Carlos Siqueira é reeleito presidente nacional do PSB

O 14º Congresso Nacional do PSB reelegeu, neste sábado (3), em Brasília, o atual presidente Carlos Siqueira para o triênio 2018-2021. Siqueira foi reconduzido por aclamação, em chapa única.

Com Siqueira foram eleitos os 161 novos membros do diretório nacional. Após o encerramento do congresso, o diretório escolheu a nova Comissão Executiva Nacional do partido, com 43 integrantes.
Após a eleição, Siqueira agradeceu aos socialistas pelo apoio nesses três anos em que esteve à frente do partido e destacou a unidade demonstrada nos debates e nas decisões durante o Congresso realizado no Centro Internacional de Convenções do Brasil.
Segundo ele, o conteúdo das discussões e decisões do congresso servirá de orientação para o PSB definir nas convenções estaduais e na nacional, em julho deste ano, seu rumo eleitoral para 2018.
Os governadores Paulo Câmara (PE), Ricardo Coutinho (PB) e Rodrigo Rollemberg (DF) ocupam vice-presidências, assim como o ex-deputado federal Beto Albuquerque (RS), o ex-ministro Aldo Rebelo (SP), o senador João Capiberibe (AP), o ex-prefeito Rubens Bomtempo (RJ), o deputado federal Danilo Cabral (PE) e João Campos, filho do ex-governador Eduardo Campos.
O vice-governador Márcio França (SP) permanece como secretário nacional  de finanças e o ex-governador Renato Casagrande (ES) na secretaria-geral do partido.
Siqueira fez uma saudação especial à secretária nacional do segmento LGBT Socialista, Tathiane Araújo, como a primeira mulher trans a compor a direção nacional do partido.   
Siqueira ressaltou também a democracia interna do PSB, que ganhou reforço, no último ano, com uma plataforma de comunicação digital e, agora, com a criação de uma vice-presidência voltada para “modernizar” a relação dos filiados em todas as instâncias, por meio das mídias digitais.
O presidente do PSB ressaltou que este será um ano decisivo para o partido no plano eleitoral. Pela primeira vez o PSB disputará as eleições no Sudeste com três candidaturas “fortes”, em São Paulo, com Márcio França, em Minas Gerais, com Márcio Lacerda e no Espírito Santo, com Renato Casagrande.
O partido também terá candidaturas competitivas no Distrito Federal, Tocantins, Pernambuco, Amapá, Amazonas, Sergipe, Tocantins e Rio Grande do Norte, com a filiação, nos próximos dias, do vice-governador Fábio Dantas.
Siqueira disse que as eleições dos socialistas não devem ser “um fim em si mesmo”. “Somos candidatos porque queremos melhorar a vida da nossa gente, porque queremos melhorar e desenvolver o nosso país. Vamos dar um conteúdo às nossas eleições, que elas não sejam um fim em si mesmo e nem oca de ideias”, defendeu.

Leia também Mais do autor

Comentários estão fechados.