleitoral no número: RJ – 01406/2016.

A divulgação antecipada é ilegal, constitui multa, e pode acirrar ainda mais a disputa pela Prefeitura de Rio das Ostras que terá, pela primeira vez depois de 20 anos, um prefeito em primeiro mandato, depois de 3 mandatos de Alcebíades Sabino (PSDB) e 3 de Carlos Augusto, sendo o último com duração de apenas 1 e pouco mais 3 meses, depois que a Justiça Eleitoral cassou o mandato do ex-prefeito.

De acordo com informações disponibilizadas no site do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), a pesquisa realizada foi do tipo quantitativa e foi feita pela Organização Não Governamental (ONG) Vida Brasil, sediada em Nova Iguaçu, na Baixada Fluminense, com o resultado definido pelo estatístico Ricardo da Costa Silva, e custando apenas 1.500 reais, o que seria um valor muito abaixo do mercado. No site também informa que o contratante da pesquisa eleitoral é a própria ONG, o que não exigiria nota fiscal.

De acordo com o a ONG, foram ouvidas mil pessoas dos bairros, Cidade Beira Mar, Cidade Praiana, Palmital, Recanto, Nova Aliança, Centro, Nova Cidade, Gelson Apicelo, Nova Esperança, Liberdade, Parque São Jorge, Âncora I e II, Enseada das Gaivotas, Praiamar, Jardim Bela Vista, Mariléa, Atlântico, Costazul, Bosque Beira Rio, Colina, e Ouro Verde, entre os dias 3 e 4 de junho, quando o ex-prefeito da cidade e ex-candidato as eleições suplementares, Carlos Augusto Balthazar (MDB), ainda estava na disputa.

O resultado foi veiculado pela afiliada da TV Record na região e teria sido divulgado antes do prazo estabelecido em Lei Federal, que é de 5 dias a partir da concessão do registro, datado do último dia 8 de junho. Assim, a divulgação estaria autorizada apenas para esta quinta-feira (14).

Leia também Mais do autor

Comentários estão fechados.