A morte dos caciques políticos de Búzios

 

Por Sandro Peixoto

cacique_e_paje_modao_de_viola11-500x500É típico da democracia política – que tem na alternância de poder sua maior virtude – a ascensão e queda de seus líderes políticos.  Armação dos Búzios, jovem município que finalizou agora apenas na sua sexta eleição para prefeito, assiste pela primeira vez a derrocada de suas dois principais chefes políticos. Nesta eleição, Tanto Toninho Branco quanto Mirinho Braga, os dois maiores líderes da cidade tiveram que se contentarem em usar o cacife para eleger terceiros. Mirinho foi candidato à prefeito, mas sabia que tinha poucas chances. Seu esforço foi no sentido de eleger seu filho Raphael Braga para o cargo de vereador. Já Toninho testou sua força pedindo votos para sua esposa Shirley, mesmo sabendo que a derrota seria iminente. Tanto que ela retirou a candidatura e apoio Mirinho, um desastre.

Como pai ouso afirmar que se eu fosse político, se conhecesse o mundo da política, a nojeira que aquele antro é, jamais colocaria meu filho nela. Se ele desejasse entrar tudo bem, não ousaria impedir mas de antemão informaria que de mim não esperasse apoio, sequer o voto. E não venham me dizer que  é para o bem da cidade. As famílias que se aboletaram no poder político, o fizeram apenas para o bem próprio. Exemplos não faltam. Toninho  Branco desejou se perpetuar no poder elegendo sua esposa. Quem já provou sabe que o poder é inebriante. Principalmente aos olhos dos mais fracos. O desejo de se manter, de viver nababescamente com dinheiro público é realmente atraente, principalmente para os mais fracos, como já disse antes.

Qualquer eleitor que esteja legal perante a lei pode se candidatar, diz a lei. Nada contra o desejo de alguns em querer virar representante do povo. O que enoja é o desejo do poder pelo poder. Não se vê  pretensos candidatos tentando se aprimorar, estudando as leis, o sistema administrativo. Assistimos apenas a mesma pantomima, a cantilena de sempre, os discursos vazios. Gente querendo se eleger porque é filho de não sei quem, porque é simpático ou porque acha que ser prefeito ou vereador é uma  aventura.

Essa eleição mostrou ainda  o isolamento político do vereador Gugu de Nair, que desde o primeiro momento (junto ao vereador Felipe Lopes) se declarou oposição ao prefeito André . Foi candidato a reeleição mas está mais sozinho que nunca. Nem o apoio de Felipe teve mais e acabou em uma campanha estéril ao lado de Alexandre Martins, perdendo mais que  ganhando em associar sua imagem a dele. Aliás, se dependesse de Felipe, Gugu teria estado totalmente fora da parada.

Leia também Mais do autor

Comentários estão fechados.